Suicídio não!

0
132

A Jane anda triste, muito triste mesmo. Ela e o ex-marido moraram em Santo Ângelo por muitos anos. Lá pelas tantas arrumaram as malas e se foram para uma cidade grande, fora do Estado, em busca de melhores possibilidades de progresso material. A tentativa não deu certo. Acabaram se separando pouco tempo depois. Cada um para um canto. Ele ficou por lá e ela voltou para o Rio Grande do Sul, hoje mora na Grande Porto Alegre. Em matéria religiosa, ambos seguiam linha pentecostal, sem perder um só culto. A Jane agora está procurando conhecer a Doutrina Espírita, ainda engatinhando, como quem procura a última tábua de salvação, prestes a ser tragada pelas ondas revoltas da experiência terrena.

Outro dia, a Jane me encaminhou e-mail com notícias preocupantes:

– Gostaria de ser incluída no caderno de preces e vibrações da Sociedade Espírita Amor ao Próximo. Estou muito ruim, me debatendo para não entrar em depressão e vencer a tentação do suicídio. Eu me sinto muito fraca. Tenho tentado eliminar a ideia de suicídio com preces, mas em certas horas a ideia vem com força total e eu tenho que sair a caminhar. Estou separada e fiquei economicamente arruinada, tive que recomeçar do zero. O ex-marido ganha pouco, cerca de um mil e duzentos reais e não dá nem para ele. Não estou recebendo pensão alimentícia. Quando posso compareço a uma casa espírita. Gostaria de visitar o templo budista (onde os monges transmitem muita paz), que existe em cidade próxima, mas não tenho dinheiro para ir lá.

A fase difícil em que a Jane está vivendo não é muito diferente da fase de outras Janes da vida. Mas o autoaniquilamento do corpo físico não é solução para ninguém. Ao contrário. O Evangelho Segundo o Espiritismo esclarece que nenhum ser humano tem o direito de dispor de sua vida. Diz mais que o suicida faz a parte do prisioneiro que foge do presídio antes de cumprida a pena a que foi condenado. Quando recapturado o preso recebe tratamento severo, especialmente vários dias isolado dos demais companheiros de cela. O mesmo se dá com o suicida que julga escapar dos rigores da prova terrena e mergulha em dificuldades bem maiores no outro lado da vida.

Mandei para a Jane o ensinamento do Chico Xavier, que merece acurada reflexão dos que alimentam a perigosa ideia, na ignorância dos amargos resultados que o ato infeliz traz para o suicida. Disse o inolvidável médium:

– Todo suicídio traz consequências muito graves nas estruturas do corpo espiritual. O estudo futuro da origem da criança excepcional, por exemplo, vai abrir um campo imenso de pesquisas altamente proveitosas sobre essas repercussões. Temos visto muitas vezes o câncer infantil como consequência do suicídio em vida anterior. Nosso benfeitor Emmanuel teve oportunidade de analisar o assunto, em vários livros, entre eles “Religião dos Espíritos”, sob o tema “Doenças Escolhidas”.

Acredito que a Jane vai superar as dificuldades de hoje. Acredito que amanhã, dotada do conhecimento que liberta, a Jane estará fortalecida, pronta para o que der e vier. E o suicídio restará como lembrança de momentos tristes que ficaram no passado. Tudo passa.

A FRASE DO CHICO XAVIER, curtida por Jacqueline Rodrigues Portalete: “Em algumas existências nós chegamos ao planeta para enriquecer a inteligência. Em outras, para enriquecer o coração”.