Base de lançamentos de foguetes do Rolador

0
151

Em realidade, tudo começou quando o Dr. Simplício, um químico muito renomado, acabou descobrindo importante e revolucionário combustível. Dr. Simplício, trabalhando no laboratório da Fazenda Secos e Molhados, do Rolador, ao fazer testes com mamonas – uma praga verde que infesta a região – adicionou as mesmas em um caldeirão onde retinha gases metano, resultados dos puns dos ruminantes dos campos, obtendo poderoso energético, combustível super potente que, ao divulgar na Internet, despertou interesses estrangeiros para a pronta aplicabilidade de tamanha descoberta.

Vieram chineses, japoneses, tailandeses… querendo a fórmula de tão inusitado combustível. Mas a comunidade roladorense, que não nasceu ontem, blindou o Dr. Simplício e a sua descoberta, determinada a fazer uso da mesma, da melhor forma, da maneira mais eficiente e tecnológica possível, para importante acontecimento histórico. Projetos tantos foram ventilados, apresentados, discutidos… acabando por vingar aquele da base de lançamento de foguetes. Em parceria com Cerro Largo e São Luiz Gonzaga, erigiram projeto futurístico rumo às estrelas: A Base de Lançamento de Foguetes do Rolador.

Tão logo o protótipo ficou pronto, para não perderem tempo, enviaram no voo inaugural um autêntico representante da fauna regional, um Vanellus chilleusis, ou o popular Quero-quero, também conhecido por téu-téu e espanta-boiada. A primeira experiência seria uma volta na Terra, ejetando o Quero-quero quando passasse sobre o Rio Grande do Sul. A ave ferrada foi ejetada sem um mínimo para-quedas, a natureza já lhe dera asas… que se virasse na queda! Quando foi resgatado pelos cientistas e a guarda municipal, após caiu em um tremedal, o bicho estava quase sem voz e só emitia um sussurro inaudito para sua espécie: Não-quero… Não-quero… Não-quero…

O segundo voo levou como astronauta, uma anta. Esse animal pertencia a uma grande população, em tempos idos, aqui na região. Hoje, há raríssimos exemplares, ao menos, os de quatro patas. Se forem bípedes, os há aos montões. Creio, inclusive, ter alguma descendência. O bicho, a certa altura ao orbitar o pago, enlouqueceu na cabine da nave movida a pum e a mamona. Chacoalhou tanto que a cápsula modular saiu da órbita e do controle dos ginetes das ideias, adentrando por caminhos desconhecidos pela troposfera do imponderável. Uma coisa de louco! Preocupante! Desesperadora! Não poderiam perder aquela anta… que se perdesse a nave apumtômica, mas não o astronauta da tromba curta.

Uma vez constatada a eficácia do combustível, planejaram um voo a Marte. Oito meses para ir, mais oito para voltar… Era dar uma olhada lá e voltar imediatamente, pois a mamona mal conservaria sua aplicabilidade e eficácia por desseseis meses. Afinal, são 566 milhões de quilômetros, isso navegando a uma velocidade 17 vezes mais que a velocidade do som.. Foi feito um concurso na região para eventuais astronautas. Não apareceu nenhum candidato! Não confiaram no projeto, na tecnologia, no combustível, ou nas mentes dos sábios cientistas. Foi instituído um grande prêmio, um fabuloso salário para o voluntário. Nem assim apareceu um único gaúcho para defender a raça. O Bossoroca até pensou em ir, mas com a sua gaita e a Banda BM. Iria divulgar o seu CD “Sofrendo mais que mãe de ouriço”, mas desistiu ao constatar que nas provisões faltava charque e cachaça.

O impasse só se resolveu quando definiram que o indicado seria um robô. Não tinha porque arriscar a vida de qualquer gaudério na atmosfera marciana. A bandeira que Rolador queria fincar no solo marciano ficaria para outro e futuro voo. Era ir, bater uma chapa, e voltar! Esse, seria o grande evento e o coroamento da corrida espacial defendida pelo povo missioneiro.

No dia estipulado para a viajem interplanetária, com os tanques abarrotados de mamonas e gás metano, a nave partiu! Com acompanhamento visual, binóculos e outros aparelhos óticos o povo acompanhou a subida fétida da nave. Cadeias de TV do mundo todo acompanhavam o inusitado evento, quando… inacreditavelmente, a nave explodiu!

Em meio ao caos ninguém entendia ou procurava entender o que havia acontecido. Foi quando surgiu uma anta. Acompanhada por três advogados. Sim! Aquela mesma que estava perdida. Veio receber o seu salário, destituindo-se irrevogavelmente do cargo de astronauta!