30 anos

0
110

Frase mais repetida de 1984: ‘Quero votar em presidente’.
Participei de ato, na Capital, ensanduichado. Calculou-se 200 mil pessoas defronte a Prefeitura. Em São Paulo, foram mais de 1 milhão.

Não se alcançou os dois terços, apesar dos 298 votos pró-emenda.
Cirurgião Ivo Nesrala realizava primeiro transplante de coração. Em agosto, surpreendentemente, nevava em Porto Alegre. Naquele ano foi identificado o vírus da AIDS.

30 anos II

Refrigerantes Vontobel (Vonpar) adquiria área da fábrica Rogowski.
Prefeito Mauro Azeredo anunciava realização da Fenamilho em 1985. Era formada equipe de trabalho. Câmara de Vereadores aprovava aquisição de área para sede da Feira.

Faleciam em 1984 Carlos Medaglia, Willy Gatz e Siegfried Ritter.

30 anos III

Envolvido em polêmica, renunciava mandato na Câmara Municipal o radialista Lucindo Amaral.

Jandyr Schau de Araújo recebia título de Cidadania Honorária
Luiz Carlos Prestes visitava o município, para reencontrar companheiros da Coluna. O entrevistei para o Jornal das Missões, no restaurante do Faldino.

Dias antes era negada concessão do Título de Cidadania ao engenheiro responsável pela implantação da primeira ferrovia na região.

30 anos IV

João Peludo aterrorizava a região. Acompanhei sua senda criminosa. Ilustrei uma das matérias ao JM com foto. Ninguém conhecia sua face. Veracidade posta em dúvida seria confirmada depois de preso e trazido a Santo Ângelo.

Aplicado golpe de 1 bilhão na compra de soja. Suposto autor, José Luiz de Mattos Borges, fugiu, foi recapturado, mas prosseguiu negando.

Em 1984 crescia movimento de emancipação de Entre-Ijuis.
A seguir, acontecimentos de 1994.

Representatividade

Por telefone e e-mails, manifestações ao comentário sobre inexistência de representação do município – na Câmara e Assembleia – e como recuperá-la.

Entre elas do ex-prefeito, ex-deputado, Mauro Azeredo, hoje na Capital e do advogado, Aldo Medeiros, residente em Curitiba, atento às coisas do município, onde viveu até 1968 com o pai, João Calisto de Medeiros, a mãe Ana e suas três irmãs.

Classificando situação de ‘inconcebível’, torcem pela recuperação nestas eleições.

Mensaleiros

Como sabido, os novos ministros do STF decidiram favoravelmente aos mensaleiros petistas Dirceu, Genoíno e Delúbio, absolvendo-os da acusação de formação de quadrilha.

Igualmente sabido, ministro Joaquim Barbosa classificou de ‘um dia triste’, avisando ser ‘só o começo’.

Abstraindo-se sua amargura e desilusão, faz pensar.

Em novembro Lewandowski será o novo presidente. A seguir, outros ministros que condenaram os mensaleiros se aposentam. Se Dilma se reeleger, deverá indicar 5 novos ministros.

Como confiar na isenção do STF com seus membros, historicamente, indicados pelo Governo Central?

Bombeiros

Incêndio irrompido na Capital há dias escancarou as precariedades humanas e materiais dos bombeiros. Ano a ano, efetivos minguam, equipamentos ficam mais sucateados e os sinistros causam maiores estragos patrimoniais.

Somente ação heroica dos bombeiros, aliada a sorte, tem evitado a perda de vidas.

Ao invés de atacar os problemas infraestruturais, discute-se desvincular os bombeiros da Brigada. Claramente desvia o foco dos reais problemas. Desvinculação poderia ser tratada, mas priorizando o aumento de efetivos, número de viaturas, escadas e outros equipamentos.

Até porque os envolvidos tateiam. Como fazer o desmembramento garantir modificações para melhor?

Olho-por-olho

No final de janeiro, jovem negro foi preso a um poste levantando a questão: fazer ou não justiça com as próprias mãos.

Muitos queriam queimá-lo. Consumado seria a volta do olho-por-olho, ferindo o conceito constitucional que somente o Estado tem o poder de polícia.

Voltaríamos à barbárie.

Governo brasileiro tem porção de culpa, pois os problemas educacionais, socioeconômicos e de segurança impossibilitam a rápida reversão da situação.

Como esses processos demandam médios e longos prazos, necessitam ser apressados e vistos como prioridades.

Só lembrando: mudanças passam diretamente pelo cidadão, que tem o poder de escolha, votando.

Clima

Decisão da presidente de punir militares da reserva que criticaram integrantes do primeiro escalão piorou o clima nos quarteis.

Número de adesões ao manifesto chamado de ‘Alerta a Nação’, aumentou.

Presidente Dilma Rousseff decidiu puni-los depois dos militares a criticarem em público por não censurar as ministras Maria do Rosário e Eleonora Menicucci.

Clima II

Intenção do ministro da Defesa, Celso Amorim, de intervir no Clube Militar, também colocará mais lenha na fogueira. Teme-se recrudescimento dos problemas.

Adesões ao manifesto beiram 400 assinaturas. São 42 oficiais generais, entre eles dois ex-ministros do STM.

Completando o clima pesado, postagens na internet convocam aos brasileiros a marcha ‘Contra a Corrupção’, nas capitais, dia 22!

Prêmio

Alguém ganhar 111 milhões de reais na Mega-Sena tem levado especialistas a discutir sorte e acaso, tentando justificar a façanha. Ganhar com aposta simples desafia as probabilidades matemáticas.

Lembrei que uma vez me senti milionário, na loteria esportiva. Fazia parte dum bolão. Acertamos todos os jogos. Nos anos 70, de comunicação precária somente sabíamos a quantidade de ganhadores na segunda-feira.

Convidamos amigos para festejar, gastamos muito. Nada que, pensávamos, abalaria o prêmio.

Prêmio II

Naquela noite de domingo, depois do Tagreli da Ruth e do Karl Axmann, Barbarela, do Willian Sirugy, Titio do Ivo Weber e da JU-28, presidida pelo João Lama Paiva, fomos dormir felizes.

A segunda-feira nos encontrou com uma ressaca fenomenal, piorada quando conferimos o resultado.

Nosso bolão de 10 pessoas dividiu a grana com milhares!

Levamos um prêmio desmilinguido que nem cobriu gastos da noitada! 

Reflexão de fim de semana

“O mundo não está ameaçado pelas pessoas más e sim por aquelas que permitem a maldade.” (Albert Einstein).