Clamor

0
121

A comoção e o clamor público que os desembargadores julgaram inexistentes para libertar os acusados da tragédia da Kiss manifestaram-se e intensificaram-se imediatamente após a decisão do Tribunal de Justiça.

Permanecem latentes na população, nas famílias das vítimas, corporificados na bofetada desferida pela mãe de Thanise, uma das vítimas inocentes, no advogado de defesa. Carina Rodrigues justificou: “Ele estava rindo, debochando…”. Jurisconsulto prometeu processá-la…

Puna-se Carina, libertem-se os assassinos da filha e outras 241 pessoas… O conjunto soa paradoxal ao grande público. Para as famílias é como se os mortos novamente morressem!
Ainda que técnica, decisão remete à fragilidade das leis, deixando aberta a possibilidade de os acusados fugirem, ou interferirem diretamente nos trâmites judiciais.

Gostaria de escrever que o crime da Kiss serviu para modificar a legislação de prevenção de combate a incêndios e alertar à necessidade de atualização do Código Penal a quem se culpa por brando. Contudo, reflete a vontade do legislador (Câmara e Senado), hoje com alguns de seus integrantes envolvidos em ilegalidades. Estariam interessados em modificá-lo?
Resposta coerente seria que sim. Porém…

Animais

Políticas municipais de proteção aos animais começam a ser discutidas no legislativo de Santo Ângelo.

Participaram da primeira audiência vereadores André Marques, Everaldo Oliveira, Nader Awad e Diomar Formenton.

Audiência foi solicitada pela vereadora Jacqueline Possebon.

Boa pauta!

Associação

Antônio Humberto Meireles, Júlio Medeiros e Yole Steinhaus, cobrando a ausência de seus nomes na nota da coluna sobre os 10 anos da Associação dos Santo-angelenses.

Desculpem amigos. Que não os impeça de batalharem pela festa de aniversário, a ser realizada possivelmente em outubro.

Ford

Discurso utilizado em várias campanhas de que o PT havia mandado a Ford embora, será arquivado?

Decisão da 5ª Vara da Fazenda Púbica condenou a montadora a pagar 162 milhões de reais ao Estado, por investimentos não realizados para instalação da filial de Guaíba, em 1999.

Ford havia recebido recursos para iniciar as obras, mas teria quebrado o contrato.

Como à decisão cabe recurso, até lá podem surgir novidades para decifrar o imbróglio e definir quem realmente quebrou a palavra.

Dobrado

Bolsa Família continua com problemas. Foram cadastradas 692 mil pessoas duas vezes. Duplicidade custou 100 milhões de reais.

Enquanto isto ministra da área, Teresa Campelo, passeava pela Disney…

Polêmica

Diária dos vereadores santo-angelenses causando polêmica.

Orçamento original teria sido gasto e haveria pedido de suplementação.

Como sistema de diárias foi votado e aprovado, é de se perguntar: era uma necessidade? Gastos a mais resultam em benefício à população ou o plus salarial é uma demasia?

Somente assim a polêmica que ganha as redes sociais poderia ser esclarecida.

Do contrário cria no contribuinte – que arca com tudo – a ideia de que o gasto é excessivo, desnecessário e, portanto, revogável.

Pedágios

Fim de alguns pedágios, transformado em ato político, saudado com discursos e críticas a Brito e Yeda. Poderá ser gol contra quando todos estiverem concluídos em dezembro, pois manutenção das estradas caberá ao DAER, gerenciada pela EGR.

Anunciada diminuição de 26% nas tarifas somada às deficiências do Departamento demandará muita criatividade para manter e melhorar as rodovias. Previsão de arrecadar em 2014, nas 14 praças, é de 180 milhões de reais.

Questão imediata: como fica o atendimento aos feridos em acidentes? Há ainda a dívida que as empresa cobra ao Estado, de 3 bilhões de reais.

Rezemos!

Ser missioneiro

A definição de uma missioneira: “Yole Mousquer Steinhaus é como fui batizada. Nasci no mês de julho de 1940, em Santo Ângelo, conhecida modernamente como Capital das Missões. Apesar de minhas raízes europeias, francesa de um lado e alemã de outro, me considero uma autêntica mulher missioneira, talvez, pelo chão vermelho que venho pisando desde que nasci no aconchego dos “sete povos”: São Nicolau do Piratini, São Francisco de Borja, São Luiz Gonzaga, São Lourenço Mártir, São Miguel Arcanjo, São João Baptista e Santo Ângelo Custódio.

Sempre fui apologista da miscigenação das raças. É a mistura que faz a beleza da pele. Pena que não possua eu uma pitada de sangue nativo nas veias, para que pudesse gritar mais alto: – Sou missioneira da gema!

Segundo registros históricos, sabemos que a “República Cristã dos Guaranis” nasceu cento e cinquenta anos antes da formação social e política do Rio Grande do Sul, talvez por isso esse nosso “amor terrunho”, esse jeito diferente de gostar de ser gaúchos.

Como santo-angelense, sinto que faço parte dessa história, dessas escaramuças todas e até chego ouvir o brado de Sepé: – Esta terra tem dono!
Tenho consciência de que a mulher missioneira, ao lado do seu homem, muito tem ajudado na reconstrução social, econômica e política da “pátria gaúcha”. Como educadora, acho que fiz a minha parte e muito me orgulho em integrar esse “batalhão”.

A religiosidade é algo que nos ficou dos jesuítas. A igreja matriz de Santo Ângelo expressa em sua beleza a réplica da Catedral de São Miguel Arcanjo, construída em 1740 para festejar os duzentos anos da fundação da Companhia de Jesus. Nela fui batizada, crismada; nela me casei e batizei meus filhos, assisti as missas dominicais e a “missa do galo”.
Importante para que tenhamos amor à terra são as lutas, os sofrimentos, as vitórias familiares.

Quero saudar aqui o trabalho e o suor dos meus avós, dos meus pais, dos meus tios, irmãos meu saudoso esposo Deodato Dorneles Martins e filhos que sempre buscaram o melhor, proporcionando as vitórias da família.

Sim, eu sou uma mulher missioneira, com muita honra!”.