Coisas-do-rádio

0
112

Ontem, um veículo de massa dos mais importantes na minha vida profissional completou 67 anos. Em 50 anos de atividade em jornal e rádio, jamais esqueci o período passado na Rádio Santo Ângelo. Entre colaborador e funcionário, foram cinco anos.
Iniciei naquele estágio em que geralmente está quem tem anos de profissão, isto é, leitura de noticiários e, especialmente, comentários.
Comecei como comentarista.
Voz empostada, procurava passar suspense, humor, tristeza ou alegria ao ouvinte. Neófito, me socorria nos grandes locutores que ouvia nas emissoras de Rio, São Paulo e Porto Alegre, copiando seus estilos.

Coisas-do-rádio II
Com cara e, sobretudo, coragem, dei meus primeiros passos na lendária ZYF-6, Rádio Santo Ângelo.
Além do comentário, trabalhava na redação e apresentava a Grande Resenha Informativa, das 10 da noite.
Isso levou Oliveira a me convidar – já na qualidade de colaborador remunerado – a apresentar o Globo em Foco, às 15 para as 7 da noite. Nele pratiquei as primeiras gafes ao microfone.
Foi em uma notícia sobre a Sociedade Amigos Parque das Oliveiras – a SAPO.

Coisas-do-rádio III
Waldemar Rosenthal, que dividia a bancada comigo, era sério, como cidadão e radialista, atividade repartida com sua função no Ministério do Trabalho.
Li minha parte e, quando ele foi ler, irresponsavelmente fiz um sinal com as mãos, seguido de uma bobagem, sussurrada. Rosenthal viu, ouviu, se segurou para não rir, tentou ler, gaguejou, enrubesceu, emudeceu. Ficou rindo em silêncio.
Tentei continuar a leitura, não consegui. Ficamos os dois gargalhando já com o microfone cortado pelo veterano operador João Lied.
Subiu a trilha, não demos nem boa noite…

Coluna
Novos e antigos amigos em postagens na internet e por telefone referindo-se à leitura semanal da coluna, levando-os a amenizar saudades da cidade, especialmente quando trata de pessoas e acontecimentos do passado.
Agradecimento aos que têm solicitado meu livro ‘Crônica do Tempo’.
Atendendo a solicitação, e-mail para pedidos, [email protected], ou (51) 8454-4139.

Cabide
Como Porto Alegre, Santo Ângelo engajado na distribuição de roupas em cabides nas ruas.
Idealizadores mantêm comunidade virtual – ‘Amor no Cabide’ –, noticiando as atividades.
Ideia é deixar as roupas nos cabides para que sejam apanhadas por pessoas carentes, baseada no apelo ‘Espalhe amor, Espalhe cabides, Doar é Amor’.

Aeroporto
Longa paralisação das obras do aeroporto, interferindo no atendimento de pacientes do Hospital Santo Ângelo.
Preocupação foi levada ao CDL, pois o temor da direção do HSA é de que a falta de um aeroporto prejudique a demanda de pacientes da região que procuram a casa de saúde. Pelo mesmo motivo um órgão à disposição para transplante não chegou ao destino.
Clara e perigosamente, problemas recorrentes do aeroporto estão afetando diretamente setores dinâmicos da cidade e região.
Prevista para ser concluída em 4 meses (começou em julho de 2013), um ano depois a pista está sem asfalto.
Comunidade aguarda que últimas promessas sejam concretizadas.
‘Aeroporto já’.

Conservação
Empresário Geovani Gisler descontente com estado do Centro Histórico.
Local, constatou, denota má conservação e manutenção, que se não atacadas degradarão um dos locais mais visitados da cidade, em que se localizam a Catedral, Prefeitura Municipal, Praça Pinheiro Machado e construções históricas.
Alio-me às preocupações, imaginando que elas serão ouvidas, senão atendidas pelo setor competente da Administração.

UPA
Circulando comunicado alinhando razões para atraso do funcionamento da UPA do Bairro Pippi.
Entre essas de que não fossem problemas estruturais, sendo corrigidos, estaria em atividade.
Entrega da estrutura ao município ocorreu no dia 29 de julho. Reparos restantes caberão à construtora.
Comenta-se, estariam faltando recursos para tocá-la devido ao tamanho. Haveria aportes federal e estadual, mas à prefeitura sobraria arcar com médicos, enfermeiras e demais funcionários, daí a intenção de negociar uma redução do espaço físico, sem perder qualidade.
Aguardemos!

Religião
Em campanha, candidatos usam tudo para conquistar eleitores. Uma é cativar religiosos. Na moda, elogiar os evangélicos, que crescem vertiginosamente.
Presidente Dilma chegou a citar salmos na conquista de evangélicos. Nada contra, a não ser o fato de ter sido favorável a atitudes não cristãs em passado recente. Dilma se disse favorável ao aborto, mesmo se confessando católica.

Família
Da coluna do Políbio Braga: Luciana Genro, candidata do PSOL a presidente, votará no ex-marido Roberto Robaina a governador; Tarso votará em Dilma.

Carta
Havia espécie de namoro entre Executivo e Legislativo santo-angelense? Se existia, chegou ao fim, ou chegará.
Ao menos se infere da Carta de grupo de vereadores, posicionando-se em relação à votação de projetos do Executivo. Daqui em diante serão criteriosos, não haverá mais moleza.
Parlamentares exigem urgência para colocar em funcionamento a UPA do Bairro Pippi. Não vão mais tolerar protelação, o que ocorre há mais de ano.

Carta II
Igualmente, cobram reativação do Banco de Materiais de Construção e melhoria de estradas e acessos no meio rural, considerando a situação calamitosa.
Pedem o realinhamento dos padrões e coeficientes das categorias de funcionários mais defasadas. Finalmente, que sejam duplicadas as vagas das creches do Bairro Pilau e um calendário de implantação de novas nos bairros Dido e Leonel Brizola.
‘Carta Aberta à Comunidade de Santo Ângelo’ está assinada pelos vereadores Corazza, Formenton, Jacques Barbosa, Lauri Juliani, Jacqueline, Everaldo, Nader e Vando.

Carta III
Como tem assinatura de vereadores da base aliada, nova pergunta: o que houve?
Comenta-se, estopim foi incendiado a partir da discussão da necessidade ou não do Centro Administrativo.
De cristalino na Carta, o péssimo estado de estradas interioranas e a UPA do Bairro Pippi.
Esses e outros problemas sem solução foram sendo represados. Agora se aproveita o tenso momento da campanha para detonar a represa.
Espera-se, ao final, que a população seja beneficiada, que não se transforme apenas em uma explosão de mágoas mal curadas.