Corrida

0
159

Iniciada programação eleitoral na TV. Programas mostram dificuldades da situação em negar realidades irrefutáveis.
Alternativas até agora apresentadas não parecem ser a solução que o eleitor espera.
Notória a fragilidade da infraestrutura brasileira. Faltam investimentos em setores vitais como na geração de energia.
Petrobras e Eletrosul escancaram problemas. No caso da Petrobras, somam-se à corrupção. Saúde vai mal.
Mesmo esquivando-se da pecha de arautos do catastrofismo, especialistas repetem que inflação, altíssimos juros, desabastecimento seguido de congelamento podem voltar, formando quadro semelhante ao pós-Collor.

Corrida II
Criticam rumos da economia, desenhando um panorama pior do que há vinte anos.
Para eles, 2015 será um ano difícil. Aumento do desemprego, estagflação, congelamento de preços, falta de crédito e outros espectros apocalípticos podem virar realidade.
Há a dívida pública, considerada a maior dívida corporativa do mundo. Um PIB tão raso e sem perspectivas de melhorar, inflação crescente, baixo investimento e gasto incessante com a máquina pública de vários dígitos, estimulam essas projeções desanimadoras.
Por isso caso o governo não tenha na manga uma carta e cacife para bancar, toda essa previsão se tornará brutal realidade.

Corrida III
Onde está o plano que leve à queda da inflação, dos altíssimos juros, à diminuição dos gastos públicos, do paternalismo, com mais investimentos, para que o PIB cresça, os empregos sejam mantidos, não haja desabastecimento, nem estagflação?
Candidatos, de situação e oposição, hoje na busca do voto dos brasileiros, terão de pensar em evitar a tragédia anunciada, fazendo o contrário das últimas administrações.
Receita parece ser melhorar o que foi feito e não executar projetos de afogadilho.
Nesta campanha é preciso que se discutam os rumos a seguir para tentar resolver problemas visíveis, sem recorrências próximas ou remotas.
É preciso parar de tentar gerar crescimento subsidiando o crédito.

Associação
Convidado por Adroaldo Loureiro, estive no grupo fundador da Associação dos Santo-angelenses, em Porto Alegre.
Além dele participavam Ademar Stocker, Arnoni Lotermann, Benjamin Meneghetti, Carlos Marchionatti, Cristiane Ribeiro, Dirce Pippi, Ernesto Ferreira, Ethiane Severo, Fábio Medeiros, Fernanda Ritter, Glaci Loureiro, Jorge Tonetto, José Alcebíades de Oliveira Jr., João Paiva, José Caetano, Mauro Azeredo, Marcos Meneghetti, Orestes de Andrade, Paulo Rebelato, Rudy Kother, Sandra Viñas e eu.
Fundação ocorreu quarta-feira, 1º de outubro de 2003. Foram presidentes, Mauro Azeredo, Erlo Pitroski e Jesus Severo. Atual presidente, Marisa Meneghetti.
Objetiva congregar aos santo-angelenses, natos ou ‘adotados’, residentes na Capital e região metropolitana.
Dia 26 de setembro realiza-se encontro, na Casa do Gaúcho, Parque da Harmonia, a partir das 19h30min.
Atrações: Os fugitivos e Ricardo Lunkes & Banda. Ingressos a 40 reais à venda com a diretoria.

Conselheiro
E-mail do ex-deputado e prefeito, Mauro Azeredo, comunicando aprovação do sobrinho, Renato Luiz Bordini Azeredo, a Conselheiro Substituto do Tribunal de Contas do Estado.
É filho do irmão, Valter Azeredo, promotor e procurador de Justiça. Novo conselheiro substituto tem 42 anos, é mestre em Direito e faz doutorado em Buenos Aires. Participando de prova duríssima, Renato Azeredo foi o primeiro colocado.

Prêmio
Clipe ‘Canção para minha cidade’, produzido pelo ‘Caderno de Imagens’, recebeu o ‘Cisne de Ouro’, prêmio de melhor música original, no 3º Festival de Cinema de Santo Ângelo.
Clipe foi idealizado pelo diretor da revista, jornalista Luís Fernando Belmonte. Composição é repartida com Antônio Fontoura e Mateus Rasta.
Desde seu lançamento, em 2013, se constituiu em um cartão postal eletrônico da cidade e agora recebe reconhecimento com a premiação.

Gatos
Amigos reais e virtuais curtindo e compartilhando postagens de gatos no meu FB.
Tenho ligação antiga com os felinos, recrudescida desde que uma linda gata, pelo preto-e-branco, invadiu nosso apartamento na Capital.
Bichanos nos escolhem, dizem entendidos.
Pariu uma ninhada. Demos alguns, a maioria ficou. Foram anos de convivência. Deram-nos carinho e amor, que retribuímos.
Hoje, estamos sem gatos. Driblo a saudade desses amorosos animais com os posts.
Sem prejuízo a outras espécies domésticas, deveríamos criar gatos, em parte da nossa vida. Deixam-nos menos ácidos.
Eles sabem conviver com mortais anônimos ou célebres. O grande escritor Julio Cortázar tinha uma gata chamada ‘Franelle’.

Neve
Na internet inúmeras fotos da nevasca de 1965.
Voltei àquele 20 de agosto.
Estava na estrada rumo a Santa Rosa, no jipe dirigido pelo calejado José Amaral, a serviço da empreiteira paulista que remodelava o trecho ferroviário Cruz Alta a Santa Rosa.
Céu parecia de chumbo. Antes da Estação Comandaí, caíam grossos pingos.
Não eram de chuva.

Neve II
Fomos adiante, tração nas rodas para enfrentar o barro, que começava a branquear. Em Giruá havia se transformado em gelo.
Nevou durante grande parte daquela sexta-feira.
Não tirei fotografias, nem vi o fenômeno em Santo Ângelo, somente imensidões cobertas de gelo, no trajeto de ida e volta.
Fenômeno não possibilitou apenas alegria às crianças e poses para fotografias.
De Santa Rosa, desafiando a precariedade da telefonia, liguei ao José Alcebíades de Oliveira, gerente da ZYF-6.

Neve III
Contei as peripécias da viagem, e Oliveira os problemas causados às populações periféricas da cidade. Havia campanha para doações de roupas e agasalhos. Itaquarinchim subia com o degelo.
Ao retornar, havia resquícios nas cumeeiras das casas e dos edifícios do centro.
Fui ao Café Central combater o frio com uísque à moda caubói, ouvir novidades. Mais tarde a salinha do clube 28. Eu sobrevivera à neve e o fim de semana apenas iniciava!

Finais
Dilma com dificuldade para justificar no programa político eleitoral promessas descumpridas da transposição do São Francisco. Vem desde Lula da Silva.
*****Pesquisa IBOPE publicada terça-feira, 26: Dilma 34%; Marina 29%; Aécio 19%. Marina venceria no segundo turno: 45% a 36%.
*****Presidente do TCU, Augusto Nardes, proferiu ontem em Salvador, Bahia, palestra do ciclo ‘Governança Pública para o desenvolvimento Nacional Sustentável’.