Jango

0
116

Exumação do cadáver do ex-presidente João Belchior Marques Goulart, provocou heterogêneas impressões.
Irrelevantes as dezenove horas utilizadas ou as tentativas frustradas para chegar aos restos. Vale o objetivo: confirmar ou não se sua morte, aos 58 anos, no dia 6 de dezembro de 1976, em Mercedes, Argentina, foi natural ou por envenenamento.

Jango II

Vida do herdeiro do trabalhismo foi marcada por circunstâncias. Em 1961, retornando da Ásia, foi surpreendido pela renúncia de Jânio Quadros, assumindo a presidência no regime parlamentarista. Em 1964, sem apoio, pacificamente, deixou o cargo refugiando-se no Uruguai.

Jango III

Inúmeros pleitos das suas pretendidas reformas de base estão em vigor. Cometeu equívocos. Não soube dizer que não desejava instalar uma República Sindicalista e que as reformas não significariam uma ponte ao comunismo. Também não soube lidar com a direita. Esqueceu as tentativas de derrubada dos governos anteriores. Comício da Central, seu último ato, acabou com o que restava de confiança do alto comando militar.

Jango IV

Versão de que Jango teria sido assassinado partiu de um ex-agente, ganhando dimensão. Agora, pode ou não ser confirmada.
Contrapõem-se à morte por envenenamento seus conhecidos problemas coronarianos.
Independente do resultado, episódio possibilitou que recebesse honras de Chefe de Estado, sonegadas no seu enterro, 37 anos passados.
Igualmente, servirá a que historiadores, comunicadores e estudiosos revisitem sua vida política e suas ações de governo, sem supressões ou deformações.

Cadeia

Envolvidos no Mensalão (ocorrido do primeiro governo Lula da Silva) estão na cadeia, alguns gozando o semiaberto!
Durante as prisões não faltaram arrogância e punhos cerrados.
Impossível concordar com a alegada inocência de José Genoíno nem de que Dirceu estava sendo preso por ‘crime político’.
Guerrilheiro José Dirceu foi preso por crimes políticos e sequestro; o ex-chefe da Casa Civil, segundo o STF, por comandar o esquema que desviou milhões de reais para financiamento de campanhas, compra de políticos e votos, dinheiro do Fundo Visanet, Banco do Brasil e de fictícios empréstimos no Banco Rural.
Como nesse Mensalão petista, aguarda-se desfecho semelhante no Mensalão tucano!

Mídia Social

Grato pelas manifestações – caso do leitor, capitão Mattioni –, sobre o texto da edição anterior focando as redes sociais.
A propósito, elas, ainda que inseridas na modernidade, podem não ser tão novas!
Segundo a revista britânica ‘The Economist’, um livro escrito pelo seu editor de Conteúdo, Tom Standage, revela que foi utilizada, de forma rudimentar, há mais de 2 mil anos, na Roma antiga.

Mídia Social II

Marco Tulio Cícero, filósofo e político romano, utilizava algo semelhante ao que se faz na rede, executado em rolos de papiros levados por escravos às pessoas com quem ele desejava se comunicar, que davam a escribas para copiá-las e acrescentar opiniões.
Além das mensagens em papiros, eram utilizadas tábuas de cera.
Conta Standage no seu livro “Escrevendo no Mural – Mídia Social”, as tábuas se pareciam aos modernos tabletes. Texto era escrito, entregue aos escravos que o faziam chegar aos destinatários. Esses escreviam no rodapé, respondendo a mensagem.

Tombamento

Lideranças santo-angelenses bem sucedidas junto ao IPHAE adiando o tombamento do Centro Histórico.
Mesmo provisório, possibilita a que seja votada e aprovada proximamente, legislação pertinente.
Se louvável a demonstração de união da comunidade em torno do assunto, de lamentar a boataria que leva proprietários de prédios no entorno do chamado Centro Histórico a se preocupar com os preços dos imóveis ali localizados. Uns dizem que serão supervalorizados, outros que perderão valor.
Imagino, tudo se definirá com a promulgação da nova lei que Executivo, Legislativo e técnicos, irão costurar.

Urbe

‘Caderno de Imagens’, empreitada pioneira e criativa do sobrinho-jornalista, Luiz Fernando, me levou a divagar.
Nos anos 1960 fiz minha primeira tentativa com Valdir Andres. ‘Flash’ ficou no ‘boneco’, jogado solenemente na lixeira, tal a obscenidade do orçamento.
No final de 1974 após ter coordenado a campanha ‘Nardes, a Força Jovem rumo à Assembleia’, convidei ao Juarez Alves Lemos, para editarmos uma revista.
Lançamos ‘Urbe’, no ano seguinte.
Embora agradasse editorialmente, seu alto custo operacional, após meses circulando, tornou-a insustentável.

Urbe II

Entre seus colaboradores, Oscar Pinto Jung, editor da página ‘Urbi et Orbe’, Telmo Fortes e Jacinta Paschoal, jovem desenhista de traços inovadores editora da página de moda.
Capas traziam um rosto feminino, em close, personagem da entrevista principal ou reportagem especial.
Juárez Lemos era diretor comercial e após a venda do título da revista, passou a exercitar sua vocação política.
Seu pai, Orestes Lemos, havia sido vereador. Juarez foi vereador por várias legislaturas e ocupou cargos nas administrações municipal e estadual.
Morreu em agosto de 2004, como presidente da Câmara de Vereadores.

Diversas

Apresentador Claudio Karlinski, contratado dias atrás pela Super Rádio Santo Ângelo. Correto comunicador, bom caráter, certamente está concorrendo para reforçar a audiência da emissora dirigida por Eduardo Debacco Loureiro.

Trabalhei com Karlinski e tive o prazer de encaminhá-lo à aérea de radiojornalismo quando, em setembro de 1978, criei e apresentei o programa Aldeia Global, na Sepé. Trabalhou na reportagem e mais tarde o apresentou por anos.

Dividimos grandes coberturas jornalísticas, como a visita do Papa João Paulo II a Porto Alegre, em julho de 1980.

******Contrariando ao que muitos imaginavam, Pedro Ribeiro Nardes deve concorrer a deputado pelo PP. Também concorre seu irmão Cajar, pelo PR!

******Prefeito Valdir Andres e vice Nara Damião, absolvidos unanimemente, pelo TRE. Acabará no TSE?

******Dois amigos chegaram ou ultrapassaram respeitáveis 90 anos. Columbano Taborda, com quem vizinhei, chegou aos 99 anos. Aos 90, Santo Alberto Rebelatto. Saúde aos dois. Abraço aos familiares.