Neve

0
120

Alberto Amaral se esforçou para me acordar, perto das seis da manhã, batendo inúmeras vezes na porta. 

Acordado, deixei o quarto da casa, na Avenida Venâncio Aires, proximidades da Sousa Cruz. Feita a higiene e antes de cumprimentar o motorista, olhei para o céu achando-o diferente.
Não estava frio, embora fosse inverno. Caía uma espécie de chuvisco, pingos mais grossos. Perguntado se havia visto algo parecido, Amaral negou.

“Vamos assim mesmo?” – quis saber. Minha vontade era dizer não, mas pensei no compromisso mensal, a ser cumprido.

Neve II

A empreiteira paulista, trabalhando no trecho Cruz Alta a Santa Rosa, mantinha escritório de campo em Santo Ângelo. Dali gerenciava mais de 500 homens de campo, topógrafos, engenheiros e pessoal administrativo.

Mensalmente distribuíamos vales-compra de alimentação e remédios. Havia convênio com a Cocefel, Farmácia Tiaraju e o Hospital Santa Isabel. Nele o jovem médico Rolando Stümpfle e sua equipe tratavam os ferimentos causados pelo trabalho de colocação de dormentes e trilhos, remodelando a ferrovia que Luiz Carlos Prestes ajudara a construir.

Neve III

Não dava para eu voltar à cama e deixar os operários na mão.

“Vamos tocar” – respondi ao motorista.

O dia começava a clarear, sem sol, parecendo de chumbo. Antes de o jipe chegar à Estação Comandaí, os pingos estavam mais espessos. Fomos adiante, com tração nas rodas para enfrentar o barro, que começava a branquear. Em Giruá os grossos pingos haviam se transformado em neve.

“Isto é neve?” – Amaral quis saber. “Parece que é” – respondi sem convicção.

Neve IV

Era neve. Nevou durante boa parte daquela sexta-feira, 20 de agosto de 1965.

Em Santa Rosa, graças à boa vontade do dono da churrascaria almoçamos galeto com massa, polenta e maionese caseira, depois das duas da tarde.

Enquanto aguardávamos, desafiando as precariedades da época pré-DDD, telefonei à Rádio Santo Ângelo, onde era colaborador. Propus ao gerente Oliveira Júnior, ambiental sobre a nevada na região. Fizemos boletim conjunto. Ele contando da inusitada neve em Santo Ângelo, para a alegria da população, dos fotógrafos, vendedores de filmes e máquinas fotográficas. Eu narrando minhas peripécias, enfrentando o gelo na estrada, ainda sem asfalto.

Neve V

Não vi o fenômeno em Santo Ângelo, somente imensidões cobertas de gelo, verdadeiro lençol branco, na ida e volta.

Ao retornarmos, 14 horas depois da partida, havia resquícios da neve nas cumeeiras das casas e dos edifícios do centro.

E muito frio.

Fui ao Café Central combatê-lo com uísque à moda caubói, contar e ouvir novidades.

Mais tarde ao 28, onde fui recebido como sobrevivente.

E me sentia assim…

Desmanche

Seis anos depois começa a ser aplicada a lei dos desmanches, autoria do então deputado Adroaldo Loureiro. Aplicação e fiscalização caberão ao DETRAN. Chega na hora, pois são roubados 25 veículos por dia no RS. Maioria é desmanchada e suas peças e equipamentos vendidos, prática que a nova legislação pretende inibir.

Medicina

Circulando nas redes sociais e na imprensa de Santo Ângelo informação tratando da ampliação de cursos superiores no município, com reflexo regional.
IESA, Hospital Santo Ângelo e Executivo Municipal concluíram termo de compromisso para a instalação de Curso de Medicina na cidade.
Procedimentos foram remetidos à Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior, para pré-seleção.

Elucubrando

Em discussão possibilidade de ser mantida aliança que comanda a Prefeitura de Porto Alegre, na eleição estadual.
Com o aparente interesse de Rigotto, Ibsen e Fogaça pelo senado sobraria José Ivo Sartori no PMDB. Como apenas um pode concorrer quem sobrasse poderia reivindicar ser candidato a

Governador.

Caso o PDT não continue na composição, optando por chapa própria, nomes lembrados, entre outros, são de Vieira da Cunha e Pompeo de Matos.
Pela dinamicidade da política, PTB poderia ser convidado à aliança. Sergio Zambiasi é bom de voto.
Por ora parece afastada coligação PMDB-PDT-PT. Um motivo é o prefeito Fortunati ser alvo constante da ira dos vereadores petistas.

Diversas

Socialistas santo-angelenses concorrerão à deputação federal e estadual. É o que informa um dos líderes do PSB no município, Leoveral Gölzer Soares. Ele e André Kryczun seriam os nomes. Não disse quem tentará a Assembleia e Câmara.

*****Informa vereadora Zilá Andres ter protocolado lei-sugestão instituindo na rede escolar municipal, como política pública, o Programa Educacional de Resistência às Drogas – PROERD. Também autoriza celebrar convênio com o Estado.

*****Recomeça dia 14 julgamento da Ação 470, que trata dos mensaleiros. Ano passado após 4 meses de julgamento foram condenados 25 réus. Agora será a vez dos recursos e o STJ deverá apressar os trabalhos com sessões extras.

*****Se depender do suplente de senador Lobão Filho a palavra ética será defenestrada do novo Código de Conduta do Senado. Para Lobãozinho, substituindo o pai, ora ministro, ética cada um entende como quer e deseja. ‘É algo muito abstrato’ – sentenciou, sem corar. Lobão Filho é um sofista para não dizer outra coisa.

*****Se fossem aprovadas as sugestões do deputado federal petista, Candido Vacarezza, à Reforma Politica, haveria redução das punições a partidos e candidatos; regras de financiamento flexíveis; propaganda paga na internet e restrições na fiscalização do Judiciário e MP. Felizmente foram reprovadas por votantes no Portal criado a essa finalidade.
*****‘Milagres’ do Papa Francisco, ocorrendo no Rio. Informação consta do blog do Noblat e se refere à guinada do governador Sergio Cabral em algumas medidas consideradas descabidas. Cabral pretende voltar a dialogar e rever decisões.
*****Cartel de superfaturamento de obras e equipamentos – como na construção do metrô – teria sido formado pelo PSDB paulista. Negado no início parece será investigado. José Serra deseja a investigação. Se junta ao Mensalão do PT e DEM. Como naquela música, ‘se gritar pega ladrão, não escapa um, meu irmão… ’