Pedro Belmonte

0
197

Julgamento do Mensalão acabou. Deixou polêmicas, como a perda de mandatos dos condenados. Lavou a alma do brasileiro descrente nas instituições. Pedido de prisão feito por Roberto Gurgel foi negado por Joaquim Barbosa. Somente ocorrerá após processos transitarem em julgado. De lamentar as inadequadas intervenções do deputado Marco Maia. Menos presidente, mais militante****Segundo pesquisa Dilma se reelegeria caso a eleição fosse hoje. Ministro Joaquim Barbosa, terceiro na preferência popular****Ex-governador Germano Rigotto não acredita que medida assinada pela presidenta, de colocar na NF o imposto incidente, consiga resultados. Atribui possível insucesso à quantidade excessiva de tributos. Sobre Reforma Tributária, calcula que não saia porque setores econômicos do Governo temem perder receitas****Piada digna de ser inserida no ‘festival de besteiras que assola o País’, (F.B.A. PA), do imortal Stanislaw Ponte Preta: tombar o Olímpico como patrimônio histórico, proposto pelo vereador Pedro Ruas****Mais um inimigo da educação. Como Yeda, Tarso também ganhou o título. Tudo pelo aumento aprovado de 28%, parcelado até o final da gestão. Além disso, Governo não cumpre a lei do piso, conforme o Cpers.

 

De Ano Novo, reflexões e realizações – Este ano não foi igual àqueles que passaram.

Vivemos o imponderável, a ameaça de extinção da vida terrena.

Acreditando ou não, levou muita gente a refletir sobre nossa impermanência.

O fim do ano, início do novo, é bom motivo para reflexões.

Nestes momentos mágicos, de luzes, fraternidade, coletividade prepare-se para viver um novo tempo.

Junte às experiências de 2012, as de anos anteriores e trace seu futuro social, profissional e moral.

Faça deste um ano de realizações.

Renove suas forças e enfrente o futuro confiante.

2013 será bem melhor que 2012.

Se este foi um ano bom, imagine um ainda melhor!

Se não, transforme o ruim em regular, regular em bom, bom em ótimo!

Não há escuridão definitiva; sempre haverá a luz do amanhecer.

Lembro Haim Hazaz: ‘Uma única vela ilumina a escuridão, mas toda a escuridão não pode extinguir uma vela’.

Seja a vela!

Roberto Carlos ensinou que ‘é preciso saber viver… ’

Em 2013, tente, caia, levante, tente outra vez, ouse, realize!

Dê vida aos seus sonhos!

São clichês, palavras e frases feitas?

Ignore quem pensa assim.

Seja apenas feliz!

 

Historinha – Escrevo como me contaram…

Anoitecer de 24 de dezembro.

Bar de periferia, gente simples, trabalhadora, que sonha, acorda e sonha novamente.

O homem entrou seguido da mulher e do garotinho.

Sentaram-se.

O homem, roupa simples e limpa, colocou tímida e desajeitadamente a mão no bolso, puxou umas poucas notas amassadas, algumas moedas, as contou, guardou e chamou o garçom.

Apontou para o balcão envidraçado, com doces e bolos.

Cochichou com a mulher e fez o pedido.

O garçom trouxe um bolinho, pires, copo, talheres e refrigerante.

A mulher remexeu a bolsa e tirou uma velinha com a idade do aniversariante: 5 anos. Cravou-a no bolo e o homem acendeu.

Enquanto a vela queimava, ensaiaram um parabéns a você.

O menino sorriu e bateu palmas.

A mulher serviu o bolo, refrigerante e ficaram a observá-lo enquanto comia.

Sorriam.

No fim ela a apagou, guardou a vela na bolsa e ele os conduziu à saída.

Satisfeitos, realizados, dirigiram-se à rua pouco iluminada, sumindo na noite natalina!

 

Buda – O príncipe Sidharta abandonou o castelo onde vivia e foi tomar contato com o mundo.

Soube que morte e miséria existiam.

Penou ao tomar contato com a realidade.

O mundo onde vivia com a mulher e o filho recém-nascido era oposto ao que enfrentou.

Com seus companheiros alimentou-se de excrementos de animais, bebeu água da chuva.

Durante anos viveu em absoluta pobreza, buscando a verdade. Mergulhou na meditação procurando a harmonia, sabedoria para iluminar seu espírito.

Ao final, perguntaram a Sidharta o que conquistara?

“Nada, porque o que quer que tenha conquistado, já estava dentro de mim. Nada atingi de novo. Isso sempre esteve em mim desde a eternidade, é a minha verdade na natureza’’.

Neste final de ano e início de outro, como fez Sidharta, o Buda, garimpe sua alma, busque a centelha eterna.

E ilumine-se!

 

Santo-angelenses – Série em fase de finalização. Trabalhos de recolhimento dos questionários encerram em janeiro.

Confirmados: Rolando Luiz Stümpfle, Rudimar da Luz, Wilmar Aramis Kaercher, Flavio Panzenhagen, Alceu Mioso, Amauri Lírio, Sandoval Lucas Lopes, Tânia Clecy Pfeiffer Biacchi, Sergio Glauco da Silva Rolim de Moura, Silvano Adroaldo Nascimento Saragoso, Ilmo Seffrin, Hogue Dorneles, Ivogacy Nascimento da Silveira, Gilda Karlinski, Suzana Teresinha Lunardi, Fátima Cattani, Luiz Valdir Andres Filho, Alcir Aguiar Rolim de Moura e Otávio Alberto Campos.

 

Publicação histórica – Foram também convidados: Pedro Osório Nascimento, Wilson Pippi, Franco Silveira, Alberto Wachter, Montalverne Beltrão, Zilá Andres, Edson Fontoura, Ricardo Margutti, José Delmar Matzembacher, André Marques, Paulo Azeredo, Rodrigo Bergsleithner, Luiz Fernando Souza, Adão Lago Pinto, Antônio Toscani, Nery Pippi, Carlos Pippi, Wilson Pippi Jr., Cláudio da Luz, Isabel Kemper, Paulo Bender Leal, Roberto Debacco Loureiro, Robriane Loureiro, Mário Ribas Nascimento, Bruno Krug, Luiz Carlos Cavalheiro, Fernando Diel, Ilsa Farias de Farias, Geovani Gisler, Pedro Reus Nardes e Edegar Cavalheiro.

Quem não recebeu ou extraviou o convite-questionário telefonar a (51) 8454-4139 ou e-mail [email protected]

Somente após a confirmação será marcada data de entrega da publicação histórica.

A primeira edição lançada em 2008, esta, exemplares de ‘Crônica do Tempo’, Jornal das Missões, A Tribuna, O Mensageiro, serão inumados em cerimônia pública na Praça Pinheiro Machado. Será inaugurada uma placa, sugerindo a exumação da urna em 25 anos.

Reflexão de fim de semana – “Quanto mais amor temos, tanto mais fácil fazemos nossa passagem pelo mundo”. (Immanuel Kant)