Pedro Belmonte

0
112

 PSDB começará a atacar presidenta, pensando nas próximas eleições. Aviso é do presidenciável, Aécio Neves****Nem mesmo a tibieza do PIB desanima Dilma. Dias atrás elogiou o crescimento econômico brasileiro****Minha solidariedade ao Clovis Jesus Severo pelo recente falecimento da esposa Vilmarina****Governador reconheceu precariedades da CEEE. Criticou a falta de informação precisa ao contribuinte. Parece que leu a coluna… Precisa lidar da mesma forma com a Corsan****Pio Medeiros informando que exposição ‘Minhas Raizes’ volta de 10 de janeiro a 10 de fevereiro no Centro de Cultura****Faço breve parada. Vou oxigenar as ideias. 2013 promete. É preciso enfrentá-lo com gás renovado. Até a volta no primeiro sábado de março, se Deus permitir!

Administração – Santo Ângelo já tem seus novos governantes. Pelo que ouvi de Valdir Andres quando o entrevistei para a coluna, repetido aos demais veículos, há expectativas em uma grande administração.
Sua promessa de fazer não um governo para 4, senão para 40 anos, demonstra seu estado de ânimo.
Faz bem em focar assim sua administração fazendo o trivial, mas sem esquecer-se de implantar mudanças que signifiquem avanços permanentes, por vários anos, em beneficio do cidadão.

Prática – Experiência ninguém pode negar a Andres não só como prefeito, mas vereador, deputado, secretário de Estado, diretor de Banco e empresário da comunicação.
Isso alenta aos seus eleitores e, certamente, breve atingirá outros segmentos da população, afinal o que todos querem é que ele faça o melhor à comunidade.
Manter as conquistas de Eduardo Loureiro, acrescentando, é outra premissa de Valdir Andres. Mudanças de gestão anunciadas e uma reforma administrativa reforçam as expectativas.
É torcer a que dê certo.

Cara – Assistindo ao especial de Roberto Carlos, me perguntei? De onde vem tanto e repetido sucesso quando ele canta o que cantava no inicio da carreira, seu tema é o mesmo e raramente sai dele?
Mais do que isso seus seguidores, se bem que mantenha os dos primeiros anos da Jovem Guarda, aumentam, se renovam.
Lembrei nossa conversa na primavera de 1972, numa sacada de hotel em Cruz Alta, entre um drinque e outro: “Não esqueço jamais meus amigos”. Adiante, que era apaixonado por sua mãe Laura, perenizada numa canção.
Trata-se de alguém emotivo, romântico, tímido, espiritualizado!

Excursão – Naquele ano, Roberto Rammê, Valdir Melchior, José Oscar de Azambuja Segredo, diretor-social do Gaúcho e eu o contratamos para turnê pelo noroeste, finalizada em Santo Ângelo.
Num Clube hiperlotado deu seu recado.
Antes tive de acompanhar RC na excursão para confirmar que cantaria na cidade.
Em Santo Ângelo notícias tendenciosas diziam que não se apresentaria, com problemas na garganta.
Em cada cidade dava uma panorâmica da turnê e o entrevistava em boletim por telefone à rádio Santo Ângelo.
Graças à gorada tentativa de prejudicarem o espetáculo, passei dias privando da companhia do cara!…

Saber perder – Mauro Azeredo, advogado, jornalista, delegado de policia aposentado, ex-prefeito, ex-deputado estadual, é um pensador.
Mauro está calejado por experiências pelas quais poucos têm o privilégio de passar.
Em uma de suas colunas, no JM, abordou tema instigante, sobre vitórias e derrotas.
Sem firulas, trata da dificuldade de se aceitar uma derrota eleitoral.
Um trecho : “A experiência me ensinou que uma derrota dói forte e é difícil de ser assimilada. Só o tempo faz apagar o sentimento que perdura na alma. No entanto aceitá-la é sinal de madura inteligência… Para que ficar sofrendo após um resultado negativo?…”.

Seca – Parece coisa feita. Na verdade, é falta de ampliar, melhorar a captação, o armazenamento e a distribuição da água na região metropolitana, caso de Viamão.
Antes do Natal e nos dias seguintes, moradores das zonas periféricas e rural ficaram desabastecidos.
Nem o forte calor sensibilizou aos gestores da Companhia.
Pelo 0800 e no site da CORSAN as informações eram desanimadoras.
Motivo: pouca chuva, desabastecimento, falta de previsão, um conjunto para prejudicar o usuário que arca mensalmente com tarifa nada modesta.
Espera-se que o puxão de orelha da AGERGS na CORSAN, resulte em melhorias…

Despreparo – Nacionalmente a geração e distribuição de água e luz vai mal. Não adianta a presidenta negar que teremos novos apagões e racionamento de água.
Não há manutenção preventiva, trabalho de dampo para verificar o problema no local, o que deveria ser feito tal o custo altissimo das tarifas.
Não faltam recursos naturais, como água, carvão e ventos fortes.
Faltam gerenciamento e investimentos.
Sobra gente despreparada cuidando da luz e água, conforme especialistas!

Sensações – No ultimo dia do ano, propício à balanços, acabei defrontando-me com algo que me assusta, mas ao mesmo tempo, paradoxalmente, me conforta: sou alguém com um futuro menor que o passado.
Mas não raciocino como Luiz Vaz e Camões, que num soneto lamentou a passagem de tempo e os resultados sobre a condição humana, que levam à certeza da morte.
Ao final sugere que os anos passados encurtam nossas esperanças na mesma proporção que aumentam os nossos sofrimentos.
É uma realidade, mas não assustadora.
Assusta o imponderável, o circunstancial, os obstáculos, a debilidade inerente ao ser humano que envelhece não obstante as maravilhas da medicina.

Apavorante – O mais apavorante são as coisas que não realizamos. Se quisermos realizá-las deverão ser ágeis e pontuais. Não há mais tempo para longos experimentos, erros, omissões ou equívocos.
Nesse caso, as boas experiências adquiridas poderão ajudar.
Mesmo com esses pensamentos alentados, quanto ao que ainda poderei fazer nesse futuro, ele não será, certamente, como esse passado recente, que me contemplou com uma linda família, amgos e realizações profissionais.

Dívidas – Ao efetuar o balanço do que fiz, conclui, para minha alegria e tristeza, que ainda tenho coisas a fazer.
Sei exatamente quais são o que facilita minha decisão. Nesse curto futuro – se comparado com o meu tempo pretérito – vou me dedicar a realizá-las.
É uma adequada resolução de como levar os próximos anos, a partir de 2013.

 Reflexão de fim de semana – “O amor nunca faz reclamações. O amor tolera; jamais se irrita e nunca exerce vingança” (Mahatma Gandhi).