Pedro Belmonte

0
117

Feira do Livro de Santo Ângelo em desenvolvimento. Motivos profissionais me impedem de prestigiá-la. Agradeço aos convites recebidos. Sucesso aos promotores e autores***Divergências da semana no julgamento do mensalão, entre o relator Joaquim Barbosa e o revisor, Ricardo Levandowski, giraram em torno do crime de lavagem de dinheiro***Ex-presidente Lula da Silva aborrecido com resultados do julgamento da ação 470 no STF. Alguém deveria informá-lo que os ministros do Supremo não ocupam cargos de confiança…***Últimas pesquisas colocam Fortunati à frente de Manuela. Villaverde é o terceiro. Outros quatro contendores, sem chances. Decepcionante o candidato da ex-governadora Yeda. Wambert não chegou aos dois dígitos*** “Em lugar de armas, alimentos para a humanidade”. Esta a síntese do discurso da presidenta Dilma na abertura de mais uma Assembleia Geral da ONU. Foi aplaudida ao condenar o fanatismo religioso e a violência no Oriente Médio***Terça-feira foi o Dia do Rádio, o eterno companheiro. Em 25 de setembro de 1923, no Rio de Janeiro, suas ondas hertzianas foram aos ares, oficialmente. Salve o rádio e aqueles que o fazem, diuturnamente. E viva o ouvinte de rádio!***Amiga e leitora da coluna solicita nome de músicas que sugeri, meses atrás. A lista era grande, mas vamos a algumas: Carly Simon – The more I se you; John Lennon – Stand by me; The Platters – My Prayer e Rod Stewart – As time goes by. Podem ser encontradas nas versões originais ou com outros intérpretes. Garimpe!

Hora de votar – Entramos na última semana da atual campanha eleitoral. Procure seu título e junto a um documento com foto guarde-o, até o dia 7. Nesse dia, vá a sua seção e vote conscientemente.

Tenha em mente que na cabine você é livre e soberano. Seu dever é também um direito de lutar para melhorar sua cidade, elegendo prefeito, vice e vereadores que cuidarão de Santo Ângelo e legislarão em seu beneficio. Bom voto!

Luz – É possível consumidor permanecer uma semana sem luz? Pois aconteceu nesse último temporal, em Eldorado do Sul.

Casos semelhantes foram inúmeros e nem o uso de torpedos, no caso da CEEE, 27.307, conseguiu abreviar o atendimento.

Esses problemas pontuais merecem mais atenção das concessionárias. São eles que colocam por terra os aumentos e anunciados esforços das equipes de atendimento.

Questões menores devem ter o mesmo tratamento que as maiores, hoje prioridades das operadoras de emergia elétrica.

A falha de luz durante e após o vendaval está agora com o Procon, que arbitrou 10 dias para que as três empresas justifiquem as demoras exageradas. Conforme for, podem ser multadas.

Redes sociais – Mais uma ação decisiva das redes sociais, desta vez evitando que fosse adiante projeto do deputado Ronaldo Santini, liberando a venda de agrotóxicos há muito proibidos.

Sensibilizado pelas reações contrárias na internet parlamentar retirou o projeto.

Barbárie – A morte do morador de rua, em Caxias do Sul, cujo corpo foi atingido em 85% por queimaduras, é mais um ataque frontal à cidadania e desrespeito à vida humana.
A brutalidade vem se tornando corriqueira e, via de regra, é praticada por motivos banais, como agora uma dívida de R$ 2,00. Nesse caso 4 adolescentes foram identificados.
Se bem que o crime tenha sido praticado por pessoas em situação de vulnerabilidade e não é possível evitar tais barbáries, trata-se de tema para discussão entre legislador e judiciário.

IGP – Esse incidente desnudou as carências do IGP. A perícia do local em que o morador de rua foi queimado somente foi levantada dias depois.
O Instituto Geral de Perícias é daqueles órgãos que o governo protela chamar aprovados em concurso. Restam 80 aguardando desde 2008 quando prestaram o concurso.

Ovo – Recente pesquisa científica modifica crença de que o consumo do ovo causaria males à saúde, como o aumento do colesterol.

Sua reabilitação me leva a concordar com os cientistas, ao mesmo tempo em que penso em exemplos eximindo o alimento de ser um vilão.

Nos anos 1960 com Antônio Nascimento Freitas, o Bebe-Leite, várias vezes encerramos uma noitada na sua casa onde éramos recepcionados por sua mãe, dona Luiza (irmã do Dr. Pedro Osório) que nos aguardava com seu Carreteiro a Cavalo.

Carreteiro – Isso mesmo, um gostoso e bem elaborado arroz de carreteiro, guarnecido por dois ou mais ovos fritos.

Esse prato era tradição entre os Freitas. Dona Luiza Nascimento Freitas, morreu próxima ou com mais de 90 anos. Firmino Freitas também teve vida longa, apesar dos carreteiros com ovos.

Jamais dispensei os carreteiros assim como os inigualáveis filés com batatas crocantes e ovos fritos, especialidade do chef Ivo Weber, dono do Restaurante do Titio, localizado na Galeria Miriam onde hoje está estabelecido o Sebo Café.

Equilíbrio – A falta de equilíbrio é uma constante nos dias atuais. Estica-se demais a ‘corda’ e em algumas vezes ela acaba por se romper, causando prejuízos funcionais ou familiares.

Ninguém deseja ficar sem a sua posse.

Contudo, poucos procuram segurá-la com menos força, afrouxando um pouco.

Figurações a parte, esse puxa, estica, afrouxa, eleva a pressão sanguínea, motivando atos impensados, com prejuízos próprios e de outros.

Tolerância zero – Estica-se a ‘corda’ no trânsito urbano, nas estradas, em casa, na escola, nos coletivos, no trabalho, nos elevadores, nos bares, em todos os lugares.

Ano após ano a cota de tolerância diminui, resultando em neurose, estresse, que geram conflitos, uns incontornáveis, outros evitáveis.

Quando a adrenalina volta aos seus níveis normais, vem a pergunta: como tudo isso pôde acontecer?

Às vezes o arrependimento é tardio com consequências morais e físicas, porque a ‘corda’ esticou demasiadamente.

Não a deixe fugir do seu controle. Mas não a estique tanto a ponto de se partir.

Nem tanto ao ar, tampouco ao chão. E seja feliz!

Reflexão de fim de semana – “Nunca odiamos aos que desprezamos. Odiamos aos que nos parecem iguais ou superiores a nós” (Friedrich Nietzsche).