‘Velha’ e ‘Caolho’

0
113

Presidente uruguaio, José Mujica, flagrado chamando a presidente argentina, Cristina, de ‘velha’ e o ex-presidente, Néstor Kirchner, de ‘caolho’. 

Inobstante as desculpas, malcriação é antiga: não se respeitam desde criancinhas.

Há quem defenda que no Cone-Sul, apesar de vizinhos, ninguém se adora.

Aturam-se.

O Mercosul, com tudo para dar certo, não deu.

É recíproco alcunhar autoridades, celebridades, o povo, entre argentinos, uruguaios, paraguaios e brasileiros, escancaradamente ou às escondidas.

Anos atrás, outro presidente uruguaio, Jorge Battle, melindrou aos ‘hermanos’ classificando-os de “bando de ladrões, do primeiro ao último”…

 

Falência

Governo do Estado, quase falido!

Ao menos se depreende do saque de 4 bilhões e 200 milhões de reais dos depósitos judiciais.

Manobra considerada legal – mesmo assim pesadamente criticada pelo PT, quando Germano Rigotto fez parecido –, se discute sua destinação.

Montante não será investido em obras, saúde, educação, segurança. Custeará a máquina.

Nas obras aplicará os empréstimos com bancos, aumentando a dívida.

Ficará devendo empréstimos dos depósitos judiciais e bancários, sem solucionar os problemas da educação, saúde e segurança.

Durante coletiva Tarso Genro disse que endividamento contraído “é responsável”. Ainda acusou aos governos Britto e Yeda, “pela situação de descalabro”.

Administra-se o rescaldo do incêndio que acometeu às finanças públicas.

Todos os governos pós-redemocratização o atiçaram!

 

Administração

Surgem primeiras críticas à administração santo-angelense.

São pontuais, passando pelo secretariado, até o desmanche de projetos sociais.

Reflexo das dificuldades é o adiamento dos cantos Missioneiro e Piá.

Alegação do secretário Mário Simon é plausível: houve dificuldades na captação de patrocinadores.

Confirmação de nova data evitará desgastes maiores à administração.

Confia-se que prefeito Valdir Andres saberá detectar esse e demais problemas.

 

Tarifas

Capital na batalha das tarifas de ônibus.

Liminar conseguiu rebaixar de R$ 3,05 para R$ 2,85.

Reivindicação é de R$ 2,60.

Em meio aos protestos sobraram aproveitadores, arruaceiros e palavras mal colocadas, minando entendimentos.

Transporte coletivo porto-alegrense é caro e desconfortável.

 

Mensalão

Procuradoria da República do DF instaurou inquérito e PF investigará suposto envolvimento de Lula da Silva com o mensalão.

Denúncias foram formuladas por Marcos Valério de que ex-presidente teria recebido R$ 7.000.000,00, da Telecom Portugal, repassando ao PT.

 

Tropeiro

Volto ao livro que ministro Augusto Nardes conclui sobre suas origens.

Conforme Nardes, seu trisavô era “uma mistura de índio, português, cristão novo (judeu), com a influência árabe decorrente dos nove séculos de invasão na Ibéria, que formou no

Brasil um protótipo das gerações de futuros brasileiros na figura do tropeiro Pedro, desbravador e visionário”.

Nascido em Paranapanema, em 1791, foi casado com sua sobrinha Maria dos Santos e teve nove filhos: Mariana, Roberta, Maria, Eufrosina, Emetério, Damaso, as gêmeas Paulina e

Filisbina e, por último, Felícia.

Pesquisa faz aflorar um homem que tropeando gado e cavalos, ajudou a desbravar regiões, fixando-se em Santo Ângelo, por volta de 1840.

“Suas origens o auxiliaram em sua caminhada. Pioneiro na criação de Bauru, certamente o sangue indígena foi decisivo quando percorreu as matas para chegar ao seu destino e

alargar horizontes, impulso nato nos índios nômades e sem fronteiras” – observa.

Aguarda-se o lançamento.

 

Goulart

No face postagem do médico Luiz Carlos Cavalheiro sobre a Casa de Jango, em São Borja levou a troca de mensagens.

Cesar Ifarraguirre perguntava o nome do pai do ex-presidente.

Embaralhei-me. Vali-me do conselheiro, Adroaldo Loureiro, parente de Jango. O nome é Vicente Rodrigues Goulart, originando demais Vicente da família.

 

Ser Missioneiro

Para Sérgio Damian, empresário, natural de Santo Ângelo, “Quem nasceu no doce colo da terra missioneira é uma criatura abençoada.

Das pessoas missioneiras há muito de bom a se falar. O missioneiro é generoso, acolhedor, hospitaleiro e sem maldade no coração. Para os daqui, todos são bons, salvo prova em contrário.

O missioneiro é um apaixonado. Pela cultura originária dos galpões, dos bailes, saraus e quermesses. Pelos rodeios, onde se revelam as habilidades campeiras. Pelos bailes com danças e ritmos bem definidos, como as vaneiras, xotes e vaneirões.

A mulher missioneira é a prenda. Denominação esta muito adequada. A mulher daqui sabe amar, cativar, falar, cantar e encantar, com seus atributos naturais e sua cultura requintada.

Mas vai muito além, sabe cuidar da casa, tem sabedoria, é ativa e criativa. Entrar na casa de uma prenda é algo que encanta qualquer vivente.

Dos campos de terra vermelha brota uma variedade imensa de frutos nativos, como a pitanga, o araçá, o butiá, o sete-capotes, a goiaba, a guabiroba, a cereja, o coquinho, e tantos outros que fazem a alegria da gurizada campeira.

Há, também, uma infinita variedade de frutos exóticos, como o caqui, a bergamota, a laranja, o abacate, a pera, as ameixas, o pêssego, as uvas, e outras espécies que tão bem se adaptaram ao nosso solo e clima, revelando um grandioso potencial de produção de alimentos que beneficia a todos.

Dos campos, fazendas e granjas vem a produção de uma gama esplêndida de alimentos, como o milho, o arroz, o feijão, a batata, o trigo, a abóbora, dentre outros. Da pecuária vem a carne e o leite bovino, o suíno, as aves, e as ovelhas e outros animais.

A história da nossa terra é dramática e reveladora. Desde as guerras guaraníticas, com o Sepé Tiarajú e os Padres Jesuítas, a Revolução Farroupilha, e outros fatos importantes como a Coluna Prestes, até os dias de hoje se revelam figuras altivas e de grande valor cívico e religioso, que enobrecem o povo missioneiro.

Assim, é uma verdadeira bênção ser missioneiro e poder vivenciar esta terra maravilhosa, com seu clima diferenciado por quatro estações bem definidas, seu povo de cultura específica e a generosidade da terra, que fazem deste lugar o que se pode chamar de inigualável terra missioneira”.