Emoções e um sol azul

0
131

Nessa semana retomo “meus esboços” rumo a uma “nem tão impossível assim” carreira literária. Dito numa frase seca e sem floreios parece simplista. Acreditem: em 2012 vivi emoções incríveis (algumas infelizmente impublicáveis para menores de 18 anos), situações limites e amadureci 10 anos em 1! Se o mundo não acabar em 21 de dezembro próximo, em meu livro de memórias (lá por 2057) dividirei os capítulos em antes de 2012 e depois de 2012… Conheci e convivi com pessoas maravilhosas, inteligentes, iluminadas. Em contrapartida descobri demônios disfarçados dentro do coração de outras, que pareciam ser verdadeiros pilares de integridade. Fiz parte (voluntariamente) de experiências esotéricas que me levaram (sem brincadeira) a outros mundos. E para tornar este ano ainda mais fascinante tive a sorte de curtir (novamente) avistamentos ufológicos nos céus da Argentina! Demais…

Contudo não pensem que estou descartando os dias horríveis que tive de enfrentar. Angústia. Indecisão. Incerteza. Medo. Dúvidas. Passos na direção errada. Não pensem que estou deixando de lado saudade, dor ou solidão. Nem escondendo no fundo da memória pessoas que se foram “antes da hora” de se despedir. Continuo acreditando que a morte é meramente uma passagem, mas ainda assim, confesso, não estava pronta para dar-lhes “até qualquer dia/a gente se encontra!” Há um poema de Mário Quintana (1906-1994) que diz: “Eu estava dormindo e me acordaram/E me encontrei, assim, num mundo estranho e louco…/E quando eu começava a compreendê-lo/Um pouco,/Já eram horas de dormir de novo!” Ironicamente ou não o título se chama: “O Morto.”

Como nunca tive dificuldade de expressar sentimentos, passarei os próximos 4 meses que faltam para fechar o ano, distribuindo abraços, beijos e “amassos” a todas as pessoas, colegas, amigos, familiares, conhecidos, enfim… todos os que contribuíram para digamos assim (vou intitular em livre associação), meu salto quântico! E quanto aos outros: cretinos, maledicentes, falsários e mentirosos, verdadeiras víboras sem um pingo de compaixão para com seu próximo, rezarei por suas almas escuras. Nem preciso fazer discurso porque é bíblico. Qualquer pessoa que se utiliza da outra como escada/marionete/cobaia/vítima para seu bel prazer, atingir seu objetivo ou esconder suas verdadeiras intenções encontra-se num estágio reptiliano de desenvolvimento.

Serei breve nesse artigo. Não por estar congelando de frio… (ah o inverno no sul é quase um inferno…), mas por estar me recuperando da pior gripe que já peguei em toda a minha humilde existência! Serei breve mas antes de encerrar, não deixarei de acrescentar um “brigaduuu de coração” a todos os que leem meus textos. E refrescar a nossa memória ancestral: independente dos erros e acertos, chegadas e despedidas, perdas e ganhos, as emoções (e experiências) legais que vivemos, são os dias de sol azul que compensam todo e qualquer sacrifício, toda e qualquer lágrima derramada, toda e qualquer dúvida existencial, toda maldade que precisa ser dissipada desse mundo. Não desista de acreditar. Não desista de tentar. Não desista de continuar. Jamais desista de si mesmo, porque “criaturas reptilianas” podem atravessar o seu caminho a qualquer momento e causar enormes estragos. Não se esqueça de que a Luz que existe dentro de você é do tamanho do seu universo e brilhará do tamanho que você deixar brilhar!