Festa popular

0
119

Inicia o ano extraoficial no Brasil, isso segundo alguns analistas ou “analistas”, que consideram o carnaval um divisor de águas, por entenderem que as atividades econômicas somente tomam impulso após as festas momescas. Essa “assertiva”, não passa de uma figura de linguagem, contudo, com forte ressonância! A atual estruturação da sociedade humana inviabiliza a paralisação de atividades, inclusive, daquelas consideradas não essenciais. Nada pode parar! Nem mesmo o planeta para. É possível ter no carnaval qual um convite para festejar mais um ano de labor!

Hoje podemos dar outra interpretação às atividades relacionadas com o carnaval, diante da ação ininterrupta das escolas de samba, visando preparar as escolas para o carnaval do ano seguinte. Assim, as escolas se mantêm “acesas” o ano todo. A “teoria” momentânea perdeu a força para dar lugar a uma atividade permanente e rentável. Logo, temos aí uma atividade econômica de forte repercussão. Traçando um comparativo entre as escolas de samba e as cidades praianas, antes essas eram tomadas apenas no período específico, no atual momento, estão totalmente habitadas, por igual, o carnaval é ininterrupto.

A festa do carnaval ultrapassou todos os obstáculos e venceu todas as barreiras que se interpuseram ao longo dos anos. É importante observar que a conotação cultural trabalhada com tanto esmero nas escolas, impulsionou, motivou e aglutinou a ela, uma multidão, e esse conjunto levou o povo à rua, e os resultados somente são desconhecidos daqueles que se negam a enxergar. Outro ponto para enfatizar são os destaques dados aos segmentos religiosos através dos enredos das escolas de samba, e nesse sentido, é importante citar a frase de um Pároco: devemos deixar de falar em festa pagã!

Nas últimas décadas ninguém, absolutamente, ninguém, foi capaz de evidenciar tanto as questões religiosas quanto os carnavalescos, eles, merecem um “altar” em todas “cores” religiosas, aliás, fazem com uma sutileza tal que agradam aos “gregos e troianos”, sem causar constrangimentos. Essa escola de superação que os carnavalescos nos legaram é uma lição de vida. Veja o (a) caro (a) leitor (a) os esforços despendidos nas escolas são exemplares, inclusive com a reutilização de materiais tanto quanto possível, além da aula de superação própria que o carnaval traduz. Os desfiles das escolas de samba, na forma atual, são antes de qualquer outro, uma demonstração cultural, com pesquisas aprofundadas no campo social, da natureza, dos astros, do misticismo, se pode afirmar sem medo de errar: em tudo aquilo que existe no espaço.

18º Encontro cultural e artístico Recanto do Sabiá

Nos dias 9 e 10 de março próximo vindouro a Confraria Recanto do Sabiá realizará seu 18º Encontro cultural e artístico Recanto do Sabiá, em sua sede própria. O evento oportuniza aos artistas experientes levar sua arte aos iniciantes e estes, por sua vez, terão a sua disposição, um palco, por vezes, tão sonhado.

O evento contempla dois momentos, na sexta-feira com tema livre, nas modalidades de música e poesia, com premiação em troféus e para sábado o tema será oferecido na sexta-feira, também nas modalidades de música e poema, podendo, haver outras modalidades, desde que sejam apresentados no mínimo três trabalhos em contos/crônicas, repente, pajada. No palco do Recanto se forjaram novos valores que hoje estão aí, livres e desinibidos, cantando canções e romanceando versos, você poderá ser o próximo.

A Confraria tem se tornado um elo de integração para os artistas, ao mesmo tempo que oportuniza o desapego às coisas materiais, pois, apenas importa a fraternidade, jamais, o quanto o sujeito possui na conta bancária.