O lento retorno das chuvas e os cantares

0
125

Há uma paciência enorme da chuva em retornar para nossos rincões. Sabemos que são problemas com as forças da natureza, invisíveis aos olhos “mortos”, mas visíveis aos olhos atentos, que leem os pergaminhos escritos por mortais. Os ouvidos, embora moucos, ouvem a pequenas e grandes distâncias, assim, sapientes dos disparates da natureza, sobre os quais existe uma necessidade premente em compreendê-las. Ninguém tem o “poder” para condenar outrem, embora condenem a “céu aberto” e em alguns lugares já existam “estrategistas” atribuindo a falta de chuva aos adversários. É do jogo! Acreditamos que esse jogo é de conotações obscuras, até porque, quando se verifica uma excelente safra, safra espetacular ou se constata um crescimento industrial/empresarial acentuado, os bons resultados deixam de ser atribuídos aos antes ou “pós-condenados”.

As consequências da estiagem são irreversíveis, enquanto as lições precisam ser compreendidas e aprendidas, pois, tem o condão de eternas. A nossa passagem terrena, afirmam alguns, deve ser de aprendizado e crescimento espiritual, e o nosso povo tem demonstrado com ações efetivas, o quão isso é real e verdadeiro, estendendo as mãos aos afligidos. A falta de chuvas deixou um “rasgo” na produção rural, mas não é o caos e nem pode ser conduzido sob este condão. Entretanto, cabe aos administradores adotar medidas imediatas para evitar maior flagelo, em especial, no meio rural. Porém, a vida continua e a realidade precisa ser encarada com naturalidade, nada de pânico. Semeando novos semeares, colheremos, mais adiante, os frutos dessas sementeiras.
No passado ficam as lavouras douradas sem sementes, os pastos secos, dos quais, se vêem as raízes reverdejando enquanto a pastagem cresce, após as primeiras garoas. Dessa maneira é plausível formar a convicção de que nada está, definitivamente, perdido! Os campos estão rebrotando, rebrotando e continuarão rebrotar, é a vida sorrindo para a estiagem! Portanto, os percalços existem e ocorrem ciclicamente, em consequência das manifestações profundas verificadas no planeta. Entendê-las são virtudes singelas. Atribuir ao semelhante os infortúnios daí decorrentes, se caracteriza no mínimo, em falta de bom senso.

Cantares

No último fim de semana, um bom número de cantadores se reuniu no entremeio da natureza, ouvindo e tirando lições do canto dos sabiás! Aliás, sempre é alvissareiro destacar os artistas que se dão ao direito de permanecer no Recanto durante os festivais, aprenderam uma grande lição com os sabiás. O pássaro símbolo possui um belíssimo cantar, vêm, canta, encanta, alça vôo, arriba sem pedir nada em troca. Alguns fraternos já possuem lugar certo para acampar, escolhem os espaços em consonância com os primeiros trinados ouvidos na Estância do Sabiá. Isso dignifica os irmãos costeiros! Há uma simbiose entre os verdadeiros artistas e os pássaros. Por vezes, os sabiás silenciam para ouvir as melodias dos humanos.

No 18º Encontro cultural e artístico, a grande surpresa foi o número de trabalhos apresentados, na modalidade Tema Livre, vinte cinco! Alguém pode até desdenhar da quantidade, porém, não faltou qualidade. A temática – Lida Campeira – deixou de ser levada ao palco diante da falta de energia elétrica por determinado período. Entretanto, aos artistas será oferecida outra oportunidade para defender suas obras. Contudo, os músicos e cantores se entrelaçaram num show musical inesquecível.

Mais uma vez, com a Confraria Recanto do Sabiá se somaram diversos apoiadores, entre eles, Prefeitura Municipal de Santo Ângelo, vereador Sebastião de Entre-Ijuís, Vassoler, Casa do Fumo, Terra Nativa – Erechim, Erva Mate Baldissera, Universal Plásticos, Despachante São Jorge, 1º Tabelionato de Santo Ângelo, Posto Nedel, Fruteira e Mercado São Luiz, Afrânio Marchi, Scavol Peças, Confraria do Caaró e Nico Missões. Enquanto isso, cabe destacar o trabalho dos confrades da casa, incansáveis na missão de preparar a sede e, cada qual, desempenhando a contento, seu ofício, no evento. Todos, autoridades, artistas, confrades e apoiadores, juntos, fizeram um grande espetáculo. E a imprensa, novamente, realizando um trabalho maravilhoso. Que a benção lhes venha dos Céus!