Gana Missioneira

0
137

Aniversário – a próxima segunda-feira assinala o aniversário de José Ataídes Sarturi, também conhecido por NENITO SARTURI, um dos cantores mais reverenciados do Rio Grande do Sul. Nascido em 2 de janeiro de 1957 na Terra dos Poetas, cidade de Santiago, iniciou sua carreira artística em 1979, com o advento dos festivais ocorrido na década de 70. Venceu a grande maioria dos Festivais Nativistas do RS e, nestes 32 anos de trajetória artística, atingiu a marca de mais de 600 (seiscentas) músicas gravadas, como compositor e/ou intérprete, além de ter lançado 11 (onze) discos nesse período. Nenito é formado em Direito e Jornalismo e atualmente exerce a profissão de Delegado de Polícia. Possui os Títulos de Colaborador Emérito do Exército Nacional e Cidadão Benemérito de Santiago.

Ano Novo – na tradição cultural do ocidente, o dia de hoje marca a transição para o novo ano. À meia-noite ocorre a celebração (réveillon) do final de um ano e início do próximo. O termo ‘réveillon’, origina-se do verbo francês ‘réveiller’, que em nossa língua significa ‘despertar’.
Início – esta comemoração iniciou em 46 a.C. por decreto do governador romano Julio César, que fixou o dia 1º de janeiro como o Dia do Ano-Novo. Na época, os romanos dedicavam este dia a Jano, o deus dos portões, o qual tinha duas faces, uma voltada para frente (futuro) e a outra para trás (passado). Por isso o primeiro mês do ano é denominado de Janeiro (Jano).

São Silvestre – Muitos já ouviram falar neste santo, mesmo não sabendo quem ele é. No Brasil a associação é feita através da Corrida Internacional de São Silvestre, que acontece todo dia 31 de dezembro pelas ruas de São Paulo. São Silvestre foi o Papa Silvestre I, entre 31 de janeiro de 314 a 31 de dezembro de 335. Foi em seu papado, durante o reinado do Imperador Constantino I que teve início a Paz na Igreja, ou seja, o fim da perseguição aos cristãos na época do Império Romano. Mas além do santo histórico, com existência concreta e fatos na medida do possível comprováveis, também existe o santo das lendas, das histórias ficcionadas para explicar fatos inexplicáveis. Existe uma lenda, originária da Madeira, que tem São Silvestre como uma das figuras centrais. É uma forma de explicar a origem dos fogos de artifício nas festas da virada do ano.

Lenda – “um dia, a Virgem Maria estava debruçada nos céus, sobre o oceano, sentada em uma nuvem. São Silvestre aproximou-se para falar com ela. Era a última noite do ano e São Silvestre achava que deveria ser uma noite especial, com um significado diferente para os homens, marcando uma fronteira entre passado e futuro, um momento propício para o arrependimento do que fizeram de errado e de esperança por um futuro melhor. Ao ouvir o que pensava São Silvestre, a Virgem Maria achou a ideia muito boa. Foi então que revelou a ele o que fazia ali sentada observando o oceano, com certa tristeza. Estava lembrando da bela Atlântida, que fora destruída pelos erros e pecados de seus habitantes. Conforme falava de Atlântida, a Virgem Maria deixou cair lágrimas de profunda tristeza e misericórdia. É que apesar do castigo ao povo da Atlântida a humanidade não havia aprendido a lição, e continuava cometendo os mesmos erros. São Silvestre estava comovido com as palavras e a tristeza da Virgem Maria. Observando-a percebeu que suas lágrimas não eram simples lágrimas, eram na verdade pérolas que caíam dos olhos da Virgem. Um destas pérolas-lágrimas, caiu exatamente no local onde antes, no vasto oceano, existiu a Atlântida. Esta pérola acabou por dar origem à Ilha da Madeira, que é conhecida como Pérola do Atlântico. Dizem os mais velhos que por muito tempo, nas noites de fim de ano, ao dar a meia noite, surgia nos céus um verdadeiro espetáculo de luzes e cores fantásticas, que perfumavam o ar com um aroma estonteante. O tempo foi passando, e estas luzes e cores deixaram de aparecer. Mas os homens, para recordar este fenômeno passaram a usar os fogos de artifício para celebrar a Noite de São Silvestre.(http://imaginacaoativa.wordpress.com/2009/09/14/lenda-da-noite-de-sao-silvestre/)

“Cada um canta o que quer, seguindo alguma razão, uns usam o coração, outros pensam no mercado, alguns cambeiam de lado e até usam fantasia, mas o certo é que a poesia surge bem antes das palmas e ninguém canta com a alma, dizendo o que não queria… eu quero cantar ‘de onde venho’”. (Ângelo Franco)