Asaf bate a ACBF e fica com o título do estadual sub-17

0
143

Aliando braveza, qualidade e controle de jogo, equipe reverteu o placar adverso da primeira partida

Jogando um futsal de profissional, a equipe sub-17 da Associação Santo Ângelo de Futsal (Asaf) derrotou na noite de ontem (12), no ginásio municipal Marcelo Mioso, a antiga detentora do título do campeonato estadual, a ACBF, de Carlos Barbosa, por 3 a 1 no tempo normal e 1 a 0 na prorrogação, e conquistou o inédito título diante de um público de aproximadamente 1.600 torcedores.

Os meninos da Asaf souberam suportar a pressão de decidir um título inédito em casa, depois de ter sido derrotados no primeiro jogo da final por 5 a 0, em Carlos Barbosa, no último sábado (6). Com personalidade de gente grande e uma bela atuação do goleiro Rafinha, o time do técnico Fábio Ávila da Silva, o Fabinho, controlou a ACBF e conquistou com autoridade o troféu de campeão estadual.

O JOGO
Nos primeiro minutos, a ACBF começou pressionando a Asaf. Porém, quem saiu na frente foi o time da casa aos 3min45s, quando Gabrielzinho recebeu livre na área e com tranquilidade só empurrou para as redes: Asaf 1 a 0. Um minuto depois, José, em jogada de pivô, recebeu de costas para o gol, girou e tentou o passe, a bola parou na defesa e voltou para ele mesmo encher o pé e marcar o segundo gol da Asaf, contando com um desvio na defesa. Até o fim da primeira etapa o goleiro Rafinha salvou a Asaf em pelo menos três oportunidades.

No segundo tempo, nos primeiros seis minutos, o goleiro Rafinha continuou segurando o ataque da ACBF, com quatro grandes defesas. Após a pressão do time visitante, em cobrança de falta pela esquerda, aos 8min, Lorenzo cobrou na barreira, no rebote Nathan chutou firme, a bola desviou na defesa e entrou: Asaf 3 a 0. Faltando dois minutos para acabar o tempo normal, Sipp descontou para a ACBF, decretando o 3 a 1 como placar final do tempo regulamentar.

Na prorrogação, precisando apenas do empate, por ter melhor campanha, a Asaf soube conter o ímpeto do time de Carlos Barbosa e segurou o 0 a 0 no primeiro tempo. Na segunda etapa da prorrogação, logo aos 30 segundos, em uma jogada trabalhada de pé em pé, Gabrielzinho serviu José, que com muita calma marcou o gol que garantiu o título, para delírio dos torcedores missioneiros. Os minutos finais foram de apreensão, com a ACBF utilizando o goleiro-linha e obrigando o goleiro Rafinha a pelo menos mais duas decisivas defesas. Mas o placar da prorrogação se manteve em 1 a 0 para a Asaf, que sagrou-se campeã estadual sub-17.

‘PROVAMOS QUE TEMOS GRUPO’, DIZ FABINHO
Para o técnico Fabinho, a conquista demonstra a qualidade do elenco e, acima de tudo, a vitória sobre uma equipe como a ACBF valoriza ainda mais o título. “Devemos agradecer a todo o grupo, que está junto há quatro anos. Eram três anos chegando longe no estadual mas sem a conquista do título. Passamos muitas dificuldades no campeonato, como com a saída do Matheuzinho e do Pedrinho, que foram jogar na Itália, mas provamos que temos grupo. Fizemos a melhor campanha, conseguimos decidir em casa, isso foi decisivo, e hoje colocamos em prática tudo o que treinamos durante a semana. A ACBF nos deixou ainda mais orgulhosos, por termos conquistado o título em cima de uma excelente equipe”, declarou.

O goleiro Rafinha e pivô Gabrielzinho ressaltaram a preparação da equipe ao longo da temporada. “Nós nos preparamos muito desde o começo do ano, treinávamos toda manhã e toda tarde. A gente merecia muito essa conquista”, disse Rafinha. “É muita alegria, eu sonhava muito com isso. A gente batalhou muito para estar aqui. Esse título vai para toda a família Asaf”, mencionou Gabrielzinho.

Já o presidente José Augusto Zanetti, que passará o cargo nos próximos dias para Carlos Alberto Gonçalves, o Carlão, se mostrou orgulhoso por finalizar sua gestão com essa conquista. “Estou encerrando minha gestão no dia 18 e felizmente, graças a Deus, deixo a presidência com um título. Nada melhor. É uma gurizada vibrante, uma torcida maravilhosa. Valeu todo o esforço, o planejamento, o trabalho com os pés no chão, e hoje estamos colhendo os frutos. Santo Ângelo não pode nunca ficar sem futsal.”