Santo-angelense Hector marca gol do título do Atlântico de Erechim na Taça Brasil

0
94

No 2º tempo da prorrogação o ala, que jogava como goleiro linha, desempatou a partida

O santo-angelense Hector Gonçalez teve uma participação direta na conquista do título da Taça Brasil de Futsal, pelo Atlântico, de Erechim, no último sábado (6). Com a partida contra o Krona, de Joinville, empatada, já no segundo tempo da prorrogação, o técnico Cigano colocou Hector como goleiro linha. Após troca de passes, o santo-angelense marcou o gol que deu o título nacional à equipe gaúcha. No caso de empate, a vitória seria do time catarinense.

“É um sonho realizado. Desde que comecei a jogar na Asaf já tinha o sonho de ter um título nacional, e agora o conquistamos”, disse Hector ao Jornal das Missões. O atleta, que quando criança jogava tênis, conquistando inclusive um Campeonato Brasileiro aos 12 anos, jogou quando adolescente em escolinha de futebol e iniciou a carreira profissional na Asaf.

Hector disputou a Série Bronze e a Série Prata pelo time santo-angelense. Depois jogou na John Deere, quando foi campeão pela Série Ouro. Foi para a Assoeva, de Venâncio Aires, e neste ano para o Atlântico. Agora campeão da Taça Brasil, em breve disputará a Liga Nacional e o Estadual Série Ouro. No próximo ano, se permanecer no Atlântico, disputará o Sulamericano de Futsal, cuja vaga foi conquistada com o título do final de semana.

APOIO DA FAMÍLIA

Para toda essa maratona de jogos, o ala tem o apoio da esposa Glaucia e da filha Gloria, bem como dois pais Ubiratan e Margarete e das irmãs que ficaram em Santo Ângelo. “Quando o jogo passa na TV, gravamos para assistir, ou ouvimos pelo rádio. Neste ano vamos a todos os jogos em Erechim ver o meu irmão. Na Taça Brasil assistimos a todos os jogos, tiramos a semana para acompanhar”, conta a irmã Tincia Gonçalez.

Tincia cita de cor os atletas que jogaram e jogam com Hector. “A gente acaba conhecendo nas confraternizações das famílias depois dos jogos. O Hector fez amizades fortes com os jogadores, um apoia o outro, e isso se leva para a vida inteira”, diz ela. Já Hector agradece os familiares, atletas e ex-jogadores que o apoiaram. “Todos que fizeram parte de minha carreira tiveram participação nesse título”, completa ele.