Símbolo do esporte de Santo Ângelo

0
111

Atleta Luciana da Luz, corredora desde 1997, conta sua história no esporte

Com a sala repleta de incontáveis troféus, em que cada guarda um pedaço de sua história, a corredora Luciana da Luz relata sua trajetória como atleta, que iniciou em maio de 1997. Incentivada pelo marido, Antônio da Luz, que atua nos Correios, Luciana competiu nas Olimpíadas Internas dos Correios, que eram realizadas em várias cidades e contavam com a participação de funcionários e dependentes. “Foi aquilo que me motivou, via as mulheres correndo e ganhando medalhas e pensava, ‘eu também consigo’, e foi aí que eu comecei”, afirma.

A atleta nasceu em Eugênio de Castro, mas começou correndo em Santo Ângelo e leva o nome da cidade nas competições que disputa, e não são poucas. A corredora já realizou provas em nível estadual, nacional e em outros países como Argentina, Uruguai, Paraguai.

A modalidade também está em família. O marido cursa Educação Física e o filho de sete anos, Rafael da Luz, segue os passos da mãe e já participa das primeiras corridas, com gritos da mais fiel torcedora. Mas Luciana revela “hoje quero que ele brinque, a corrida deixamos mais para frente”.

Sobre o significado do esporte, destaca “a corrida significa minha vida, dei quase metade dela pela modalidade. Acredito que comecei tarde, se eu não fosse uma atleta, hoje eu seria uma pessoa obesa, talvez com problemas de coração e de pressão, a corrida também é uma questão de saúde”. Ressalta ainda que atualmente já aceita perder, mas que no começo era mais difícil, pois queria levar o nome cada vez mais alto.

A modalidade vem crescendo em Santo Ângelo e cada vez mais vem ganhando adeptos do sexo feminino. Luciana conta que em uma de suas primeiras corridas ficou em último lugar, mas ainda conseguiu ganhar troféu, pois haviam apenas ela e mais uma competidora. “Fico feliz em ver que existem muitas mulheres correndo. Quando eu comecei não tinha mulher que corria, então eu saía pra rua correr e as pessoas gritavam ‘não tem nada pra fazer em casa!’ E ali treinando e sofrendo, pois queria buscar resultados nas minhas provas. Hoje não se vê mais isso, as avenidas de Santo Ângelo estão repletas de atletas. Outro exemplo é a Meia Maratona de Passo Fundo, que antigamente tinha 200 competidores e hoje já tem 900”, lembra.

Atualmente a corredora está sem patrocínio fixo para auxílio nas despesas da modalidade e para seguir levando o nome do município nas provas que disputa. Ela conta com os apoiadores médico Maurício Lunardi, Raia 3, Farmácia Tchê e Herbalife. Sobre as transformações na modalidade, ressalta que “dez anos atrás não era necessário pagar inscrição nas corridas, hoje não, a modalidade está muito valorizada, com características de marketing. Academias entraram com personais, muitos iniciam a corrida pela saúde e depois começam a competir”.

No próximo domingo (16), Luciana disputa uma prova de cinco quilômetros em Três de Maio e no dia 23 de agosto participará da Meia Maratona de Uruguaiana, prova que a atleta já venceu seis vezes.