Centro de Pesquisas de Ijuí pode ser habilitado a realizar testes para vacina

0
145
Foto: reprodução

O caminho para a produção de uma vacina não é curto – o tempo médio para ser desenvolvida, testada, produzida e distribuída para uma determinada população é de 10 anos. Hoje, o desafio da ciência não é pequeno. O mundo espera uma vacina criada às pressas para combater a Covid-19, uma que que não só crie uma resposta imunológica no organismo, como também seja segura para aplicar em bilhões de pessoas.

Fábio André Franke, médico Oncologista Clínico e investigador principal do Oncosite – Centro de Pesquisa Clínica. Foto: arquivo pessoal

Para uma vacina ser aprovada, ela precisa passar por diversas fases de testes clínicos prévios e em humanos. Uma destas pode ser realizada em Ijuí, no Oncosite – Centro de Pesquisas Clínicas. De acordo com o médio oncologista e pesquisador principal do Oncosite, Fábio Franke, diz que duas propostas foram recebidas, uma de um laboratório europeu e outra de um americano. “Estou com uma grande expectativa de sermos aceitos, já trabalhamos em pesquisas de tratamentos contra o câncer e vacinas com os mesmos laboratórios. A seleção dos centros de pesquisa é extremamente rigorosa, mas a Oncosite possui atualmente 80 estudos em andamento, sendo considerada um dos maiores centros de pesquisa da América Latina, e isso pode ser decisivo na seleção. A disputa é enorme, mas estou otimista que seremos aceitos”, avalia Franke.

Caso seja aprovada, a etapa a ser implementada em Ijuí é a 3 – a última do estudo e tenta demonstrar a eficácia da imunização. Ainda segundo Franke, 500 voluntários podem ser incluídos nesta etapa. A expectativa é de que comecem já em novembro deste ano.

Apesar da possibilidade de receber os testes, a estimativa é de que a vacina só esteja disponível para a população em geral no ano que vem.

“Comercialmente a melhor das hipóteses seria antes do inverno de 2021. O mundo precisará da produção de bilhões de doses, e esse será o grande desafio”, detalha o pesquisador.

Ainda, para Franke, a região receber uma etapa de testes da vacina para a Covid-19 se torna muito importante uma vez que a maioria das vacinas está sendo aplicada nas capitais.

“Assim nossa população poderá se beneficiar com o acesso antecipado e avaliar a eficácia e segurança nos habitante da região Noroeste. Hoje este é um objeto de desejo de todos os países.”

A melhor forma de combater vírus como este (que causou a pandemia) é uma vacina? Vacinas aliada a cuidados de higiene que passarão a ser rotineiros, com lavar as mãos com frequência e usar máscaras quando estivermos com sintomas gripais, o que já é comum na população oriental. Precisaremos evitar outras pandemias.

As vacinas que estão em desenvolvimento serão suficientes para garantir proteção (digo imunes permanentemente) ou será preciso aplicação de mais doses? Podemos pegar como referência a vacina para H1N1, creio que teremos que fazer reforços anuais. O vírus sofrerá mutações e as vacinas terão que ser adaptadas ano a ano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here