Corredores Azuis: Pelo mundo, corrida de rua dá visibilidade à causa autista

0
210
David Ferreira de los Santos, é uruguaio, e Aline Termas, finlandesa, correm pela Equipe em seus países. Fotos: arquivo pessoal

Na próxima semana, dia 12, encerra o período para a participação da 4ª edição da Rústica Autismo em Movimento, porém, a luta por mais visibilidade à causa não. Muito menos a prática esportiva que leva as cores do TEA pelo mundo.

A corrida de rua se tornou um grande divulgador do trabalho da Equipe de Corredores Azuis, de Santo Ângelo, pela inclusão. Desde sua criação, cada vez mais atletas se unem pela causa e levam a bandeira do respeito no peito. Atletas como o uruguaio David Ferreira de los Santos, que acredita ser por meio do esporte que consegue-se chamar a atenção das pessoas a ter mais informações sobre o autismo.

Para a finlandesa Aline Termas, estudante de medicina esportiva, correr pela causa autista é muito importante, um dos motivos é por ter TEA. “Então, é uma causa muito pessoal e me faz dar o meu melhor em cada evento de corrida, porque sei que traz consciência para as pessoas ao redor do mundo. Especialmente aqui no Norte da Europa, onde as pessoas não falam muito sobre autismo. Me sinto privilegiada por fazer parte desta equipe porque a causa é muito importante para mim e é fácil falar sobre isso porque eu também tenho autismo e as pessoas podem perguntar qualquer coisa de mim”, diz ela.

No caso de Aline, o autismo se manifesta na forma de uma cegueira cegueira facial, “não consigo ler os sentimentos das expressões faciais das pessoas”, detalha ela. Porém, aprendeu truques para viver em sociedade, “maioria das pessoas nunca imaginaria que tenho autismo.”

“Quanto mais pessoas divulgarem, seja através do esporte, na corrida, espero que isso possa resultar na inclusão e no respeito da pessoa com autismo. Objetivo é que
o autista seja aceito com suas peculiaridades com direitos respeitados”
-FERNANDO BENEDETTI
professor, pai azul e atleta da Equipe de Corredores Azuis

Globalização da Equipe

Tanto Aline, quanto David, foram convidados a correr pela causa autista pelo professor Fernando Bendetti, pai azul. O convite vai por meio de encontros em corridas pela América Latina ou por grupos de redes sociais.

Para ele, ter a participação de atletas de todos os lugares do mundo desperta a sensibilidade para a causa. “Os corredores de diversos países levam a conscientização sobre o autismo. Eles uniram-se a nós através da corrida para chamar atenção sobre esse universo tão diferente do autismo. Somos gratos a todos que correm pela causa”, diz ele.

Para David, o grupo Corredores Azuis motiva a fazer mais do que correr, “dá-nos alegria quando acabamos de correr, alcançamos distâncias e tempos que não pensavámos que poderíamos atingir”.

Além de atletas brasileiros, uruguaios e finlandeses, a Equipe de Corredores Azuis tem, ainda, integrantes em Portugal, Hong-Kong, Argentina, Paraguai e Filipinas.

“As pessoas começam a falar mais sobre o autismo e como existem tantas pessoas de diferentes países, somos capazes de trazer uma consciência global mais facilmente do que nunca, principalmente por causa das mídias sociais e nossa forte presença nessas plataformas. Eu gostaria de pensar que as pessoas continuam nos vendo e fazendo perguntas e, em geral, estão mais abertas para falar conosco e pesquisar o autismo
por conta própria.”
-ALINE TERMAS
estudante, atleta e autista

 

 

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here