Onda de adiamentos prejudica produtores de eventos

0
169
Decorador Thiago Prado (ao lado) e empresário de sonorização Maurício Silva tiveram agenda de eventos suspensa a partir do dia 14 de março. Foto: Oda Kotowski/JM

Casamentos e aniversários estão sendo cancelados e profissionais que trabalham com festas ainda não sabem o que fazer diante da crise

De um lado, frustração. Do outro, contas que não fecham. Escolher o lugar ideal, alugar um salão, contratar um buffet, mandar convites e ter que adiar o sonho de um casamento ou outra comemoração é uma situação que muitos santo-angelenses estão enfrentando diante ao surto do novo coronavírus. Na outra ponta dessa história, fornecedores que vivem de eventos veem as receitas despencarem.

DECORAÇÃO
O último evento que o decorador Thiago Prado realizou foi no dia 14 de março. Depois disso, por causa da determinação de isolamento social em razão do coronavírus teve que suspender a produção de três formaturas e três festas infantis. Os eventos de abril também estão suspensos e a expectativa é de que em maio retorne as atividades, caso as autoridades liberarem. “São datas que dificilmente conseguiremos recuperar pois nossa agenda está praticamente fechada até 2023 e ficará complicado encaixar as festas suspensas”.

Prado diz que por enquanto não sentiu os reflexos financeiros negativos por causa da paralisação, mas se continuar tendo que suspender os eventos as consequências serão graves. “Trabalhamos com reservas e logo teremos que pagar funcionários, fornecedores e alugueis, então se não tiver entrada de recursos a coisa ficará complicada”, salienta.
O decorador segue atendendo com a apresentação de orçamentos para festas em seu escritório e atendendo com restrições os clientes da sua loja Thiago Prado Interiores. Informações podem ser obtidas pelo telefone: (55) 99625-7931.

SONORIZAÇÃO E LUZ
Há décadas trabalhando com sonorização e iluminação de festas, o empresário Maurício Silva da Solares Som e Luz nunca viu uma crise tão grande. Também teve eventos cancelados ou suspensos a partir do dia 14 de março. Em abril começaria uma turnê de seletivas de modelos com o scoutter Dilson Stein, nos estados do Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro e Santa Catarina, e uma série de eventos para a Igreja Adventista, mas teve os compromissos cancelados ou suspensos por causa do covid-19.

O empresário Maurício Silva da Solares Som e Luz diz que nunca viu uma crise tão grande como esta. Foto: Oda Kotowski/JM

Com a agenda futura praticamente preenchida com outros eventos, Maurício diz que ainda não sabe como fará para reagendar os eventos suspensos até agora. “Chegará o momento em que não teremos dinheiro para cumprir com as despesas de aluguel, de material que foi comprado, de veículos e de funcionários. A classe de entretenimento movimenta milhões de reais por mês e não temos ninguém para nos amparar no momento”, lamenta.

4,5 MILHÕES DE EMPREGOS COMPROMETIDOS

Neste mesmo dilema estão outros profissionais como cerimonialistas, fotógrafos, filmagens,
gastronomia, garçons, lojas de alugueis de roupa, salões de beleza, etc.
O Brasil teve em 2019 mais de 1900 eventos por dia, gerou mais de 7,5 milhões de empregos diretos e indiretos, o PIB foi 13% ao ano e gerou mais de 200 milhões de impostos aos cofres públicos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here