PIB do Rio Grande do Sul cresce 2% em 2019

0
169
Perdas nas lavouras de soja ainda estão sendo contabilizadas restando cerca de 5% da área de 35 mil hectares para serem colhidos

A economia do Rio Grande do Sul cresceu 2% em 2019 – alta acima do indicador nacional que foi de 1,1%. O principal motivo é o bom desempenho do agronegócio.

O resultado do quarto trimestre de 2019 e o acumulado do ano foram divulgados na manhã desta quarta-feira (11) pelo Departamento de Economia e Estatística (DEE), vinculado à Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag).

O resultado positivo do Produto Interno Bruto (PIB) foi sustentado pelo bom comportamento das atividades no primeiro semestre do ano passado. Mesmo com uma desaceleração de 0,3% no quarto trimestre em relação a igual período de 2018.

A retração registrada nos últimos três meses de 2019 foi influenciada principalmente pelo resultado da indústria, que apresentou queda de 3,9%. No período, agropecuária (+3%) e serviços (+1,5%) registram os melhores números. No país, no quarto trimestre, o PIB acumulou alta de 1,7%.

De acordo com os pesquisadores do DEE, o resultado do último trimestre abaixo do restante de 2019 já era esperado. A indústria enfrentou forte desaceleração no período, especialmente o segmento de veículos automotores e o de máquinas e equipamentos, que tinham uma alta base de comparação em relação a 2018. A queda geral só não foi mais significativa por conta dos números da agropecuária no trimestre, tradicionalmente um período de pouco destaque para o setor.

Perspectivas para 2020

Em valores nominais, o PIB do RS em 2019 foi de R$ 480,577 bilhões, enquanto o PIB per capita foi de R$ 42.246,52, uma alta de 1,5% em relação a 2018. Para 2020, de acordo com a chefe da Divisão de Indicadores Estruturais do DEE, Vanessa Sulzbach, os primeiros acontecimentos do ano podem influenciar o desempenho da economia do Estado.

“Em função da desaceleração da economia mundial, decorrente dos efeitos do coronavírus e dos prejuízos que o produtor gaúcho terá que enfrentar devido à estiagem dos primeiros meses do ano, o prognóstico para este ano é ainda mais desafiador”, comenta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here