3º Grito de Alerta Missões Fronteira Noroeste poderá ter bloqueio da BR-285 nesta sexta

0
109

Mobilização de agricultores inicia nas principais ruas da cidade e encerra no trevo da rodovia

 De quatro a cinco mil agricultores de 70 municípios, representando cinco regiões da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag-RS), são esperados em Santo Ângelo durante todo o dia de sexta-feira (19). Eles irão participar do 3º Grito de Alerta Missões Fronteira Noroeste, que chama a atenção para a demanda mundial por alimentos e o custo de produção, entre outros temas.

O evento começa às 9h, com a chegada e recepção das caravanas na Praça Pinheiro Machado. Às 10h, será a abertura do encontro e início da caminhada, com paradas de visita das comissões, e entrega de documentos no Banco do Brasil, Sicredi, agência do INSS, Caixa Econômica Federal e Banrisul.

Ao meio-dia, encerra a caminhada e será servido almoço na Praça Leônidas Ribas. Às 13h, as caravanas se dirigem para concentração e encerramento do 3º Grito de Alerta no trevo da BR-285 com a ERS-344, em Entre-Ijuís.

Conforme o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Santo Ângelo, Osvaldino Lucca, há a possibilidade de haver um bloqueio da rodovia por um período, como uma hora, dependendo do que for decidido no local. Na ocasião, serão distribuídos panfletos explicando as razões da manifestação aos motoristas que transitarem pelo local.

Participarão do encontro agricultores das regionais da Fetag-RS Missões I e II, Santa Rosa, Ijuí e Três Passos. Lucca convida os produtores rurais a participarem do movimento e destaca as principais reivindicações da categoria (veja quadro).

QUESTIONAMENTO
Segundo a Fetag-RS, a população mundial hoje é de 7 bilhões de habitantes, e a projeção para 2050 é de 9 bilhões de habitantes. Dos 7 bilhões de habitantes, 925 milhões passam fome. Ainda conforme a Federação, para atender a demanda alimentar mundial será necessário aumentar em 70% a produção de alimentos. Porém, projeções indicam que até 2030 somente 9% da população irá residir no meio rural. Com base nesses dados, a Fetag-RS faz o questionamento: “Quem vai produzir os alimentos? E a que custo?”.

PRINCIPAIS REIVINDICAÇÕES

 – Política de garantia de renda/crédito rural: crédito diferenciado para viabilizar a transição para a produção orgânica e agroecológica, para viabilizar a emancipação produtiva e a manutenção do jovem no meio rural; ampliação da garantia de preços, considerando os custos de produção mais 30%, para garantir renda aos agricultores familiares; isenção tributária para insumos agrícolas utilizados nos produtos da cesta básica; revisão de normas para o acesso ao crédito rural do BNDES. 

 

– Acesso à terra: assentamento de duas mil famílias em 2013/2014 através da reforma agrária; ampliação de recursos para este programa e para o Incra; estabelecer limite de propriedade no Brasil de no máximo 35 módulos fiscais; proibição de compra de terras por empresas e estrangeiros; alterações no Programa Nacional de Crédito Fundiário quanto à renda, patrimônio e a lei que trata da restrição de compra de herdeiros. 

 

– Assistência técnica e extensão rural: universalizar e garantir a assistência de qualidade para agricultura familiar; garantir recursos da União para assistência técnica e extensão rural.

 

– Meio ambiente: implementar o pagamento por serviços ambientais prestados pela agricultura familiar, proporcional à área preservada em cada propriedade e equivalente à receita obtida pela principal atividade produtiva. 

 

– Previdência: garantia de benefício previdenciário com salário integral para pessoas com deficiência; e contratação de médicos peritos para o INSS. 

 

– Habitação rural: instalação de superintendência da Caixa em Santo Ângelo; alteração do limite de renda para enquadramento do G1 para R$ 25 mil, G2 para R$ 50 mil e G3 para R$ 80 mil. 

 

– Convivência com intempéries climáticas: garantia de recursos orçamentários para o Programa Irrigando a Agricultura Familiar; recursos para construir reservatórios de armazenagem de água, 

municipais e microrregionais; apoio ao PL 577/2007 no Senado, sobre a concessão do benefício de seguro-desemprego durante o período de eventuais calamidades naturais, ao trabalhador rural; implantação do Programa Garantia Safra no RS; inclusão nas operações de custeio pecuário o Proagro. 

 

– Programas estaduais: ampliar Programa Estadual de Correção da Acidez do Sol; acesso às sementes geneticamente modificadas para agricultores familiares através do Programa Troca-troca de Sementes; tributação diferenciada para as cooperativas da agricultura familiar, similar ao Simples Gaúcho; diferenciar a legislação para a constituição e formalização de agroindústrias familiares.