Após o anúncio do resultado, Unidos da Zona Sul protesta contra avaliações da comissão julgadora

0
92

Com o som da bateria da escola e da buzina de carros, integrantes se manifestaram no Centro

Logo após o resultado final da apuração do Carnaval de Rua, feita na tarde de domingo (23), no quartel do 7º RPMon, e que culminou com a vitória da Acadêmicos do Improvizo, em torno de 150 integrantes da Unidos da Zona Sul, segunda colocada, que apresentou o tema “Brasil: miscigenação, a força de uma nova raça”, protestaram no Centro e depois no barracão da escola contra a comissão julgadora, formada por jurados da Associação de Avaliadores do Carnaval do Estado do Rio Grande do Sul (Aavacergs).

Com os integrantes empunhando faixas com dizeres como “Vergonha!”, “Cadê o brilho e acabamentos dos carros?” e “Carnaval de Rua vira palhaçada”, e ao som da bateria da escola e da buzina de veículos, a caminhada partiu da Avenida Ipiranga e percorreu a Avenida Rio Grande do Sul e a Rua 15 de Novembro, até chegar à Praça Pinheiro Machado. Depois de manifestações na praça, a escola seguiu pela Rua Marquês do Herval, passando pela Avenida Brasil, Rua Marechal Floriano, Rua Sete de Setembro e Avenida Venâncio Aires. Na sequência, os integrantes da Unidos da Zona Sul seguiram novamente pelas avenidas Rio Grande do Sul e Ipiranga, até o barracão da escola, no Complexo de Esporte e Lazer do Bairro Sepé.

“A DISPARIDADE É MUITO GRANDE”, DIZ DIRETOR DA UNIDOS

O diretor de Carnaval da Unidos da Zona Sul, Paulo Peres, o Paulinho do Xangô, diz que a inconformidade é contra a nota dada à escola no quesito comissão de frente (9,5) e contra a igualdade de notas (10) entre a Unidos e a Acadêmicos na avaliação do carro abre-alas. No final, a escola vencedora ganhou por dois décimos – 99,3 a 99,1. “É só colocar lado a lado as fotos dos dois carros abre-alas e comparar. A disparidade é muito grande”, declara Paulinho, reiterando que a revolta da escola não é contra a vitória da Acadêmicos do Improvizo e sim contra a avaliação da comissão julgadora.

Quanto ao quesito comissão de frente, Paulinho entende que a escola atendeu bem ao tema e que merecia uma nota melhor. “O mundo do Carnaval é muito pequeno. Eles (os avaliadores) vieram para cá achando que no interior a gente não conhece Carnaval. Eu discordo quanto à capacidade desta comissão julgadora. Já tinha alertado a Liessa e a Secretaria de Turismo que eles não tinham capacidade e que a Liga deveria tomar providências. Trabalhamos durante meio ano e investimos dinheiro para nada”, conclui o carnavalesco.

JUSTIFICATIVA

Na planilha de votação dos avaliadores, o jurado Igor Pretto, responsável pela análise do quesito comissão de frente, escreveu quanto à nota de 9,5 da Unidos da Zona Sul: “Integrantes com bom preparo técnico; fantasia e alegorias adequadas ao tema; faltou sincronia em vários momentos da coreografia em que os movimentos eram feitos em conjunto”. O jurado Gilmar Santos da Conceição, responsável pelo quesito carro abre-alas, deu nota 10 a quatro escolas e, em todas as análises para justificar o voto, escreveu que as escolas cumpriram os objetivos propostos no artigo 3.3 da Liessa – não especificados na explicação.

Já o secretário de Turismo e Esportes, Marcos Mattos, disse ao Jornal das Missões que entende a manifestação da Unidos da Zona Sul e que ela é justificável, mas lembrou que a decisão dos avaliadores precisa ser acatada. “De certa forma, concordo com a manifestação. Os componentes da Unidos da Zona Sul fizeram o desfile mais bonito e saíram da avenida nos dando a impressão de que seriam campeões. É uma reação normal, justa, e eles têm todo o direito de contestar. Mas o julgamento quem faz são os jurados. O desfile foi o mais bonito, mas tecnicamente os jurados entenderam de maneira diferente”, analisou.