Artigo – Água x desperdício, por Flavio Panzenhagem

0
108

Estamos vivendo dias e noites de intenso calor. Climatizadores são a companhia de quem pode ter, ou então ventiladores são o calmante desse inferno que virou o verão gaúcho!

Além desses eletrodomésticos, a água é outro aliado contra o calor, pois é nela que evitamos a desidratação e recompomos a energia do nosso corpo.

É impossível viver sem água, mas de outra forma conseguimos viver sem climatizadores ou ventiladores.

Inaceitável é jogar água potável fora. Sim, é difícil de acreditar que nesses dias de intenso calor e de extrema seca que assola o nosso estado, onde mais de 200 cidades já decretaram estado de emergência pela situação crítica da falta de chuva, existem pessoas que jogam água no lixo, no bueiro, no ralo.

Logo cedo da manhã, a temperatura já está em 30, 31, 32 graus e segue subindo, e qual a previsão de chuva? Nenhuma… Isso devia assustar, mas não assusta.

A falta de água, como se vê nas matérias publicadas nos jornais, incansavelmente falada pelas rádios e mostradas pela televisão nos assustam, pelo menos eu acredito que deveria assustar, sigo com esse pensamento.

Famílias estão perdendo tudo, o gado está morrendo, lavouras estão secando e investimentos escoam "seca" abaixo. Fazer o que? No mínimo poupar para não faltar, correto?! EXATAMENTE!!! Afinal somos inteligentes, pessoas cultas e que aprendemos com as estiagens anteriores que é necessário poupar. Mas é utopia pensar que a cultura de poupar água para termos no dia de amanhã já chegou por aqui.
Faço caminhadas todas as manhãs, e não raro, passo em frente de algumas residências e diga-se que não são poucas, lavando calçadas com mangas abertas, empurrando lixo na sarjeta com água, ou varrendo a sujeira sem nenhuma pressa e a mangueira jogada ao lado sem nenhum constrangimento, fazendo a água que foi tratada pela Corsan escoar rua abaixo.

E o que é feito? Nada, afinal, no dia seguinte, o baile do desperdício continua, mudam as residências e assim segue, o crime contra a natureza e a humanidade continua no dia a dia, tudo isso a céu aberto para quem quiser ver, ao relento do sol que castiga o povo que não sabe poupar.

A rotina de jogar esse bem precioso é diária, seja lavando calçadas ou carros.

É necessário mais uma lei para evitar desperdício de água? Onde já existem tantas que nem sabemos para que servem.

Andem pela cidade e vejam com os próprios olhos essa arrogância do homem contra a natureza, que ano após ano nos dá lição de que ela é a soberana. Assim como ela nos dá vida, pode destruir nossos sonhos em segundos.

A MÃE NATUREZA QUER RESPEITO.

Precisamos respeitar mais o que ela nos dá sem pedir nada em troca.

*Flavio Panzenhagem é proprietário do Cinema Cisne.