Atingidos por Garabi e Panambi ocupam escritório de empresa

0
101

Na manhã desta quarta-feira (28), um grupo de famílias que estão sendo ameaçadas pela construção das barragens binacionais de Garabi e Panambi ocupou o escritório do Consórcio Energético Rio Uruguai em Alecrim. Os atingidos são contrários à construção das hidrelétricas planejadas para o trecho internacional do Rio Uruguai, entre o Brasil e a Argentina.

O objetivo da ocupação é cobrar a imediata paralisação dos estudos de viabilidade das obras (Estudo de Impacto Ambiental – EIA, Relatório de Impacto ao Meio Ambiente – RIMA e Viabilidade Técnica), bem como o cancelamento das reuniões que estão sendo feitas nas comunidades pelo grupo do Plano de Comunicação Social da empresa.

“Não quero sair da minha terra para dar lugar a uma barragem”, diz o agricultor Anacleto Reistoff. “O método das reuniões que a empresa vem realizando não esclarece a população e quer convencer que essas barragens trarão desenvolvimento, boas indenizações e o progresso para região. O discurso utilizado é o mesmo das outras barragens que já foram construídas e que acabaram deixando muitas famílias sem terra e comunidades inteiras desestruturadas”, salienta.

O clima na região é de animo pela organização das famílias e pelos resultados que conjuntamente estão sendo conquistados. “Já paralisamos uma vez e estaremos lutando unidos até que garantiremos nossas demandas. Não aceitaremos que nos despejem de nossas casas e terras sem nenhum esclarecimento e nenhuma garantia”, finalizou o agricultor.

PLEITOS

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) juntamente com a Diocese de Santo Ângelo e Igreja de Confissão Luterana no Brasil exigem a paralisação dos estudos na região até que a população seja consultada devidamente, os passivos nacionais de todos os atingidos solucionados e o decreto da Política Nacional de Direitos das Populações Atingidas por Barragens (PNAB) assinado pelo governo.

 

Sobre o Complexo Binacional Garabi/Panambi

A Eletrobras, juntamente com empresa argentina Emprendimientos Energéticos Binacionales S.A. (Ebisa), estão desenvolvendo os estudos e projetos para a instalação do Complexo Hidrelétrico no rio Uruguai, na fronteira entre o Brasil, no estado do Rio Grande do Sul, e a Argentina, nas províncias de Misiones e Corrientes.

O Consórcio Energético do Rio Uruguai é formado pelas empresas brasileiras Intertechne Consultores S. A. e Engevix Engenharia S.A e pelas empresas argentinas Consular Consultores Argentinos Asociados S.A, Grupo Consultor Mesopotamico S.R.L., I.A.T.A.S.A Ingeniería y Asistencia Técnica Argentina Sociedad Anónima de Servicios Profesionales, e Latinconsult S.A onde são responsáveis pelos estudos de engenharia e estudos ambientais do projeto Garabi/Panambi.