Casos de gripe A começam a declinar em Santo Ângelo

0
89

A última internação hospitalar de um morador do município com suspeita da doença foi há 15 dias

A circulação do vírus da gripe H1N1 está entrando num processo descendente em termos de contaminação no município de Santo Ângelo.

A constatação foi apresentada nesta terça-feira (10) pela coordenadora da Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde, Juliana da Rosa, durante reunião do Comitê de Enfrentamento da Gripe “A”.

Segundo ela, a última internação hospitalar de um morador do município com suspeita da doença foi no dia 26 de junho, portanto há 15 dias.

“Acreditamos que a partir das medidas desenvolvidas no município, tanto da vacinação como de tratamento e prevenção estão colaborando no combate a doença”, diz Juliana da Rosa.

No município de Santo Ângelo, o último boletim do Centro Estadual de Vigilância em Saúde aponta para 10 casos confirmados da gripe “A”, onde três resultaram em óbito.

O último óbito por gripe H1N1 é de um tenente da BM de 43 anos. Ele foi hospitalizado em 24 de junho, em Santo Ângelo, e faleceu em 27 de junho.

A vítima não era vacinada e nem apresentava a saúde debilitada por doença preexistente.

O Comitê Municipal de Enfrentamento da Gripe H1N1 possuía até hoje (10) o total de 5 mil doses da vacina disponíveis.

Além desse número, outras 2 mil doses estão guardadas para as crianças de 6 meses a 2 anos que deverão receber em 30 dias a segunda dose de imunização.

Desde o início da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe “A”, no final de abril, até o surto da doença em junho e julho, a Secretaria Municipal da Saúde recebeu 37.280 doses.

Como não existe previsão da chegada de mais vacinas, a prioridade de aplicação das doses são para crianças de 6 meses a 8 anos e as pessoas que fazem parte do grupo de risco.

As três farmácias do município que possuem o antiviral Tamiflu estão disponibilizando o medicamento gratuitamente.

Para tornar mais ágil a solicitação do medicamento e o seu tratamento, o Comitê de Enfrentamento da Doença determinou que para sua distribuição a prescrição pode ser solicita tanto por médicos do SUS como particulares.