Comissão Pró-Ponte Internacional Porto Xavier–San Javier aguarda definição de qual município será contemplado

0
96

A Comissão Empresarial Pró-Ponte Internacional Porto Xavier–San Javier reuniu-se na sexta-feira (7), na sede da empresa Pippi Pneus, em articulação para que a região seja contemplada com a construção. A definição da cidade que irá receber a ponte internacional entre Brasil e Argentina acontecerá em maio.

“Até o momento, não há indicação de que a região das Missões tenha sido a vencedora e nada consta no último relatório extraído junto ao Dnit. Porém, estamos na expectativa de que a nossa região seja a vencedora, por isso nos reunimos”, disse o empresário Wilson Pippi.

Com custo de mais de R$ 1 milhão, dividido entre os dois países, o Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA), iniciado em janeiro de 2014 por um consórcio binacional, tinha previsão de conclusão para 16 de setembro de 2013. Contudo, o Ministério dos Transportes afirmou na época que somente com base nas informações do estudo o governo federal decidirá pela realização da ponte e sobre pontos como a origem dos recursos e a contratação do projeto executivo e que o atraso se deve pela prorrogação do contrato. O Grupo Supervisor do Brasil na Comissão Binacional Brasil-Argentina para as Novas Pontes sobre o Rio Uruguai determinou a paralisação do contrato, em 13 de setembro de 2013. Este grupo é composto por representantes do Ministério dos Transportes e Ministério das Relações Exteriores do Brasil e da Argentina. Ele foi criado para analisar os estudos, preparar documentação e controlar e supervisionar os contratos que envolvam a ponte.

As datas de início e fim das obras também dependem do EVTEA, que será desenvolvido pelas empresas Iatasa, Atec, Grimaux e Ballcons. Na disputa pela obra, estão Porto Xavier e Porto Mauá, no Noroeste, e Itaqui, na Fronteira. Há a possibilidade de mais de uma ponte ser feita. Em nota, o Ministério dos Transportes informa que o atraso se deve pela prorrogação do contrato. Ele seria encerrado no dia 16 de setembro, mas, três dias antes, foi paralisado.

“Temos o conhecimento geral das vantagens técnicas, econômicas e ambientais para a implantação da ponte em Porto Xavier. A partir de agora aguardaremos a definição do estudo e esperamos que a região da AMM seja contemplada”, comentou Pippi.

A OBRA
A obra é considerada importante para a economia da região, tanto para o comércio, prestação de serviços e escoamento da produção, que são apontados como fatores diretamente influenciados pela ponte.

Participaram da reunião o presidente da Federação Empresarial Brasil, Argentina e Paraguai (Febap), Luis Koch; o secretário municipal de Indústria e Comércio, Leonesildo Bertê, representando o prefeito Valdir Andres; o prefeito de Porto Xavier, Paulo Sommer; o secretário de Turismo de Porto Xavier, Iro Luis Machado da Veiga; e o secretário de Saúde de Porto Xavier, Iury Sommer Zabolotsy.

ETAPAS DO ESTUDO
O estudo é divido em três etapas e deverá apontar o melhor local para a ligação entre o Brasil e a Argentina. Três cidades gaúchas estão na disputa: Porto Xavier, Porto Mauá e Itaqui. Não está descartada a construção de mais de uma ponte.

Na primeira etapa, já concluída, o estudo diagnosticou as ligações e os tipos de transporte entre o Brasil e o país vizinho, levando em conta as características socioeconômicas e a descrição geográfica, ambiental e das economias regionais.

Na segunda parte do estudo, que tinha previsão para conclusão no final de setembro de 2013, as empresas avaliam o fluxo de veículos nas rodovias fronteiriças dos dois países, levando em conta a economia de ambos, bem como as projeções para aumento da frota. Ainda não é possível estimar os custos para a obra.

Durante a terceira e última etapa, será apontado o local de construção da ponte, além da formulação e avaliação de um programa de investimentos para a obra. O estudo vai recomendar um projeto de gestão e como deverá ser o financiamento para a execução da ponte, que deverá ocorrer em maio deste ano.