Como chegar aos 58 anos de namoro

0
77

O que é namoro? Qual seria a sua resposta para esta pergunta? E qual o segredo para que duas pessoas vivam um namoro de quase seis décadas?

Neste Dia dos Namorados a história do casal que neste ano completará 58 anos de relacionamento. O ex-secretário de Obras e desenhista Rudá, 90 anos, e a ex-bancária Erica Rockenbach, 87, são daqueles casais diferentes dos atuais. Começaram a namorar tarde, formaram uma amizade antes de rolar o primeiro beijo e se conheceram bem antes de fazer sexo.

O namoro começou quando Rudá tinha 32 anos e Erica, 28. Sequer haviam namorado outra pessoa anteriormente. Contam que começaram a namorar mais tarde porque optaram em aprender mais sobre a vida doméstica. Por serem os filhos mais velhos (ele, da família Rockenbach e ela da família Schütz), ajudaram a cuidar dos irmãos mais novos.

O PRIMEIRO ENCONTRO

Rudá estava interessado em uma colega de trabalho e quando foi visitá-la pela primeira vez, foi mal recebido pela mãe dela. “Foi decepcionante. Voltei para casa e falei para minha mãe que daquele dia em diante eu não iria mais procurar namorada. A moça que quisesse namorar comigo haveria que ir até a minha casa me procurar”, recorda.

Uma semana depois, numa quarta-feira, vem até a sua casa, Erica, que era amiga de suas irmãs. Rudá não sabia da amizade e foi apresentado à jovem. No domingo, depois do chá da tarde, foram assistir um filme no Cinema Avenida. “E no apagar das luzes, eis que senta ao meu lado o Rudá. Começava ali o nosso namoro”, diz Erica.

A bela moça morava com a família em Ijuí e passou a vir a Santo Ângelo passear com mais frequência. No dia 22 de junho de 1953, Rudá conta que bateu à porta da casa do futuro cunhado, onde Erica estava, e pede-a em namoro.

O BEIJO

O primeiro beijo só aconteceu depois de dois meses de relacionamento. “O beijo é uma das maneiras de você expressar o sentimento que tem por uma pessoa. Embora sentíamos que estávamos nos gostando, íamos com cautela para não se arrepender. Hoje não é mais assim. Muitas pessoas vão beijando tudo o que vem pela frente sem sentir o verdadeiro gosto do beijo. Antes do beijo, é preciso haver um respeito de ambas as partes. O beijo representa o amor que te envolve cada vez mais nessa magia que é o namoro”, explica.

Na primeira visita à casa dos pais de Erica, Rudá foi recebido pela namorada tocando em seu piano a música clássica Noturno – Número 2 de Chopin. “Ela me surpreendeu com aquele gesto. As qualidades dela me impressionavam. Simplesmente me encantei mais por ela. Atualmente os casais até vivem um romantismo, mas muito diferente daquela época”, conta Rudá.

SEXO

E sexo, isso só aconteceu depois de o casal formar uma verdadeira amizade e manter um grande diálogo. Não que eles tivessem medo, pelo contrário, eles pensavam em fazer algo prazeroso e que não gerasse arrependimento. “Sexo é coisa sagrada e pode ser feito até a morte, desde que seja sincero. Hoje é muito fácil você arrumar um companheiro, o difícil é manter o relacionamento por muito tempo. Fazer sexo é uma forma de descobrir o seu próprio corpo e a mente. Por isso, deve ser feito com consciência. Não é preciso ter pressa para que você possa fazer a vida inteira”, destaca Erica.

CIÚME

Para Rudá e Erica o namoro é um tipo de amizade verdadeira. O segredo para viver tanto tempo juntos é, para eles, manter um relacionamento comparável ao de um irmão, sem ciúmes. Aliás, contam que nunca sentiram ciúme um pelo outro, ou pelo menos nunca demonstraram. “Para viver sem brigas e eternamente namorados é necessário que haja confiança, amizade e compreensão. Eu dizia para a Erica: ‘O que eu te falo hoje é para toda a vida’. Sempre segui o que eu falava até que consegui adquirir a confiança dela”, ressalta Rudá.

Do relacionamento tiveram três filhos: Maria Bernadete, Paulo Rudá e Luis Fernando.