Cotrisa pode realizar parceria com investidores da China

0
85

A informação foi confirmada pelo presidente da cooperativa, Roberto Haas

Em entrevista à Rádio Santo Ângelo, no programa Linha Aberta, apresentado por J. Miguel, o presidente da Cotrisa, Roberto Haas, esclareceu que a cooperativa pode estabelecer uma parceria com um grupo de investidores da China. Desde o ano passado, a Cotrisa se reúne com representantes desse grupo. “A empresa CP Líder, que é uma empresa de logística, veio até o Rio Grande do Sul e inicialmente procurou a Aprosoja para estabelecer parcerias. Em maio do ano passado, foi marcada uma reunião com a gente na Cotrisa e eles vieram até nós para apresentar os seus planos”, esclarece.

Segundo Haas, como a China é dependente de soja e de produtos para a alimentação, há o interesse dos chineses na produção agrícola brasileira, inclusive financiando os produtores. “É um país que tem um medo muito grande de ter um déficit alimentar, então eles se obrigam a buscar comida no mundo inteiro, para alimentar uma população de mais de 1 bilhão de pessoas. Eles querem romper um pouco a dependência que eles têm dos EUA e querem buscar direto soja do produtor aqui. Com isso, eles pretendem financiar os nossos produtores. Temos ajudado eles com informações em termos de logística, legislação e pode ocorrer uma parceria com eles. Não é compra (referindo-se à Cotrisa), é uma parceria, no sentido de auxiliar o produtor, financiando pivôs para a irrigação, financiando fertilizantes, insumos e outros equipamentos. Eles viriam com todo esse aporte de capital para financiar o nosso produtor”, relata.

SITUAÇÃO FINANCEIRA

O presidente da Cotrisa também salientou na entrevista, que a situação financeira da cooperativa já está controlada. “Estamos com a folha de pagamento em dia, luz, água, telefone, todos os custos operacionais mantidos, algum débito trabalhista sendo cumprido e renegociando com os credores. É uma coisa de muito trabalho, de muita paciência, mas nós estamos enfrentando essa situação difícil, que veio em 2008 com a crise internacional. Nós fomos atingidos, inclusive pelo corte de crédito, porque tínhamos muito acesso de crédito de grupos estrangeiros, a maioria deles se retirou do mercado naquele ano”.

Atualmente, a Cotrisa aluga a estrutura de suas unidades para a Camera. “A Unidade de Coimbra tem um arrendamento de dez anos e as demais um arrendamento de 15 anos. Isso foi aprovado em assembleia, não foi uma decisão isolada da diretoria”, lembra Haas.

Ao final, Haas lembrou a importância da Cotrisa para Santo Ângelo e região. “De 2003 a 2010, a Cotrisa recolheu R$ 38 milhões e 378 mil de ICMS. Ela gerou, nesse mesmo período, R$ 162 milhões 472 mil de valor adicionados por município. Só Santo Ângelo teve um valor adicionado de R$ 57 milhões. Os números mostram a importância que a Cotrisa teve na região. Esperamos recuperar essa importância”, revela.