Direção do Hospital Santo Ângelo encaminha projetos para ampliar recursos e trazer equipamentos e novos serviços

0
102

Demandas foram apresentadas ao chefe de gabinete da Secretaria de Saúde, Fábio Rolim Medeiros

A direção do Hospital Santo Ângelo apresentou, no último sábado, uma série de projetos ao chefe de gabinete da Secretaria Estadual da Saúde, o santo-angelense Fábio Rolim Medeiros, visando à implantação de mais serviços. Se atendidas, as demandas trarão mais recursos e ampliarão a capacidade de atendimento da casa de saúde à população, tanto via SUS quanto outros convênios.

Os projetos foram entregues durante um café da manhã com Fábio Medeiros, o Fabinho, no auditório do HSA. Participaram do encontro a provedoria e direção da casa de saúde, além do ex-prefeito Eduardo Loureiro, que intermediou o encontro.

Ao falar dos projetos, o provedor Bruno Hesse explicou que é preciso se preparar para atender mais pessoas nos próximos anos, tendo em vista as obras previstas para a região, como a construção das barragens de Garabi e Panambi, a BR-392, o Instituto Federal, entre outras.

AMPLIAÇÃO DE RECURSOS

Fábio Medeiros, após receber as solicitações, falou que pela primeira vez na história do Rio Grande do Sul o governo investirá 12% do orçamento em saúde, como é o exigido por lei. No ano passado, foram 9% e antes, era de aproximadamente 6%. O volume de recursos será, para o Estado, de aproximadamente R$ 2,5 bilhões no ano, quando antes chegava a R$ 700 milhões. Em síntese, Fabinho afirmou que há recursos, mas que é preciso projetos para destinar esses valores.

O ex-prefeito e coordenador regional do PDT, Eduardo Loureiro, afirmou que é importante encaminhar e agilizar os projetos ao Governo do Estado ainda neste ano, já que 2014 terá eleições. “Ano eleitoral é mais difícil aprovar recursos”, disse ele, ao elogiar a gestão do Hospital Santo Ângelo, nomeando os ex-provedores Velci Machado, Luiz Vilmar Denardin, Ataídes Reis Brum e o atual, Bruno Hesse.

VISITA

Após o café da manhã, Fábio Medeiros foi convidado para uma visita às instalações do HSA, onde pôde ver os últimos investimentos feitos, como a capela, bloco cirúrgico, quartos da maternidade, as saídas de emergência com portas antipânico, as alas particular e do SUS, laboratório, psiquiatria, entre outras unidades.

Fabinho visitou também os gêmeos Enzo e Maria Valentina, filhos de Gilmara Pereira e Everton Colussi, que vieram de Rodeio Bonito e peregrinaram hospitais em busca de uma UTI Neonatal. Eles nasceram há um mês com 730 e 650 gramas e já ganharam peso.

Por fim, o chefe de gabinete da Secretaria da Saúde foi levado à área onde serão construídos 58 novos leitos. Segundo o administrador Fernando Branco, a ampliação da capacidade do hospital é uma medida fundamental para os próximos 10 ou 15 anos.

A visita foi acompanhada pelo provedor Bruno Hesse, vice-provedor Odorico Bessa Almeida, secretário Angelo Caraffa, administrador Fernando Branco e assessor administrativo Fermino Zucoloto.

OS PROJETOS ENCAMINHADOS

Conforme o provedor Bruno Hesse, foram encaminhados pedidos para:

– Construção de 58 leitos: com investimento de R$ 2,3 milhões, novos leitos seriam construídos em área de 1.300 metros quadrados, em espaço na esquina da Rua Bento Gonçalves com a Rua 15 de Novembro. Seriam três pisos, dos quais o térreo primeiramente seria utilizado para estacionamento, como já funciona hoje, e o 2º e o 3º destinados aos leitos. “É uma necessidade. Hoje temos 176 leitos, dos quais 70% são atendimentos para o SUS”, justifica o provedor.

– Compra de tomógrafo: são necessários R$ 900 mil para comprar um tomógrafo, necessário para fazer e confirmar diagnósticos. Atualmente o Hospital terceiriza esse serviço.

– Unacom: a Unidade de Oncologia (tratamento do câncer) seria um novo serviço a ser implantado no Hospital Santo Ângelo, mas precisa de aprovação dos órgãos da saúde. “Esse serviço é referência em Ijuí, mas a demanda é muito grande e aquele município não consegue atender a todos”, destaca o ex-prefeito Eduardo Loureiro.

– Energia: o HSA precisa de R$ 500 mil para a compra de dois geradores de energia elétrica, para utilizar quando falta energia na cidade. Atualmente, a casa de saúde aluga um gerador, para o qual paga R$ 11 mil mensais.

– Medicamentos: até junho, devem ser liberados R$ 475 mil para a compra de medicamentos. Os recursos são oriundos da Consulta Popular.

 

Hospital Santo Ângelo é um case de sucesso da gestão da saúde, afirma Fábio Medeiros

Em entrevista ao Jornal das Missões, o chefe de gabinete da Secretaria Estadual da Saúde, Fábio Rolim Medeiros, não poupou elogios à gestão do Hospital Santo Ângelo, segundo ele um case de sucesso no Rio Grande do Sul. “Há hospitais e municípios com mais recursos que Santo Ângelo que têm problemas. A Secretaria da Saúde não tem medo de colocar recursos no Hospital Santo Ângelo, porque sabe que aqui eles serão bem aplicados e a população terá atendimento”, disse.

Fabinho afirmou que a política do Governo do Estado é de descentralizar os recursos, visando melhorar os hospitais do interior e adquirir mais equipamentos. “Colocamos os recursos onde dá resultado e onde as casas de saúde atendem pelo SUS”, acrescentou, ao destacar que as demandas pedidas pelo Hospital Santo Ângelo têm o “ok” do secretário da Saúde, Ciro Simoni, quanto à sua aprovação. “Agora temos que ver a viabilidade técnica, a burocracia, encaminhar isso.”