Edital do MEC inclui Ijuí entre municípios que devem receber cursos de medicina

0
91

O município de Ijuí foi contemplado no edital do Ministério da Educação para ter um curso de medicina. Além da Colmeia do Trabalho, somente mais três municípios gaúchos – Erechim, Novo Hamburgo e São Leopoldo – foram definidos pelo edital, que pré-selecionou as cidades a serem habilitadas para receber o curso de formação de médicos.

A divulgação ocorreu no Diário Oficial da União de terça-feira (3). Na próxima etapa, os municípios pré-selecionados receberão visitas de uma comissão de especialistas. O grupo irá verificar a estrutura dos equipamentos públicos e os programas de saúde existentes, para dar seguimento às demais etapas do processo.

Conforme o prefeito de Ijuí, Fioravante Ballin, será necessário realizar reestruturações na área de saúde básica, bem como a ampliação de leitos do SUS e das estratégias de saúde da família. Ele garantiu, porém, que o município irá garantir todas as adequações necessárias que ainda possam surgir a partir das averiguações in loco do MEC.

O reitor da Unijuí, Martinho Kelm, comemorou a conquista, e disse que a estimativa é de que sejam investidos cerca de R$ 8 milhões nos próximos seis anos, em adequações e novos laboratórios. Martinho disse também que 20% das vagas devem ser gratuitas via ProUni e que haverá possibilidade de financiamento via FIES. “É um conjunto significativo de vagas com gratuidade ou com pagamento estendido em até 18 anos, o que muda todo o contexto de acesso ao curso”, acrescentou.

Conforme a Unijuí, depois de 18 de dezembro, prazo final para apresentação de recursos dos municípios não contemplados no edital, serão mais 90 dias para apresentação do projeto, e de 12 a 18 meses para o primeiro vestibular.

Santo Ângelo apresentará recurso em que garante disponibilidade de leitos para o hospital-escola

Não contemplado no edital do Ministério da Educação, Santo Ângelo entrará com recurso para também ser incluído entre os municípios que poderão criar curso de medicina nos próximos anos. Conforme a secretária municipal de Saúde Eunice “Preta” Belinazo, o motivo pela não inclusão de Santo Ângelo seria a falta de leitos disponíveis exclusivamente para servir de hospital-escola. O MEC exigiria 300 leitos para esse uso (cinco por aluno), e Santo Ângelo só possuiria em torno de 100 à disposição.

“Precisamos buscar leitos na região. Temos interesse de incluir São Luiz Gonzaga, São Borja e Alegrete, que têm hospitais com leitos disponíveis e que somados aos nossos, chegam a esse número exigido pelo MEC”, informa Eunice. “A ideia é de no recurso apresentarmos documentos comprovando a disponibilidade de leitos nesses municípios das Missões e da Fronteira-Oeste. Estamos buscando ofícios com os hospitais informando que os leitos estão disponíveis para hospital-escola”, acrescenta ela, ao ressaltar que o recurso deve ser apresentado até segunda-feira (9), prazo estipulado pelo Ministério da Educação para as manifestações dos municípios.