‘Faremos uma gestão democrática e participativa’

0
109

Jornal das Missões entrevista o novo presidente da Mesa Diretora do legislativo, Gilberto Corazza

Após polêmica eleição da Mesa Diretora da Câmara de Vereadores de Santo Ângelo, o vereador Gilberto Corazza foi eleito como presidente na última segunda-feira e falou, em entrevista à reportagem do Jornal das Missões, sobre os projetos, diárias e mandato

Jornal das Missões: Quais as propostas da nova Mesa Diretora da Câmara de Vereadores?
Gilberto Corazza: Para o primeiro semestre deste ano nós constituímos uma proposta de um grupo de vereadores, composto pela bancada do PT, do PDT e pelo vereador Vando Ribeiro (PMDB), de uma gestão democrática e participativa que resultou em um acordo. Esse modelo de gestão será efetivado de maneira respeitosa com todos os colegas vereadores, respeitando três documentos basilares: primeiro a Constituição Federal e os princípios da economicidade, depois da transparência, pois tudo deve ser feito às claras, nada escondido; e da publicidade, ou seja, prestar contas à comunidade. Essa será a essência do parlamento. Nessa nova gestão os servidores estão orientados a atender atentamente todo o cidadão com muito respeito, desde o mais humilde até o mais graduado socialmente e economicamente.
Nós também vamos voltar a fazer as transmissões em vídeo e áudio das sessões da Câmara integralmente, porque isso é transparência. Nada deve ser escondido aqui. Haverá um canal específico no setor de apoio tecnológico, e ele vai coordenar, juntamente com a assessoria de imprensa, já se possível na próxima sessão, que será no dia 11 de feveiro.

JM: Você disse que neste ano a comunidade terá mais acesso ao Poder Legislativo. Como isso será feito?
Gilberto Corazza: Vamos implementar dois projetos. Um deles nós batizamos de Diálogos com a Comunidade. Parece muito evidente na nossa avaliação que a comunidade e os bairros da cidade, e o meio rural têm muitas demandas por obras e serviços públicos completamente preocupantes. Nós temos um município com uma iluminação pública precária, bairros com ruas que não foram sequer pavimentadas, com pedras irregulares. Então, nossa intenção é toda semana nós organizarmos um conjunto de bairros que serão convidados a vir até o Poder Legislativo através de suas lideranças para colocar as suas principais demandas. Será uma espécie de reunião pública, previamente divulgada, com os secretários específicos presentes para ouvir as demandas e reivindicações da comunidade. No fim de março já queremos ter concluída a carta das comunidades dos bairros e meio rural, com as demandas atualizadas e sugestões para melhorar as comunidades.
Além deste, temos o projeto chamado Debates Estratégicos que visa projetar o futuro de Santo Ângelo. Para isso, vamos promover uma vez por mês um seminário com parcerias de universidades, intelectuais, pesquisadores, cientistas sociais e urbanistas. A ideia é promover um debate propositivo no sentido de buscar soluções, com temas como agricultura familiar, economia criativa, Parque Tecnológico, Cidade Digital, mobilidade urbana, saúde, entre outros.

JM: Como será feita a concessão de diárias daqui para a frente?
Gilberto Corazza: Já assinamos uma resolução suspendendo temporariamente a concessão de diárias para os cargos comissionados aqui no Poder Legislativo, os popularmente chamados CCs. E para os colegas vereadores nós queremos garantir que tenham todas as condições para desempenhar plenamente seu trabalho, porém, seremos muito mais criteriosos quanto às diárias. Iremos deliberar uma reunião semanal na sexta-feira para apreciar todos os pedidos de diária dos colegas vereadores, aprovando ou não. O critério que irá nortear é se essa ação atende ou não o interesse público, se está de acordo com o interesse da comunidade, com a perspectiva de buscar políticas e projetos que ajudem no desenvolvimento do município. Quem irá avaliar isso é toda a Mesa Diretora.

JM: O seu mandato será dividido com o vereador Vando Ribeiro de Souza. O que motivou essa decisão?
Gilberto Corazza: Foi um acordo que fizemos, já que existe essa possibilidade de dividir o período. Então o meu mandato, que deveria ser de seis meses, será de cinco, já que o antigo presidente acabou ficando até o fim de janeiro. Devo ficar até o fim de junho.

JM: Qual a sua opinião sobre a maneira como foi conduzida a eleição da nova Mesa Diretora?
Gilberto Corazza: A antiga presidência, que tinha à frente o Pedrão, promoveu uma série de manobras protelatórias. Já na última sessão do ano passado devia ter havido a eleição da nova Mesa para 2016, mas ele decidiu prosseguir no cargo por mais seis meses. Naquele momento nós já divulgamos nota pública dizendo que a decisão era ilegal, entramos com mandato de segurança deliberado por mim e pelo vereador Everaldo, e obtivemos decisão favorável da juíza plantonista. Ela determinou, então, que imediatamente fosse realizada nova eleição. Mas aí foi feita mais uma manobra protelatória. Ao invés de fazer a votação no início de janeiro, o antigo presidente marcou a eleição para o início de fevereiro. Em fevereiro mais uma surpresa, ele abriu a sessão e já transferiu para retomá-la às 16h30min. Tudo manobra protelatória. Então, fica evidente que ele tinha o objetivo de usar de meios lícitos ou não, de fazer uso da máquina administrativa do governo municipal, do governo estadual, que entrou em ação para compor uma maioria, para tentar cooptar alguém do nosso grupo de oito vereadores para que eles continuassem no poder.
Porém, tivemos uma decisão firme, corajosa de todos da bancada do PDT, e eu agradeço ao empenho do presidente Eduardo Loureiro, que acompanhou nosso acordo, e também dos vereadores Vando e Diomar Formenton. Nos mantemos firmes e acho que quem sai ganhando é Santo Ângelo e toda a comunidade.