“Ferros velhos” de Santo Ângelo estão se registrando no Detran

0
81

Empresas buscam regularização do negócio dentro do que estabelece a “Lei dos Desmanches”

Em todo o Estado do Rio Grande do Sul, “ferros velhos” que atuam na desmontagem de veículos e comércio de peças, e acessórios estão se adequando às novas exigências do Detran, desde que entrou em vigor a Lei 12.745, também conhecida como a Lei dos Desmanches, que regulamenta esse serviço, de autoria do então deputado Adroaldo Loureiro.

Em Santo Ângelo a situação não é diferente e empresas do setor estão se adequando para poder atuar dentro da legalidade. Andréia Cacenote, da Cacenote Peças, localizada na ERS-344, conta que a loja atua no segmento há 17 anos, comercializando peças de veículos leve e camionetes, provenientes de leilão ou automóveis acidentados. “Muitos clientes nos procuram porque o preço é mais em conta comparado a uma peça nova. O valor chega até 50% mais barato que no mercado do setor”, diz.

Etapas do Registro

Andréia Cacenote revela que ao todo são três etapas para o registro da empresa: a primeira é o processo de cadastramento, no qual a empresa confirma o interesse em se transformar num Centro de Desmanche de Veículos (CDV).

“O segundo passo é o credenciamento, fase na qual estamos agora, encaminhando a documentação necessária, assim como efetuando as adequações estabelecidas pelo Detran na estrutura da loja, informatização, procedimentos e atender requisitos ambientais”, acrescenta.

A terceira etapa se constitui na capacitação dos profissionais, vindo desta forma o alvará de funcionamento.

Segundo ela, a empresa deverá cumprir todos os requisitos necessários até janeiro de 2014. “Apesar do custo para se adequar, sem dúvida, é uma forma de combater o comércio ilícito de peças e garante tranquilidade para o cliente que as adquire. Esperamos que a comunidade reconheça esse esforço que estamos fazendo para efetuar o registro. Há um custo que só poderá ser abatido em longo prazo”, explica.

Outra empresa santo-angelense que encaminhou registro é a Clevel Autopeças, localizada nas margens da ERS-344.

O proprietário Clederson Velaski conta que sua empresa encontra-se na segunda etapa do registro. “Estamos fazendo as mudanças necessárias na parte estrutural e implantando um sistema de informatização para o cadastramento de peças. Acredito que essas mudanças são positivas, pois vai beneficiar as empresas legalizadas e acabar com a concorrência desleal de quem comercializa peças sem procedência”, diz Velaski.