Gêmeos de mulher que não encontrava leitos em UTI Neonatal nascem no HSA

0
90

Menino de 730 gramas e menina pesando 650 ficarão internados por até 70 dias

No último sábado (20), por volta das 14h30min, no Hospital Santo Ângelo, começou mais um capítulo na vida de Gilmara Pereira, de 30 anos, a gestante que teve dificuldade para encontrar leitos em UTI Neonatal, no Estado. Nasceram, tendo apenas seis meses e meio de gestação, os gêmeos Enzo Francisco com 730 gramas e Maria Valentina pesando 650 gramas.

Os pequenos deverão permanecer internados por até 70 dias na Unidade de Tratamento Intensivo e o estado de saúde inspira cuidados, conforme explicou o médico pediatra Guilherme Pinheiro, responsável pela UTI Neonatal.

SITUAÇÃO DOS BEBÊS
Conforme o pediatra Guilherme Pinheiro, agora inicia mais uma etapa dos bebês na luta pela vida. “Após completar 48 horas do nascimento, nesta segunda-feira, os bebês começaram a dieta à base de leite materno. De quatro em quatro horas, eles recebem a alimentação através de sondas. Os pequenos também recebem, através do cordão umbilical, reforço nutricional por meio de vitaminas, proteínas e lipídios. Essa medida fortalece o intestino dos recém-nascidos”, observa.

O médico explica ainda que a meta é que os bebês cheguem a dois quilos em três meses. Quando atingirem 1,5 quilos as crianças estão fora de perigo.

PENSOU NA MORTE
Emocionada, Gilmara Pereira, que faz tratamento contra uma pneumonia, lembrou a peregrinação nos hospitais de Frederico Wesphalen e Três Passos, antes de conseguir leito de UTI Neonatal em Santo Ângelo. “Foi horrível a sensação, pensei que iria morrer. Não gosto nem de pensar a angústia que passei”, conta.

LUTA PELA VIDA
Everton Colussi, pai dos gêmeos, conta que mal havia chegado em Rodeio Bonito, acompanhado da amiga, a psicóloga, Carmine Ferraza, quando recebeu a notícia do nascimento dos bebês. “Tinha acabado de almoçar, quando ligaram. Imediatamente peguei minhas coisas e fui para Santo Ângelo ver meus filhos, acompanhado pela minha mãe e irmã. Ao mesmo tempo emocionado e bastante apreensivo. Afinal de contas são prematuras e os riscos são grandes, pela situação”, revela.

Ciente do atual quadro que inspira cuidados, Colussi se diz com fé e preparado para mais essa etapa de luta dos pequenos pela vida.

AGRADECIMENTO
Everton Colussi também agradeceu a dedicação do Hospital Santo Ângelo no atendimento de sua mulher. “Quero agradecer de coração a atenção que a equipe do hospital dedicou à minha família. Nunca vou esquecer isso”, disse.