Infestação do mosquito da dengue chega a 4%

0
101

Índice em Santo Ângelo é quatro vezes maior que o considerado normal pelo Ministério da Saúde

O índice de infestação do mosquito da dengue em Santo Ângelo está três vezes maior do que o considerado normal pelo Ministério da Saúde, conforme indica o Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa). De acordo com a coordenadora da Vigilância Ambiental, Selenir Arruda, foram realizadas duas análises. “A primeira revelou um índice de 2,8% de infestação. No entanto, pelo LIRAa, foi detectado um índice de 4%. É claro que temos de levar em conta que a medição foi realizada após um período de chuvas e bastante calor, mas isso chama a atenção para essa época do ano em que estamos vivendo exatamente essas variações de clima, o que exige um cuidado superior com os possíveis criadouros de mosquito”, explica.

Atualmente, a Vigilância está com um contingente de 32 pessoas, mas, com o período de férias, 28 estão trabalhando em visitações diárias às casas dos santo-angelenses com o objetivo de fiscalizar e conscientizar a população. O regime de mutirões, no entanto, está ocorrendo de forma ocasional, tendo em vista a instabilidade climática.

CUIDADOS REDOBRADOS
O clima de verão com calor e chuva faz com que o alerta à população seja ainda maior. “Esse é o período propício para a proliferação do mosquito. De janeiro a março costuma ser o período mais crítico, até porque é quando o pessoal tira férias e costuma deixar piscinas descobertas ou com água, potinhos de água para os animais de estimação, entre outras coisas que precisam ser evitadas”, analisa.

Selenir salienta que alguns cuidados devem ser redobrados nessa época do ano. Entre os perigos já citados, ela destaca que, por exemplo, no caso dos animais de estimação, uma das saídas é pedir para que alguém fique de olho nos bichinhos e troque a água diariamente. Já para as piscinas, no caso das desmontáveis, é importante deixá-las guardadas durante o período de viagens e, no caso das fixas, é aconselhado que um equipamento que tape a água seja utilizado. “Deixar alguém responsável por olhar o pátio após as chuvas também é importante, pois evita que a água fique acumulada em vaso ou em outros recipientes que possam ter sido esquecidos”, lembra.

IMPORTÂNCIA DA CONSCIENTIZAÇÃO
Entre os principais trabalhos de conscientização da Vigilância Ambiental estão panfletagem na praça, mobilizações e palestras em escolas, entre outras. “Mas esse é um caminho bem lento. Para ter-se uma ideia, focos são encontrados nos próprios locais onde realizamos atividades de conscientização, como em escolas”, comenta a coordenadora. Ela ressalta que o contingente é pequeno para abranger toda a população santo-angelense, por isso é importante que a população conscientize-se de que, para manter a cidade livre da dengue, é importante mantê-la livre dos focos de proliferação do mosquito. “A conscientização deve partir dos cuidados básicos, que para dar certo precisam ser a proposta de uma comunidade inteira”, conclui.