Iphan vai iniciar novas pesquisas arqueológicas no Parque Histórico das Missões

0
108

No dia 18 de agosto, em São Miguel das Missões, será lançado oficialmente um projeto de cooperação técnica entre o governo brasileiro e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). No valor de R$ 3,7 milhões e com duração de 3 anos, o objetivo é o desenvolvimento de novas pesquisas arqueológicas no Parque Histórico Nacional das Missões.

No encontro, que vai acontecer no Tenondé Park Hotel, também será instalada a Coordenação Nacional do Projeto; debatidas as priorizações das ações a serem executadas, e iniciado o trabalho da Unesco de orientação aos profissionais que vão atuar no Programa de Apoio a Projetos Institucionais com a participação de recém-doutores (Prodoc).

Pelo programa do Iphan, além do lançamento, estão previstas reuniões técnicas até o dia 22 de agosto e visitas aos quatro sítios arqueológicos que compõem o Parque Histórico Nacional das Missões, criado em 7 de maio de 2009 por meio do decreto nº 6.843.

O Parque é constituído pelas áreas dos sítios arqueológicos missioneiros de São Miguel Arcanjo, localizado em São Miguel das Missões; de São Lourenço Mártir, no município de São Luiz Gonzaga; de São Nicolau; e o sítio de São João Batista, situado em Entre-Ijuís.

PROJETO
Denominado Valorização da Paisagem Cultural e do Parque Histórico Nacional das Missões Jesuíticas dos Guaranis, o projeto será lançado oficialmente no dia 18 de agosto, às 19 horas, pela presidente do Iphan, Jurema Machado, em uma cerimônia que contará com a presença de autoridades nacionais, estaduais, prefeitos dos 26 municípios que integram a Associação dos Municípios das Missões (AMM), do Detur/Funmissões, do Instituto Andaluz de Patrimônio Histórico, do Instituto Iguassu Misiones e da Associação dos Amigos das Missões e Universidade Regional Integrada/Campus Santo Ângelo.

A apresentação geral ficará a cargo do assessor de Relações Internacionais da presidência do Iphan, Marcelo Brito, e do superintendente do Instituto no Rio Grande do Sul, Eduardo Hahn.

A diretora do Departamento de Turismo e prefeita de Sete de Setembro, Rosane Grabia, evidenciou a importância do fato para a expansão do turismo nos 26 municípios que compreendem a AMM. “Este projeto do Iphan, com certeza, vai valorizar ainda mais a região como uma rota turística obrigatória tanto para o turismo religioso quanto para as visitações com as novas descobertas arqueológicas que poderão ser reveladas nestes três anos de trabalho da equipe técnica”, acrescentou a prefeita.