Lei dos Desmanches: quatro empresas locais estão se registrando no Detran

0
95

RC Autodemolidora, Comércio de Peças 344, Clavel e Cacenote Peças fazem adequações

A partir de 2014, empresas do setor de “ferros-velhos” que não estiveram registradas no Detran não poderão atuar no comércio de peças usadas no Estado. Em Santo Ângelo quatro empresas estão se adequando às exigências da “Lei 12.745”, também conhecida como “Lei dos Desmanches” de autoria do então deputado Adroaldo Loureiro. A RC Autodemolidora, a Comércio de Peças 344, a Clavel e a Cacenote Peças estão efetuando obras e melhorias de acordo com o que estabelece a nova lei.

O gerente da Comércio de Peças 344, Laércio Carlos Izolan Júnior, conta que a empresa encontra-se na fase final de registro. “Encaminhamos a documentação necessária, fizemos o curso de treinamento sobre GID – Sistema de Desmanches em Ijuí, com profissionais do Detran e da Procergs de como operar o sistema de cadastramento de peças. O Detran estará disponibilizando um canal da internet para operarmos neste sistema. Estamos adquirindo computadores com especificações exigidas pelo departamento”, explica.

Júnior também revela a empresa fez adequações em sua estrutura e agora encaminha o termo de adesão ao sistema. Segundo ele, dentro de 40 dias o Detran vem à empresa para iniciar o processo de cadastramento de peças. “Até julho deveremos cadastrar no mínimo 5 mil peças, conforme exigência do Detran, para então obter o cadastramento definitivo”, afirma. Ao todo deverão ser retirados 23 itens desmontados após 15 dias do recebimento do veículo. Ele revela ainda que apenas 150 empresas no Estado estão na fase final do registro. A Comércio de Peças 344 também contará com o trabalho do engenheiro mecânico Laércio Carlos Izolan, que fará o controle de qualidade das peças.

RC DEMOLIDORA

Há 20 anos no mercado, a RC Autodemolidora, localizada na Rodovia Ângelo Dalla Pícolla, n° 1445, no Bairro Haller, também está na fase final de registro no Detran.

O proprietário Antônio Carlos Pereira dos Santos, o Carlão, conta que sua equipe já fez curso em Ijuí e está cumprindo todas as exigências necessárias para atuar, em breve, no sistema GID do Detran.

“Colocamos cobertura no pátio, construímos sanitários, peça adequada para a desmontagem dos veículos sem risco de contaminação do solo, aquisições de reciclador de óleo, máquina com código de barras, computadores, entre outras medidas”, revela Carlão. Também destaca que a empresa está encaminhando a implantação do sistema para o cadastramento das peças.
Carlão explica que apesar do alto custo para adequação da empresa, o retorno será positivo em longo prazo.

“Havendo a fiscalização que o Estado promete fazer no combate aos ferros-velhos clandestinos, sem dúvida será muito bom. Tudo porque vai evitar a concorrência desleal e garantirá ao cliente peças de qualidade e com procedência”, revela Carlão.