Lutador de jiu-jítsu e secretário de Turismo e Esportes divergem sobre não participação do atleta no Campeonato Mundial, em Abu Dhabi

0
85

Marcelo Pontel diz que recebeu promessa de que teria recursos. Para Marcos Mattos, “faltou contato”

O lutador de jiu-jítsu Marcelo Pontel, 31 anos, iria participar do World Professional Jiu-Jitsu Championship (WPJJC, ou Campeonato Mundial de Jiu-Jítsu Profissional), o maior campeonato do esporte no mundo, realizado anualmente em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos. Neste ano, a competição foi disputada de 15 a 19 de abril. Devido aos altos custos que envolviam a participação, o atleta, que também é instrutor de jiu-jítsu, buscou o apoio da Secretaria Municipal de Turismo e Esportes na obtenção dos recursos. Contatos, houve. A participação no campeonato, não.

Marcelo e o titular da Pasta, Marcos Moreira Mattos, têm versões divergentes sobre a forma como a situação foi conduzida. O lutador santo-angelense, que conquistou o direito de participar do Campeonato Mundial depois de se sagrar vice-campeão em sua categoria – a faixa-roxa leve – em seletiva em Gramado, em fevereiro, diz que obteve do secretário, ainda em fevereiro, a palavra de que a secretaria iria inscrever seu projeto de participação em um edital da Fundação de Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul (Fundergs). O edital nº 02/2014, voltado a instituições públicas e de ensino superior, bem como entidades privadas, desde que sem fins lucrativos e com atribuição estatutária voltada para o esporte e o lazer, previa a destinação de recursos para apoio a atletas e equipes na disputa de competições oficiais fora do Estado e do País. O prazo de inscrições se estendia de 11 de fevereiro a 10 de março.

“PROCURAVA RESPOSTA, E NADA”
“Em fevereiro, ele (Marcos Mattos) disse que iria fazer a inscrição no edital, que era 90% certo que iríamos conseguir, e que, se não conseguíssemos, ele iria conseguir uma verba da Prefeitura. Eu já tinha feito passaporte, visto, inscrição no campeonato, matrícula na UAEJJF (a federação de jiu-jítsu dos Emirados Árabes), ligações internacionais, e eu via a situação não se resolver, entrava em contato com ele e não era atendido. Por baixo, gastei uns R$ 500”, conta Marcelo, que, devido às incertezas sobre a situação, não chegou, na época, a adquirir as passagens aéreas – o custo seria, se compradas com antecedência, de aproximadamente R$ 5 mil e, mais próximo da data, já estava em R$ 7 mil.

“Eu sempre corria atrás, para saber como estava o andamento da situação, e não era atendido. Precisava fazer plantão na secretaria para ser recebido. Todos os dias procurava resposta, e nada. Uma semana antes de começar o campeonato, liguei e ele disse que em 40 minutos ou uma hora iria me dar um retorno, e estou esperando até hoje. Penso que, se ele sabia que não iria conseguir, que pelo menos me dissesse, para eu tentar correr atrás de outros meios de buscar esses recursos. A preparação exige muito, eu treino todo dia e me sentia pronto para o campeonato”, complementa o atleta.

“FALTOU UM POUCO DE CONTATO”, DIZ SECRETÁRIO
O secretário Marcos Mattos confirma a intenção declarada a Marcelo de obter recursos por meio do edital da Fundergs e, também, em não sendo possível via edital, a possibilidade de que fossem ser buscadas verbas da Prefeitura para apoiar a participação do atleta no campeonato. No entanto, para o secretário, o principal problema da situação toda foi “falta de contato”. “Fizemos a inscrição no edital da Fundergs, mas a proposta não foi aprovada. Classificaram-se outras. E esta participação era um projeto caro, iríamos dar uma ajuda pela Prefeitura, estabelecer e definir parcerias, mas perdemos (secretaria e atleta) o contato. Tínhamos uma intenção de apoiar via secretaria, seria uma verba menor, mas faltou um pouco de contato entre as partes”, declara.

Sobre as afirmações de Marcelo de que não era atendido pelo secretário, Mattos nega e frisa que pode ser facilmente encontrado na secretaria. “Atendo todo mundo e estou todo dia aqui. Se alguém quiser conversar comigo, é só me procurar na secretaria”, rebate.