Mais de 1,5 mil unidades habitacionais movimentam a construção civil local

0
81

Maioria das casas e apartamentos estão sendo construídos pelo Minha Casa, Minha Vida

O atual momento em que vive a construção civil é de realização do sonho de quem sempre pensou em ter uma moradia e de mais empregos para a população.

Em Santo Ângelo, mais de 1,5 mil unidades habitacionais deverão ser entregues em 2012. A maioria delas estão sendo financiadas pelo programa Minha Casa, Minha Vida, do Governo Federal com a participação da Prefeitura de Santo Ângelo.

Os imóveis na planta, são os seguintes: – o Jardim Residencial Missões, no bairro Casarotto (atrás da Nicola Veículos) com 96 unidades; – o Jardim Residencial Olavo Vargas, no bairro São Carlos com 144 unidades; – o Jardim Residencial das Palmeiras, no bairro Jardim das Palmeiras com 80 unidades e o Conjunto Habitacional da Bassani Engenharia, no bairro Dido, com 36 unidades. Esses imóveis são aqueles onde empresários adquirem a área e oferecem para o programa federal.

Segundo o secretário municipal de habitação, Clédio Brandão Pereira, todos esses empreendimentos, irão beneficiar famílias com renda mensal de até dez salários mínimos.

Também estão em construção, empreendimentos de interesse social, ou seja, para famílias com renda mensal de até três salários mínimos (R$ 1,6 mil). São eles: – Romeu Goulart Loureiro, no bairro Pilau, com 400 unidades e previsão de entrega em março deste ano.

Além disso, há os lotes urbanizados, como: – Loteamento 300 Anos, com 96 unidades, que é uma parceria público-privada com a Fundimisa e está sendo construído na avenida Salgado Filho, na zona norte; – Loteamento Juarez Lemos, também na zona norte, com 180 lotes para as cooperativas habitacionais e a associação dos policiais civis e militares. A urbanização desse loteamento irá custar R$ 1,5 milhão para o Município.

O secretário Clédio acrescenta falando do Loteamento Pilau II, com 136 lotes urbanizados cuja construção é possível através de recursos do PAC I e contrapartida do Município. O investimento total é de R$ 600 mil. “A Prefeitura está aguardando a assinatura dos contratos com a Caixa Econômica Federal, agora em janeiro, para o início da construção dessas unidades”, afirma Clédio.

Também há o projeto de contrução do Loteamento Jardim Residencial, com recursos do PAC II, que fica ao lado do Asilo Universina Carrera Machado, com 138 unidades habitacionais para o reassentamento das famílias oriundas das margens do Rio Itaquarinchim. Eles são moradores dos bairros Castelarim, Vier e Fava. No local, também será construída a rua de acesso, a partir da Salgado Filho, além de um Núcleo Comunitário, equipado com 23 máquinas de costura para geração de trabalho e renda.

E os empreendimentos não param por aí. Pereira falou do Loteamento Alto Pilau, cuja construção também recebe recursos do PAC II para urbanização de mais 100 lotes e das 200 unidades já construídas na área rural numa parceria entre a Prefeitura de Santo Ângelo e o Sindicato dos Trabalhadores Rurais.

Em 2011, foram reassentadas 40 famílias que residiam às margens do Rio Itaquarinchim, no bairro Centro Sul, em unidades que foram construídas no bairro Sagrada Família.

Clédio Pereira ressalta que todo esse bom momento da construção civil reflete na geração de mais de mil empregos.

Em Santo Ângelo, outras dezenas de unidades particulares estão sendo construídas.