O Jornal das Missões e seus fundadores

0
86

 No início dos anos 80 o experimentado homem de negócios Marcelino Debacco, que desde 1946 atuava no comércio de Santo Ângelo e região, participava de frequentes reuniões com outros empresários e lideranças da capital missioneira em que sempre vinha à tona a necessidade de dar a Santo Ângelo um novo jornal. Pairava a certeza de que havia um clamor para contraponto a veículos já existentes, com vistas a oxigenar o universo da comunicação social e abrindo espaço para novas ideias, novos projetos, novas lideranças em todos os setores, não apenas de Santo Ângelo como em todo o território missioneiro.
Fruto disso na manhã de quarta-feira, 15 de junho de 1983, a partir da Avenida Brasil, 396, dezenas de jornaleiros encheram as ruas da cidade com um grito que já dura 30 anos: “Olhaaaaa o Jornal das Missões…”
Os primeiros leitores que recebiam os exemplares nas suas casas, nas lojas, nas indústrias, nas repartições públicas, de cara entenderam a mensagem: “Estamos nascendo de cabeça erguida, a espinha reta. E assim pretendemos continuar”.
E assim tem sido ao longo de 3.963 edições.
Um jornal democrático. Plural. Inteiramente livre.
A história do JM é uma belíssima história do jornalismo no interior do nosso Rio Grande do Sul e do Brasil.
Lembrando a fundação, eis traços das atividades dos fundadores do JM: Marcelino Debacco e seu genro Adroaldo Mousquer Loureiro.

ADROALDO MOUSQUER LOUREIRO

Nasceu em 15 de março de 1948, em Santo Ângelo. Casado com Neiva Debacco Loureiro, com quem teve três filhos: Eduardo, Roberto e Saulo. É cirurgião dentista formado pela UFPel em 1971, e bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de Santo Ângelo em 1983. Atua na área da agropecuária e é atualmente corregedor-geral do Tribunal de Contas do Estado, e membro da Segunda Câmara da Corte.

Foi vereador, presidente da Câmara, prefeito de Santo Ângelo, deputado estadual por quatro mandatos, secretário estadual do Trabalho e Ação Social, e presidente da Cohab-RS.
Possui diversas condecorações concedidas pelo Governo do Estado, Comando Militar do Sul, Sindicato do Comércio de Peças Automotivas do RS, pelo Instituto de Estudos Legislativos Brasileiros, Sobracom, Conselho Regional de Odontologia, entre outros.

Foi fundador do PDT e presidente do partido em Santo Ângelo, coordenou a agremiação na região, presidiu a Associação dos Municípios das Missões, fundou a Associação Gaúcha Municipalista, presidiu a 8ª Fenamilho, dentre outros destaques.

 

MARCELINO DEBACCO

Marcelino Debacco nasceu na Colônia Santo Antonio, 1º distrito de Ijuí, em 31 de dezembro de 1924. Filho de Guerino e Itália Debacco, desde muito pequeno trabalhou ao lado dos pais e dos 11 irmãos.

Em 1940 veio a Santo Ângelo como voluntário para cumprir o serviço militar. Morou depois em Santa Rosa e, de volta à capital das Missões, casou com Ada Rempel, com quem teve os filhos Ernani Nei (casado com Suzana Brandão) e Neiva Maria (casada com Adroaldo Loureiro).

Em 1946 ingressou na atividade comercial, com um armazém de secos e molhados. Foi um dos grandes incentivadores do transporte rodoviário, fundando em 1958, com seus irmãos a empresa Expresso Viaduto, mais tarde transformada em Lojas Debacco, de eletrodomésticos.

Também fundou com seus irmãos e com Celso Ritter, em 1964, a empresa Veículos Debacco S.A., concessionária Mercedes-Benz, e que mais tarde transformou-se em propulsora das demais empresas do Grupo Debacco: Retificadora Debacco, Comercial Debacco, Indústria de Carrocerias Debacco Ltda., Irmãos Debacco Ltda. (São Borja), Veículos Santo Ângelo, Debacco Hotel, Agropecuária São Miguel, Indústria Gráfica São Miguel e Jornal das Missões. Além dessas, teve participação em empresas de outros municípios do Estado.

Marcelino Debacco faleceu em 28 de fevereiro de 1989, vítima de um acidente de trânsito, aos 64 anos de idade.