População cobra abertura da UPA

0
98

Mobilização teve objetivo de sensibilizar a administração municipal para o imediato funcionamento

Moradores do Bairro Pippi e adjacências realizaram na manhã de ontem (31) um protesto visando sensibilizar a administração municipal para a necessidade de abertura urgente da Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) do bairro. A mobilização ocorreu na Avenida Sagrada Família, esquina com Assis Brasil, e contou com a presença de moradores, estudantes, líderes comunitários e vereadores.

A Unidade de Pronto-Atendimento teve as obras finalizadas em 2012, porém ainda não está em funcionamento. Em 15 de outubro do ano passado, a comunidade realizou um abraço simbólico no prédio, também com objetivo de pressionar o executivo municipal para que fizesse a imediata abertura. Ontem, em nova mobilização, os moradores bloquearam um trecho da Avenida Sagrada Família por cerca de uma hora, munidos de cartazes e faixas pedindo o imediato funcionamento da unidade de saúde.

PRONUNCIAMENTOS
Além dos moradores, estiveram presentes os vereadores Diomar Formenton (PT), Jacqueline Possebom (PDT), Jacques Barbosa (PDT), Lauri Juliani (PDT) e Gilberto Corazza (PT), que apoiaram a manifestação e se pronunciaram a favor da imediata abertura da UPA.

“Nós já lutamos muito para conquistar essa Unidade de Pronto-Atendimento, que vai atender não só à Grande Pippi, como também desafogar o Hospital Santo Ângelo (HSA). Estamos com o prédio pronto, com os equipamentos, e acredito que falta um pouco mais de empenho de quem está administrando o município para que consiga viabilizar a abertura desta unidade, porque a saúde não tem preço. Já se passaram dois anos, que não precise passar mais dois para abrir a UPA”, disse o vereador Jacques Barbosa.

Na mesma linha, a vereadora Jaqueline Possebom pediu sensibilidade ao Poder Executivo para uma rápida solução. “O que nós queremos é que o Executivo municipal tenha sensibilidade para abrir a UPA e atender ao pedido da comunidade, desafogando os atendimentos do Hospital Santo Ângelo. Aqui já está tudo pronto, inclusive com os aparelhos. É um descaso do Executivo. Deixar fechada uma UPA que beneficiará não só os moradores do bairro, mas toda a comunidade, realmente é um descaso”, disse a vereadora do PDT.

‘NÃO PODEMOS ESPERAR MAIS’
Moradores e líderes comunitários pedem providências urgentes da administração municipal para o início do atendimento da UPA.

Em nota à imprensa, assinada pelo presidente da Associação dos Moradores do Bairro Pippi e Adjacentes, Clodoveu Miguel da Rosa, informando da realização da mobilização, os moradores alegam que “a estrutura física e equipamentos estão montados há quase dois anos e até o momento não tiveram a iniciativa. Pois o povo quer que se cumpram as promessas de campanha para com a saúde”.

“Faz muito tempo que está concluída, abastecida com materiais e equipamentos, e não temos iniciativa do poder público municipal de colocá-la em funcionamento. Santo Ângelo reivindica e cobra. Queremos a UPA já. Não podemos esperar mais”, disse Clodoveu.

A moradora Zélia Menezes, de 63 anos, cobra da Prefeitura a abertura da unidade.

“Ficaram de abrir e não abriram. A gente vem pegar ficha, prometeram que iriam tirar a fila da madrugada, mas não. A gente tem de vir de madrugada. A gente não vai ao médico porque quer; a gente vai porque precisa”, reivindicou.

Outro morador e membro da Associação dos Moradores, João Ferraz, de 69 anos, ressaltou que a mobilização não é um ato político.

“Não é um ato político, é um ato de reivindicação. A UPA já deveria estar aberta há dois anos e não está. Nós moradores é que sentimos a dificuldade e necessidade. Não temos nada contra prefeito e autoridade nenhuma, só que nós queremos a UPA já”, destacou.

O QUE DIZ A PREFEITURA
Sobre a situação, a Prefeitura diz que entrou em contato com o Hospital Santo Ângelo para saber de seu interesse em assumir a administração da unidade. Segundo a Prefeitura, o hospital já realizou estudos técnicos e levantamento de custos e na próxima semana haverá uma reunião entre Executivo e HSA para a discussão da possibilidade.

UNIDADE DE PRONTO-ATENDIMENTO
A Unidade de Pronto-Atendimento, que ficará aberta 24 horas quando estiver em funcionamento, terá 47 ambientes diferentes, com quatro consultórios médicos (dois adultos e dois pediátricos), salas de inalação coletiva, de gessos e fraturas, eletrocardiograma, raio-X, salas de aplicação de medicação com nove lugares, de coleta de material para laboratório, suturas, prescrição médica, urgência/emergência.

Também haverá salas de estabilização com seis leitos, sala de estabilização individual com dois quartos para pacientes que ficam na UPA até 24 horas; copa para servir refeições a pacientes internados até seis horas na unidade; dois quartos dormitórios para plantonistas, o Centro de Armazenamento e Distribuição de Equipamentos Médicos e Farmácia (CAF); sala de lavagem e descontaminação de equipamentos e materiais; sala de distribuição de material esterilizado; uma sala de estar para funcionários e em frente deste espaço haverá dois vestiários. Já ao fundo a sala de almoxarifado e equipamentos. A instalação da UPA conta ainda com 14 banheiros e três salas de depósito de material de limpeza.