Projeto Sabão Ecológico Curumim é alternativa para descarte correto de óleo de cozinha usado

0
136

Iniciativa é realizada através do Iesa e Susepe

Usado na preparação de alimentos, o óleo de cozinha é muito utilizado em residências e em determinados tipos de empresas, como bares e restaurantes. Porém, em muitos casos, este resíduo acaba sendo descartado incorretamente, jogado no ralo da pia ou mesmo nos vasos sanitários. Outras pessoas também preferem colocá-lo em algum recipiente vedado e descartá-lo com o lixo orgânico comum. No entanto, estes métodos de descarte do óleo de cozinha usado são meios de contaminação do meio ambiente, podendo poluir as águas e o solo, causando prejuízos econômicos e ambientais, pois o óleo é despejado indevidamente na rede de esgoto ou nos lixões.

Para os consumidores conscientes e para aqueles que desejam se adequar e passar a descartar corretamente o óleo de cozinha que produzem em sua residência, Santo Ângelo possui uma alternativa sustentável. O Instituto Cenecista de Ensino Superior de Santo Ângelo (Iesa) e a Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe), responsável pela gestão do Instituto Penal de Santo Ângelo, realizam o projeto Sabão Ecológico Curumim. A iniciativa contempla dois objetivos principais: a ressocialização do apenado e reintegração dele na sociedade, e a proteção ambiental.

O projeto prevê a coleta de óleo de cozinha usado a partir dos ecopontos do município. Caso descartado incorretamente, o óleo de cozinha é altamente poluente para a natureza, e além de causar entupimento de canos, pode disseminar doenças, causar a poluição de lençóis freáticos, terrenos, águas e rios.

COMO FUNCIONA:
Através do projeto do Sabão Ecológico, o óleo de cozinha é transportado dos ecopontos, que são os pontos de coleta, até uma fábrica localizada no pátio do Instituto Penal de Santo Ângelo. Conforme a coordenadora e idealizadora do projetos, que atua no Iesa e na Susepe, Débora Pedroso, “no local, os apenados transformam o material em sabão, que é utilizado no próprio instituto e em outros institutos e casas prisionais de abrangência da 3ª Delegacia Penitenciária Regional, com sede em Santo Ângelo, atendendo um contingente de 2100 presos”. A ideia teve origem pois os materiais de higiene não eram suficientes e dessa forma, começaram a ser produzidos no próprio local, de maneira artesanal em um galpão, no ano de 2011, relata Débora. Com a abertura de editais de projetos sociais, a idealizadora procurou o Iesa para a parceria, e desde lá vem sendo ampliado.

Atualmente, são produzidas o total de 2 mil barras de sabão por mês. Dessa forma, o óleo deixa de ser descartado incorretamente e é transformado em material ecologicamente correto. Ao mesmo tempo que auxilia a natureza, o projeto tem seu caráter de ressocialização, pois os apenados realizam trabalho em equipe e aprendem uma nova função que poderão exercer em sua reintegração na sociedade. Para cada três dias de de trabalho, é reduzido um dia de pena.

Conforme explica o coordenador do curso de Administração do IESA, professor Renato Przyczynski, a iniciativa depende unicamente do trabalho voluntário e da conscientização da comunidade escolar, de empresas e público em geral, em realizar o descarte correto nos ecopontos.

O projeto já venceu diversos prêmios de atenção à comunidade e é desenvolvido ainda em parceria com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Poder Judiciário, Conselho Comunitário e empresas apoiadoras (Eletrosul, Posto Pizzoloto, Estúdio Fotográfico Rubi e Gerson, Posto Santa Terezinha, Vonpar e Bar da Tia).

Conforme o secretário municipal de Meio Ambiente, José Ricardo Ferreira, “em Santo Ângelo, a única organização que está autorizada e licenciada a receber óleo de cozinha é o projeto Sabão Ecológico Curumim”. Ele explica que empresas como padarias e supermercados tem a obrigatoriedade de realizar o gerenciamento adequado de seus resíduos e fazer a comprovação.

ECOPONTOS
Santo Ângelo possui três ecopontos para o descarte do óleo de cozinha usado, localizados no Iesa, na Secretaria Municipal de Meio Ambiente e no Instituto Penal, que recebem os resíduos das 7h30min às 11h30min e das 13h30min às 17h30min.