Realização de testes rápidos de HIV será intensificada neste Dia Internacional de Luta Contra a Aids

0
108

Comunidade poderá realizar este tipo de exame nos postos de saúde dos bairros em Santo Ângelo

 

No Dia Internacional de Luta Contra a Aids, lembrado nesta quinta-feira (1º), o coordenador do Serviço de Atendimento Especializado (SAE) em DSTs e Aids em Santo Ângelo, Rafael Vinícius Teichmann, destaca a importância do uso do preservativo, “como a principal maneira de inibir os números crescentes de HIV no Brasil”. Como atividades para marcar a data, o serviço irá reforçar a realização dos testes rápidos de HIV nos postos de saúde habilitados. 
Os testes rápidos já são realizados durante o ano e serão intensificados neste dia, quando a  comunidade poderá realizar este tipo de exame nos postos de saúde dos bairros Dido, Indubrás, Castelarin, União, Sobuski, Rogowski, São Carlos, Nova, Aliança, além da Unidade do Interior em Buriti, no Centro Social Urbano e no próprio SAE (os postos estão atendendo no horário normal, sem turno único). Sobre o teste, Teichmann esclarece que “muitas pessoas não o fazem por medo, mas o ideal seria realizá-lo pelo menos uma vez por ano”. O teste rápido possui este nome, pois permite a detecção de anticorpos anti-HIV na amostra de sangue do paciente em até 30 minutos. Por isso, pode ser realizado no momento da consulta. Os testes rápidos permitem que o paciente, no mesmo momento que faz o teste, tenha conhecimento do resultado e receba o aconselhamento pré e pós-teste. 
Conforme o coordenador do SAE, o teste rápido possui a mesma eficácia que o teste laboratorial, o chamado Teste Elisa. Os dois são realizados pelo serviço durante todo o ano. Os testes rápidos podem ser feitos de segunda a sexta-feira, das 7h às 12h, e os testes laboratoriais podem ser realizados nas segundas e quintas-feiras, das 7h30 às 9h. Para quem deseja fazer estes exames, basta  levar a identidade e o cartão  do SUS. 
Teichmann explica que o SAE atende pessoas que estão infectadas pela doença, por outras Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) e hepatites virais. Quanto às DSTs mais simples, esclarece que seu atendimento está sendo descentralizado, “por exemplo, quando uma pessoa é diagnosticada com sífilis, o tratamento e acompanhamento é feito em seu posto de origem”. Através do SAE, os pacientes contam com atendimento médico, medicamentoso, psicológico (quando necessário ou solicitado pelo paciente) e acompanhamento da rotina do tratamento.
No total, o SAE em Santo Ângelo possui 635 pacientes que estão em acompanhamento de toda a região que abrange a 12ª Coordenadoria Regional da Saúde (exceto São Borja, que possui seu próprio SAE). O serviço ainda atende pacientes de fora, como Ijuí e Santa Rosa e particulares, além de possuir área de pediatria, que atende crianças infectadas com HIV. 
Do município de Santo Ângelo, são 367 pacientes acompanhados pelo Serviço. Teichmann explica que o número é menor em relação ao ano passado, tendo em vista a realização de levantamento em prontuários, quando foram retirados das estatísticas óbitos ou abandonos. Porém, o Serviço teve 37 novos casos diagnosticados até o dia 15 de novembro. Segundo o coordenador do SAE, a maior incidência de casos na região é de pessoas entre 30 e 39 anos, representando 32,03% do total. 
Teichmann destaca ainda que os boletins informativos estaduais divulgados mostram números crescentes de casos, sendo que uma das atribuições para este aumento seria a ampliação do diagnóstico da infecção pelo HIV.