Samu-Salvar: há quatro anos salvando vidas nas Missões

0
100

Coordenador Alex Antunes explica que foram realizados 8.623 atendimentos no período

O Samu-Salvar completou no dia 21 de setembro quatro anos de funcionamento em Santo Ângelo. Desde o início de seu funcionamento foram atendidas 8.623 pessoas, conforme informação do coordenador do serviço, o enfermeiro Alex Martins Antunes. A equipe conta com 31 profissionais, sendo seis enfermeiros, cinco técnicos em enfermagem, nove médicos e 11 condutores de veículos de emergência.

Antunes explica que o Samu possui duas ambulâncias: uma de suporte básico com técnico de enfermagem e condutor de veículos de emergência, para atender desmaios, dificuldades respiratórias, distúrbios cardiovasculares, hipertensão arterial e outros casos; e outra de suporte avançado, que atende casos críticos como paradas cardiorrespiratórias, politraumatismos, enfartos agudos do miocárdio e situação de acidente com várias vítimas.

ATENDIMENTOS

O enfermeiro Marcus Angst explica que 30% dos atendimentos referem-se a acidentes de trânsito e os outros 70% são casos clínicos. “Na parte clínica, o maior número de atendimento é de idosos acamados e doenças associadas, problemas respiratórios e cardiovasculares”, observa.

Outro dado importante revelado pelo enfermeiro são os horários com maior registro de atendimento.

Segundo Angst, das 7h30min às 8h30min, ao meio-dia e às 18 horas são os períodos que mais acontecem registro de chamadas, por serem horários de pico.

O Samu atende cinco municípios da região: Santo Ângelo, Entre-Ijuís, Eugênio de Castro, Vitória das Missões e Sete de Setembro.

No entanto, em casos específicos, o serviço atende outras cidades, caso seja acionado pelo Complexo do Samu, que fica em Porto Alegre.

TROTES

Um dos problemas enfrentados pelo Samu de Santo Ângelo têm sido os trotes. Muitos que acionam o serviço não esperam a ambulância que se desloca até o local. Outras vezes repassam o endereço errado dificultando a localização do paciente. Além disso, a falta de comunicação dos órgãos de trânsito da cidade é outro desafio. De acordo com o condutor da ambulância, Rosalvo Almeida, por várias vezes, teve dificuldade de transitar em ruas bloqueadas. “Seria importante que os responsáveis pelo trânsito pensassem nisso. A agilidade é fundamental para salvar vidas”, salienta.

Uma ação que marcou o trabalho do Samu

Ao longo dos quatro anos de trabalho do Samu-Salvar de Santo Ângelo várias vidas foram salvas e cada uma tem uma história peculiar. O coordenador do serviço, Alex Martins Antunes, lembra a ação ocorrida em agosto de 2012, na curva dos castelhanos, na BR-285, em Entre-Ijuís.

“Na época um veículo Ford KA prata caiu numa ribanceira. Havia duas mulheres no automóvel. Uma delas, que morreu, foi lançada para fora do veículo durante o impacto e a outra ficou dentro sem poder sair, com várias fraturas no corpo”, detalha.

Ele conta que foi marcante a equipe chegar ao local e ver a jovem, que ficou por mais de 10 horas dentro do automóvel, ainda estar viva pelas lesões sofridas. A vítima só foi encontrada muito depois do acidente por um agricultor que acionou o serviço do Samu-Salvar. Na ocasião desenvolvemos um serviço integrado com o Samu de Entre-Ijuís”, lembra.

Referência no Estado

O Samu de Santo Ângelo é referência no Estado pela qualidade dos serviços prestados. Ao todo são quatro bases de referência no Rio Grande do Sul. Conforme o coordenador Alex Antunes, profissionais de outras regiões do Estado vêm de outras cidades para conhecer o trabalho desenvolvido na cidade por uma equipe altamente qualificada.

Depois de acionado o Complexo do Samu de Porto Alegre, o serviço local leva uma média de 4 a 5 minutos para o socorro. Outra forma de acionar o serviço, no caso de traumas, é pela regulação inversa, onde a Brigada Militar e o Corpo de Bombeiros comunicam o Samu o local para efetuar o atendimento. Acionado, o Samu comunica o complexo e segue para o socorro.

DESAFIOS

O coordenador do Samu, Alex Antunes, salienta que apesar dos avanços existem muitos desafios para serem superados como a questão da acessibilidade e a contratação de mais profissionais no complexo, visando facilitar nosso trabalho. “Estamos com boa expectativa de avançar, pois o Governo do Estado está contratando mais pessoas”, revela.

O enfermeiro ao citar os desafios também observou como positivo o trabalho integrado do Samu com o Corpo de Bombeiros, Brigada Militar, Polícia Rodoviária Estadual e Polícia Rodoviária Federal.

CAPACITAÇÃO

Nos dias 14, 15 e 16 de outubro será realizado curso “Modulo 3 de Urgência”, no Iesa, para capacitação dos profissionais do Samu-Salvar em Santo Ângelo. Na segunda-feira (14) inicia às 13 horas e nas demais datas serão desenvolvidas atividades o dia todo. O curso será realizado pela coordenadora do Samu do Estado e do Núcleo Educacional de Urgência, Magda Dorr. A atividade vai envolver vários municípios gaúchos.