Simuladores de direção já estão em funcionamento em Santo Ângelo

0
79

Equipamento recria 26 situações e é obrigatório para candidatos à habilitação na categoria B

Os Centros de Formação de Condutores (CFCs) Santo Ângelo e da Getúlio já estão disponibilizando aulas nos simuladores de direção veicular. Os dois simuladores estão instalados no CFC Santo Ângelo e são compartilhados pelas autoescolas. Na terça-feira (11) foram ministradas as primeiras aulas aos futuros condutores. Até o final de quarta-feira, cerca de 15 alunos já passaram pela primeira vez pelo simulador.

“Os equipamentos foram instalados no sábado, na terça-feira o técnico veio nos ajudar e à noite já demos as primeiras duas aulas”, conta a diretora geral do CFC da Getúlio, Mara Lemos Rodrigues.

Para poder realizar estas aulas quatro instrutores de cada centro tiveram de passar por um treinamento, disponibilizado pela empresa fabricante do equipamento. “Foram cerca de 12 horas de curso que passamos para poder repassar aos alunos”, afirma a instrutora prática do CFC Santo Ângelo Marli Pastoriza Sarzi.

Para a instrutora, que ensina novos condutores há 16 anos, este recurso permitirá aos candidatos à primeira habilitação mais traquilidade nas aulas práticas em vias públicas. “Muitos dos alunos chegam até nós sem saber onde colocar a chave do carro. Este simulador proporciona as noções básicas de direção, porque interage e reforça estas noções”, explica Marli.

Aqueles que já possuem habilitação ou que se inscreveram antes de 2 de janeiro deste ano também poderão conhecer o equipamento, que tem graus de dificuldade e pode inclusive simular o trânsito nas rodovias. Cada aula tem o valor de R$ 47,06. “Como o simulador pode recriar diversas situações, os interessados poderão vir até nós e agendar aulas para ter a sensação de dirigir com chuva forte ou em rodovias”, diz Marli.

Segundo a gerente geral, Mara Lemos, após a finalização do processo da primeira habilitação dos condutores que passaram por estas aulas, poderá ser feita uma avaliação do recurso. “Acreditamos que venha a auxiliar bastante nossos alunos, diminuirá o pânico e os deixará mais seguros. Em cerca de 3 meses poderemos ter uma avaliação deste recurso.”

PARA QUEM PASSA A VALER

Futuros motoristas que se inscreveram em cursos de formação de condutores a partir de 2 de janeiro deste ano terão de passar por cinco períodos de 30 minutos cada com simuladores. Estas aulas acrescentarão R$ 235,30 ao valor total do curso, o que corresponde a 20% a mais do valor pago hoje, que é de R$ 1.113 para a primeira habilitação de carro no Estado. O aparelho recria 26 situações, entre elas dirigir na chuva, fazer curvas fechadas e até dirigir alcoolizado.

A obrigatoriedade para o uso de simuladores de direção, para interessados em obter a habilitação na categoria B, foi regulamentada em outubro de 2013 e deveria estar funcionando em todo o Estado a partir do dia 1º de janeiro deste ano. Porém, o Detran/RS solicitou adiamento do funcionamento do simulador, pois houve atraso das fornecedoras na entrega dos equipamentos. 

 

Detran/RS manifesta-se a favor do uso de simuladores de direção

Sobre a discussão levada ao Congresso Nacional sob a forma de decreto legislativo buscando a suspensão da obrigatoriedade do uso dos simuladores de direção nos Centros de Formação de Condutores de todo o País, o Detran/RS manifesta-se favoravelmente à continuidade do processo de instalação e uso dos equipamentos. O órgão diz que o Rio Grande do Sul é o estado que se encontra mais avançado no cumprimento da Resolução 444 do Contran. Segundo o próprio Denatran, o Rio Grande do Sul já conta com 47 simuladores instalados, estando programado chegar a mais de 800 em um mês.

Para diretor-geral do Detran/RS, Leonardo Kauer, desistir das vantagens proporcionadas ao candidato pelo aprendizado no equipamento é um retrocesso. “Entendemos que o simulador proporciona o enfrentamento de situações de risco e de circunstâncias com as quais o candidato deve estar familiarizado, o que não é possível oferecer nas aulas práticas com a necessária segurança”, diz Leonardo.

O uso de simuladores é comum em países como Noruega, França, Espanha, Alemanha e Suíça, mas o modelo brasileiro teve origem em um projeto solicitado pelo Denatran à Universidade Federal de Santa Catarina, que criou um software totalmente voltado às condições do trânsito nacional.

O diretor-geral do Detran/RS considera que as cinco aulas em simulador ambientarão o candidato em relação às vias e ao próprio veículo, reduzindo a necessidade de muitas aulas práticas iniciais apenas para esse fim. “O módulo pré-prático é uma fase intermediária entre a teoria e a prática que agrega qualidade ao processo de habilitação de condutores, dentro de um quadro em que se busca ativamente preparar para a redução da acidentalidade e a construção de um trânsito mais seguro”, conclui Kauer.