Sindicato dos Funcionários dos Correios encaminha contraproposta ao TST para retomar negociações

0
90

Os membros da Fenatec – Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Telégrafos e Similares, protocolou, na última sexta-feira (27), a contraproposta elaborada pelo comando de negociações e aprovada pela maioria dos Sindicatos filiados à Fentect, em suas assembleias. O texto foi protocolado no Tribunal Superior do Trabalho (TST), destinada aos ministros da Seção de Dissídios Coletivos do TST e ao relator do Dissídio Coletivo suscitado pela ECT, ministro Fernando Eizo Ono e também na ECT.

Segundo o delegado sindical de Santo Ângelo, Leandro Langer, o intuito é retomar as negociações com a empresa. “Aguardamos uma resposta positiva para que possamos abrir as negociações e finalizar a greve”, afirma Leandro. Ele informou também que no final de semana foi realizado um mutirão para colocar em dia as correspondências e entregas. “Não posso dizer o número exato, porém calculamos que cerca de 100 mil correspondências não estão sendo entregues. Fizemos esse cálculo com base em uma média de 15 mil entregas que eram realizadas por dia, mais os oito dias de greve”, explica.

O delegado pede a compreensão dos santo-angelenses, pois a greve tem o intuito de beneficiar toda a população. “Estamos pedindo contratação de pessoal, equipamentos para melhor atender a todos. Indiretamente a comunidade também será beneficiada”, comenta.

TEXTO DA CONTRAPROPOSTA
O texto da contraproposta prevê a manutenção da Assistência Médica (Correios Saúde) nos moldes atuais e extensivos aos novos empregados, mantendo-se a ECT como gestora direta do Correios Saúde, sem a possibilidade de gestão por qualquer outra entidade; abono dos dias parados, incluindo as paralisações dos dias 11/07 e 30/08, comprometendo os trabalhadores a colocar a carga represada por conta da greve nacional em dia; reajuste salarial de 8% extensivo a todos os benefícios; aumento linear de R$ 100,00; implantação da Entrega Postal matutina em todo o território nacional; pagamento de Auxílio-Creche a todos os funcionários, sem discriminação; contratação imediata de mais trabalhadores, através de Concurso Público, em substituição aos terceirizados e MOT’s; isonomia das gratificações de função motorizada pelo maior valor em todas as DR’s.