Trigo: Em Santo Ângelo, apenas 20% da área prevista falta ser plantada

0
84

Previsão é de que o plantio seja concluído no máximo até o fim deste mês

O último levantamento realizado pelo escritório da Emater/RS-Ascar de Santo Ângelo indica que 80% da área prevista de 11 mil hectares já foi implantada, representando 8,8 hectares.
Conforme o engenheiro agrônomo do escritório municipal, Álvaro Uggeri Rogrigues, em comparação com a safra anterior, a previsão é de que ocorra uma redução de 10,2% na área cultivada. “Na safra 2014/2015 foram implantados 12,250 hectares. Essa redução se deve aos altos custos de produção e da pouca perspectiva de preço do cereal antes do período de semeadura. O fato novo é que, nas últimas semanas, houve o aumento no preço do trigo a nível de mercado e, consequentemente, aumento na procura por sementes para ampliar a área programada. Porém, a pouca oferta deste insumo básico e sua baixa qualidade, acabaram não permitindo um aumento significativo de área”, destaca. Porém, Álvaro garante que a Emater segue avaliando este novo cenário, caso possa haver mudanças em relação a área cultivada.

A previsão é de que o plantio seja concluído até o fim deste mês no município, ou até antes. “As boas condições climáticas vêm favorecendo o trabalho de implantação da cultura, pois do contrário, com umidade alta e permanente, os agricultores com o maquinário e os equipamentos ficariam impossibilitados de entrar nas áreas a serem cultivadas”, explica o engenheiro agrônomo.
Apesar do clima vir ajudando no plantio, já se constata a necessidade de ocorrência de chuvas para que o processo de germinação e emergência da cultura ocorra de maneira adequada, já que a última chuva ocorrida no município foi no dia 29 de maio, há quase 20 dias. “Percebemos que o solo já se encontra seco e a presença de umidade traria condições favoráveis para trigo implantado germinar de maneira uniforme. Porém, ainda não constatamos a necessidade de replantio nas lavouras em que foram realizadas avaliações”.

Conforme o Conselho Municipal de Estatísticas Agropecuárias (Comea), para este ano, a perspectiva inicial de produtividade é de 50 sacas/hectare em área de 11 mil hectares. Álvaro explica, ainda, que o preço atual da saca de 60 kg de trigo é de R$40, sendo que no mesmo período do ano passado a saca estava cotada em R$ 27. “Nos meses de março e abril deste ano o trigo estava cotado a R$34 a saca de 60 kg, preço considerado baixo frente aos custos de produção. A partir da 2ª quinzena de maio o preço subiu para o patamar de R$ 40 por saca, considerado mais atrativo para se investir na cultura”, completa.