Vereadora Jacqueline Possebom cobra melhorias na Praça do Brique

0
120

Pedidos de providências já foram encaminhados ao Executivo Municipal

A falta de manutenção e segurança em algumas áreas da praça Leônidas Ribas, mais conhecida como Praça do Brique, tem sido alvo constante de reclamação de moradores e frequentadores do local.

Na tarde desta segunda-feira, a vereadora Jacqueline Possebom (PDT) fez questão de ir até o espaço para registrar o descaso, principalmente, na área que compreende o parque infantil. Brinquedos abandonados, bancos quebrados, tela e balanços enferrujados foram alguns dos problemas apontados pela vereadora.

De acordo com Jacqueline, a preocupação cresce ainda mais devido a presença de uma caixa de energia trifásica nas proximidades do parque infantil. “A caixa está sem nenhum tipo de proteção, em uma altura de fácil acesso, o que coloca em risco a vida da população”, frisou.

A escassa iluminação da Praça foi também reiterada pela vereadora, assim como a situação dos banheiros públicos. Segundo relatou Jacqueline, falta limpeza e manutenção no local. “O cheiro é insuportável. Alguns sanitários estão interditados. Não há o mínimo cuidado necessário”, afirmou a vereadora. 

Em busca de soluções, Jacqueline encaminhou ao Executivo Municipal pedido de providência, no qual foram apontados os reparos necessários, dando destaque aos que colocam em risco a integridade física de crianças e da população que circula pelo local.

“A falta de manutenção dos ambientes públicos, neste caso no parque da Praça do Brique, tem ameaçado a segurança das crianças. Tábuas de madeira partidas, pregos expostos, cordas soltas, balanços arrebentados, foram algumas das “armadilhas” apontadas no relatório que encaminhamos ao setor competente do município. Esperamos que alguma atitude seja tomada o mais breve possível”, finalizou a vereadora Jacqueline Possebom.

Chapas
Esteve acompanhando a vereadora, o representante dos Chapas e Papeleiros de Santo Ângelo, Paulo Roberto Ribeiro. Além dos apontamentos relacionados à falta de manutenção da Praça, que também é utilizada como ponto de encontro dos chapas, Paulo reiterou sobre a necessidade de espaço apropriado no qual seja possível armazenar os materiais coletados pelos trabalhadores.